Archive for fevereiro, 2009

asuncíon py. Los papeles que resignificaron la memoria del stronismo

[sáb] 28 de fevereiro de 2009

ogaaabhxofr_fhiy6wbz5sxcbvu2ji_2kgikk22zfawlc2t1or2j5mqcq5movsuplptbts6xifclfrcxywwp6fqnnegam1t1ucratffexev9z_5vtrnb1ku248xaResistencia Paraguaya!

“.. Stroessner transitó una época que era adecuada a su modelo: los años de la guerra fría. Se convirtió en el campeón del anticomunismo y agitaría ese fantasma como justificación de las múltiples violaciones a los derechos humanos; el sempiterno estado de sitio y el cercenamiento de las liberdades públicas. Durante su gobierno, miles de paraguayos fueron apresados y torturados por motivos políticos; y el exilio, fundamentalmente a la Argentina, fue masivo. La cifre de desaparecidos y muertos por la represión oscila entre 200 y 3000, según diversos informes.” P. 16-17. PARAGUAY: LOS ARCHIVOS DEL TERROR – Los papeles que resignificaron la memoria del stronismo. 2008.

Las comillas

[qua] 25 de fevereiro de 2009

«EL ÁRBOL SIN RAÍZES SE VÁ PA CUALQUIERA PARTE!»
«¡NO HAY IDENTIDAD, NO HAY COMO PLANEAR LA REVOLUCÍON!»

sofia, lis gabriela, belén, angel, rozio

[ter] 24 de fevereiro de 2009

Sofia, Lis Gabriela, Belén, Angel, Rozio
todas las criaturas,
es por ellos que vamos
,
hermanos, madres, padres y hijos,
perdendo y ganando nuestra vidas.

nuestras vidas en el sabor de la tierra,
en el sudor de la guerra
,
con el sangre vivo goteando,
con la consciencia surgiendo
,
en el maiz,
en el mandio,
en el sonrisa,
en las manos callosas,
en el piel indigena comunera,
en el ventre, en el puño de lucha, nuestra lucha en latinoamerica
planteando, haciendo de la realidad un futuro posible, socialista!

***

não sabiamos nada
somente que eram lutadores
irmãos, camaradas, aguerridos comuneros
povo de largo sorriso, de fibra e coraje!

e nos sentimos em casa
um encontro de hermanos
hijos
padres e madres
que levam em seus peitos
a verdade
a gana de o mundo transformar
cambiando-se de velhos vícios em juventude
que não tem idade, em disciplina e coragem comunista.

***

púrahei canto
heterei muito bom
ju’i manu, perereca

po su guarani 5.000
mokoi pa su 20.000
pa su 10.000

***
o vento selvagem
sobre as largas e novas árvores
que paira sobre o fim da tarde
ensina
como uma criatura
como um ancião
como um largo gesto
como um riso finito
que a calmaria tem seu tempo
e podemos rir e brincar

todavia há o tumulto
e seu tempo
que nos faz compreender
que não podemos nunca calar
e é nosso sina, de pueblo, gritar e lutar
feito estas árvores
feito estes jovens
feitos este anciões
por nossas vidas
por nossa dignidade
por nossa humanidade

24.2.9 py comuneros

***

e tem a chuva e os patos
neste momento
e os cururus se vão
mas nos miraram também
tal como este mbyrakaya

plena em sua posição imborrável
indagando de nossa parte terra
nessa vida d’agua
que brota do céu ali sem fim!
24.2.09

vos con su silencio-lloro!

[qua] 18 de fevereiro de 2009

usted no hace idea de lo que has hecho con su charla porteña su mirada critica y su beso y abrazo tuyo sollozo,  nuestro silencio el lloro la utopia, toda la coraje nuestro latino-corazón la verdad en la acción, camaradaria.  e yo, granito a granito de la roca ciega y muda, me puzo a ser sujecto-coletivo con usted en la historia y fuímos como nosostros hermanos y hermanas compañeras y compañeros!

estágio interdisciplinar de vivência

[ter] 17 de fevereiro de 2009

Segundo Estágio Interdisciplinar de Vivência nos movimentos campesinos de Santa Catarina – 2º EIV SC.

Aprendi um tantão: que fazemos a diferença quanto ousamos desafiar nossos medinhos, que nossas lutinhas coletivas, comunitárias e individuais são as cunhas dinâmicas nessa estrutura carcomida e pré-histórica que vive ainda… Hermanas y hermanos soy ahora un sujeito com mais corações…

“Juventude que ousa lutar constrói o poder popular” . Adelante…

necessito vazar

[qua] 11 de fevereiro de 2009
17:38

PERMITO OLHAR A FORÇA
DA CHUVA
E SENTIR TUDO
IMPASSÍVEL DE POR-SE
NESTE VERSO
MENOS ISTO:

O LIMITE.

***
17:45

O poeta infantil
seus olhos infantis
seus amores infantis
suas dores… ainda infantis


e ri[mos] (?) nos confundindo
com
a chuva

ele há de crescer(?).

***

***
18:30

12 minutos
é o tempo de ir embora
e esquecer? é tempo…
no cheiro da tarde encharcada
no gosto amargo do vento

nas furiosas palavras caladas.

***18:15

Não miro o chão e vou de cara nas nuvens
queria mais…
quero mais…
quero…

morro em cada querer
assim, de cara no concreto

[ARMADO].

***
18:10

TRÊMULO
AO SILÊNCIO DA PAREDE
BERRO!

releitura

[seg] 9 de fevereiro de 2009

ah… não são dias de organizar papéis. Não é dia de ficar olhando pra dentro.

…..

Alguém esqueceu de avisa-lo, ou ele mesmo, que perdeu-se da agenda que fizera e teimosa ou incautelosamente partiu. Revi tudo que fora anotado dos tais últimos anos intentando alguma sorte de ponderações e exemplificações sobre a relativização da categoria tempo quando trata-se de.. ah! Él sentiu algo como um estranhamento semi-quente e frio metal na garganta… um vazio completamente cheio de si …

…………………………………………………………………….. deste que nem a rotina persiste ……………………………………. engasgo …………………………………………………….. e aqui seguia-se um compendio de lamentações… quase um muro.

_

– é estou bem, mas se não ousar mexer! [o confessante]

– é, isto não dura muito. logo mais apago e ponho um sorriso no resto. [o confessado]

fechado para balanço. volto um dia desses…

[sex] 6 de fevereiro de 2009

“…  E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.” Vinícius de Moraes

Sueño con serpientes, con serpientes de mar,
Con cierto mar, ay, de serpientes sueño yo.
Largas, transparentes, y en sus barrigas llevan
Lo que puedan arrebatarle al amor.

… Y planteo con un verso una verdad. Silvio Rodríguez

que bom que tuas crises passam

[sex] 6 de fevereiro de 2009
recado dizia assim:

“que bom que tuas crises passam! tu é uma das pessoas na qual eu mais acredito sabia? tenho muita esperança em um mundo em que tu exista pra fazer com que os outros vivam iguais 😀

beijão amigo!
saudades imensas tb!”

Depoimento/recado de Jaque Buckstegge.

um monólogo

[qui] 5 de fevereiro de 2009

– Ouvir e falar até em monólogos?
– É, isto mesmo e ler e reler no mural do passado e do presente e do futuro todavia…
– Diz assim o texto que a conclusão que se chega sempre precária e impermanente é, ou esta sendo, e por tudo isto vai ser faísca passionada para tudo e todos!

– Não entende. Entende só se se permite! se doa-se! Nisto que há verdade… humilde e prazerosa entrega. E o resto são invenções do caracol escuro, cansado e solitário.

– Não são reais.

– Vai, abaixa a cortina nesse e encerra essas angústias egoísticas.

– Vamos fazer um estudo concreto e sensível.

– E contraditório!

– A realidade, da realidade ali fora acordei. E o que for para ser… será, mas que seja vivendo!

– É um bom começo.

%d blogueiros gostam disto: