Archive for setembro, 2001

"si solamente pusieras tu boca en mi corazón…"

2001, setembro 28, sexta-feira

28.9.01

” – Quero mudar o mundo!” isto soa tão estranho dito por mim. mas eu gostaria…
[não ‘tô prestando atenção.]
me senti o rei do mundo…
me senti um qualquer…
fiquei vermelho…
fiquei quieto.

às vezes me sinto poeira.
e fico aos cantos…
acordei inchado…
olhos cansados.
me ausentei voluntariamente das duas ultimas aulas….
pelos meus calculos posso me ausentar cinco aulas por semana… duas semanas e eu já alcancei 17.
vou manerar.

encontrei o “tops”(leonardo). o bicho sempre cumprimenta e se vai. hoje ele quis conversar… tops é de imbituba, não sei onde ele mora aqui… estudei com ele em 98 no 1 ano. sinto saudades daquela turma… sinto saudade daquela época.

garoa.

eu preciso desesperadamente fazer algum exercicio fisico…
andar..
sei lá…
um musculo aqui quando levanto rasga…
queima…

——————————

ô seu istepô… arrombastes! ó-lhó-lhó!!! mofas com a pomba na balaia… vinhas tão bem… derepente discambastes ó, mofas!! me admira de ti!! ô sô tanso! não istrova!! a mode de que… eu adoro o manezes… segue abaixo um trecho de uma crônica de Sérgio da Costa Ramos:

A beleza da Ilha é mansa como uma marinha de Pancetti, mas um arrastão dos elementos pode torná-la de hora para outra selvagem e expressiva como um filme de David Lean.
O vento sul é um ilhéu típico, que fala chiado e que, ao contrário dos magos de ocasião, consegue facilmente entortar árvores e encrespar oceanos. foi conversando com esse ilhé que Cruz e Sousa empinou o seu verso simbolista e achou raras onomatopéias para descrevê-lo:

Tu que penetras velhas portas,
Atravessando por frinchas…
E sopras, zargunchas, guinchas
Nas ermas aldeias mortas.
Nada o detém quando ele bufa e escoiceia, no que há se ser a farra eólica do tempo. Ele se transforma então no vagabundo que rosna sonolento, leva longe o seu lamento, mas sua ferocidade é efêmera. E inócua. Se tanto, desmancha os cabelos da figueira, ou adianta o relógio da Catedral, que nesses diasperde a sua orgulhosa exatidão de Big-Ben.
Já tem 280 anos, mas parece que começou dijaôji.
A Ilha é Mulher. Sérgio da Costa Ramos.

inimigo invisível

2001, setembro 28, sexta-feira

É a chuva.
É toda uma tempestade sem precedentes…
Quando acordo, vejo
Lágrimas nos teus olhos…
Gostaria, eu, de pegar-te no colo
E dizer:
Amo-te… “Não tenhas medo”
Amo-te… “Estou aqui”
E tudo é p’ra sempre…

Pequeno coração em fúria…

Frageis mãos que esmurram o ar…
Tentando derrubar o inimigo invisível

28.09.01

antologia poética de vinicius de moraes

2001, setembro 26, quarta-feira


eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
ausência. vinícius