presente

2002, setembro 10, terça-feira

O homem bicentenário – isaac asimov

Sentimentos alheios me tomam neste tempo disforme… Eu vejo coisas que não sei explicar e sinto coisas que ainda não vejo. Talvez devesse eu “Sing out of tune”

E tu que me dizes tanto… Disso não me contas nada.
Perdoa a longa conversa. Palavras tão poucas, antes!
é certo que intimidavas.
Guardavas talvez o amor em tripla cerca de espinhos.
Já não precisas guardô-lo. No escuro em que fazes anos,
no escuro, é permitido sorrir…

Como um Presente. Drummond.

Estou precisando de poesia… Ouvir, ler, escrever… Sentir. Poesia em mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: