Archive for abril, 2010

pass

[qua] 28 de abril de 2010

enrolado demais para conseguir escrever qualquer coisa aqui.

hoje chutei o balde e vamos ver quanto tempo a água leva para cair.

3.14159265359

[sex] 23 de abril de 2010

“assim como a vitória, uma gostosa sensação do mundo paralelo.”

Depoimento de Paula V. Parreiras G.

trechos do texto "a proeminência da mão direita"

[qui] 22 de abril de 2010

Parte 2 – A polaridade Religiosa

Deste ponto é importante ressaltar o seguinte:

A Preponderância da mão direita
A preponderância da mão direita é obrigatória, imposta pela coerção e garantida por sanções” p. 104
O desafio do texto é explicar a preferência pela mão direita num estudo comparativo de representações coletivas.” p. 104

A Polaridade Religiosa
“Uma oposição fundamental domina o mundo espiritual dos homens primitivos, aquela entre o sagrado e o profano” p. 104
“Certos objetos ou seres, por força de sua natureza ou por meio de representação de rituais, são como que impregnados com uma essência especial que os consagra, os separa e lhes ortoga poderes extraordinários, mas que então os sujeita a uma série de regras e estritas restrições.”
p. 104
“Coisas e pessoas às quais se nega esta qualidade mística não tem poder, nem dignidade: são comuns e, agora a interdição absoluta de entrar em contato com o que é sagrado, livres.”
p.104

Tabus
“Qualquer contato ou confusão de seres e coisas pertencendo às classes opostas seria funesto para ambas. Daí a variedade de proibições e tabus que, por mantê-los separados, protegem ambos os mundos a um só tempo.” pp 104-105

Poderes sobrenaturais “harmônicos” e “não harmônicos”
“Os poderes sobrenaturais não são todos da mesma ordem” p.105
Noção do Profano + Noção do Impuro = Pólo negativo do universo espiritual
Noção do Sagrado = Pólo positivo do universo espiritual

Pensamento primitivo
“O dualismo que é a essência do pensamento primitivo, domina a organização social primitiva” p.106
“Dado o caráter religioso com o qual a comunidade primitiva se sente investida, a existência de uma seção oposta e complementar da mesma tribo, que pode livremente realizar funções que são proibidades aos membros do primeiro grupo, é uma condição necessária da vida social”
“A evolução da sociedade substitui este dualismo reversível por uma estrutura hierárquica rígida”
“… castas ou classes, das quais uma, no topo, é essencialmente sagrada, nobre ou devotada a trabalhos superiores, enquanto…” p. 106
“O princípio pelo qual se atribui aos homens posição e função permanece o mesmo: a polaridade social é ainda reflexo e uma consequência da polaridade religiosa.” p. 106
“Assim, de um lado temos o pólo da força, do bem e da vida, enquanto no outro temos o pólo da fraqueza, do mal e da morte.”
“Todas as oposições apresentadas pela natureza exibem este dualismo fundamental”
“Esta distinção cósmica se baseia na antítese religiosa primordial” p. 107
“Assim, os dois sexos correspondem ao sagrado e ao profano (ou impuro), á vida e à morte. Um abismo os separa e uma divisão de trabalho rigorosa divide as atividades entre homens e mulheres de tal modo que nunca pode haver mistura ou confusão.” p. 107-108
“Se o dualismo marca o pensamento inteiro dos homens primitivos não influência menos sua atividade religiosa, sua adoração”
p. 108

Relação do corpo com a polaridade religiosa
“Como pode o corpo do homem, o microcosmo, escapar da lei da polaridade que governa tudo?” p. 108
“… Tal exceção seria não apenas uma anomalia inexplicável, mas arruinaria toda a economia do mundo espiritual.” p. 108

3. As característica da direita e da esquerda
“O modo diferente pelo qual a consciência coletiva concebe e avalia a direita e a esquerda aparece claramente na linguagem.” p. 109

Nomes
“Enquanto existe apenas um termo para ‘direita’ que se estende por uma grande área e que mostra grande estabilidade, a ideia de ‘esquerda’ é expressa por inúmeros termos distintos, que são muito menos difundidos, e que parecem estar destinados a desaparecer constantemente diante de novas palavras… ‘parece’ que ‘quando se fala do lado esquerdo evita-se pronunciar a palavras apropriada e tende-se a substitui-la” p. 109

Significados
“O mesmo contraste aparece se considerarmos o significado das palavras ‘direita’ e ‘esquerda’.” p. 110
“Não há nada que nos autorize a afirmar que a palavra indo-europeia antiga para direita teve primeiro uma conotação física exclusiva, e mais recentemente palavras formadas tais como nosso ‘droit’ e o ‘ajd’ armenio, antes de serem aplicadas a um dos lados do corpo, expressaram a ideia de uma força que vai direto ao seu objeto por caminhos que são normais e certos, em oposição aos caminhos que são tortuosos, oblíquos e abortivos.” p. 110
“Se seguimos seu rastro pelo método comparativo até a fonte da qual derivam estes significados fragmentados, nós os encontramos fundidos originalmente em uma noção que os engloba e confunde todos. Já nos deparamos com esta noção: para  a direita é a ideia do poder sagrado, regular e benéfico… Para a esquerda, esta concepção ambígua do profano e do impuro…” p. 111
“… Daí a importância atribuída na adivinhação, à distinção entre os lados tanto do corpo quanto do espaço.” p. 112
“Uma concordância não menos significativa liga os lados do corpo a regiões no espaço.” p. 112
“A direita representa o que é alto, o mundo de cima, o céu; enquanto que a esquerda está associada ao mundo subterrâneo e à terra.” p. 112
“O eixo que divide o mundo em duas metades, uma radiante e a outra escura, atravessa também o corpo humano e o divide entre o império da luz e o da escuridão” p. 113
“De acordo com uma ideia muito disseminada pelo menos na área indo-europeia, a comunidade forma um círculo fechado no centro do qual está o altar… A direita é o ‘interior’, o finito, o bem-estar assegurado e a paz; a esquerda é o ‘exterior’, o infinito hostil e a ameaça perpétua do mal.” p. 113
“Os equivalentes acima por si sós nos permitiriam supor que o lado direito e o elemento masculino são da mesma natureza, assim como o lado esquerdo e o elemento feminino… Aqui encontramos intimamente combinado o privilégio do sexo forte e do lado forte.” pp. 113-114
“Assim a oposição entre a direita e a esquerda tem o mesmo significado e aplicação que a série de contrastes, muito diferentes mas redutíveis a princípios comuns, apresentados pelo universo. O poder sagrado, fonte de vida, verdade, beleza, virtude, o sol nascente, o sexo masculino e – posso acrescentar – o lado direito, todos estes termos são intercambiáveis, como o são seus contrários. Eles designam, sob muitos aspectos, as mesmas categorias de coisas…” p. 114

4. As funções das Duas Mãos
“É bem conhecido que muitos povos primitivos, particularmente os índios da América do Norte, poder conversar sem dizer uma única palavra.” p. 114
“A mão direita representa o ‘eu’, e a esquerda os ‘não-eu’, os outros” pp. 114-115

O poder da mão esquerda – o poder da margem
“A mão esquerda está à vontade aqui: ela é excelente em neutralizar ou anular a má sorte, mas acima de tudo em propagar a morte.” p. 116
“… funções diferentes e incompatíveis ligadas a naturezas contrárias. Se a mão esquerda é desprezada e humilhada no mundo dos deuses e no dos mortos, ela tem o seu reino onde é a senhora e de onde a mão direita é excluída; mas esta é uma região mal afamada. O poder da mão esquerda é sempre algo oculto e ilegítimo; inspira terror e repulsa.” p. 117
“Assim, a crença numa profunda disparidade entre as duas mãos às vezes chega até a produzir uma assimetria física visível. p. 117
“toda pessoa canhota é um possível feiticeiro.” p. 117
“É por isso que a seleção social favorece os destros e porque a educação é dirigida no sentido de paralisar a mão esquerda enquanto se desenvolve a direita.” p. 117
“A vida em sociedade envolve um grande número de práticas que, sem ser integralmente parte da religião, estão estreitamente ligadas a ela.” p. 118
“Como poderia a mão esquerda concluir atos válidos se está privada de prestígio e de poder espiritual, se tem força apenas para a destruição e o mal?”. p. 118

campo de trigo com corvos

[dom] 18 de abril de 2010

Um humano em seu quarto fechado grita: Nu! – pois a roupa é o cárcere.  Aproxima-se então vestida, a fuga deshumana, que em disparada para na caixa torácica… E vira tinta, papel e dor sobre a porta branca navalhada. Então, alguém no meio disso tudo diz: vai, feche os olhos – sinta o cheiro podre das boas roupas, dos bons pratos, dos bons hábitos, da suprema liberdade de ires e vires e transitares por entre os mortos ao vosso mundo. Utilize os talheres.  Sinta! – Diz uma voz morna, cromática e enfisematosa, e que já não é voz. É um pedaço de texto cheio de estupidez e ou de carne morta e sereníssima verde. Gozemos todos, co’o cheiro da gargalhada deste cortado, e assim celebremos, todos estúpidos, o que é belo! O que é líquido.

E entre um gole e outro a grossa tinta vermelha ao rasgar vossas gargantas de papel envolve os risos e no ar coagulam-se em bolhas de dor em movimento. Há risos, entre todos. E todos gritam! Todos gritam! [ecoa-se pelas salas e becos…] E todos gritam – uns de amor, uns de dor, outros de doramor… Ou nem isso como se fora um vazio misturado a espessa bruma branca. Esta, tão – neste estado de exceção – habitada por pedaços amontoados de vermelhos, de risos suados, de choros…

E Benjamin, Vicente, Antônio, Tu – todos vazam além da carne e da roupa deste ser. E somos belissimamente a ruína – Aquela que quando olha para si, vê-se nua e cheia de cicatrizes. E deste modo não é mais branca… É um partido, um estado de arte vivo… Humanamente gritando na liberdade de ser vida.

robert hertz, victor jara…

[qua] 7 de abril de 2010

Hoje será o primeiro dia no IEE. A primeira turma enquanto professor.

tenho abandonado isto aqui porque estou sem internet e sem tempo… lotado de coisas para ler e fazer.

———

El derecho de vivir en paz

Victor Jara

Composição: Victor Jara

El derecho de vivir
poeta Ho Chi Minh,
que golpea de Vietnam
a toda la humanidad.
Ningún cañón borrará
el surco de tu arrozal.
El derecho de vivir en paz.

Indochina es el lugar
mas allá del ancho mar,
donde revientan la flor
con genocidio y napalm.
La luna es una explosión
que funde todo el clamor.
El derecho de vivir en paz.

Tío Ho, nuestra canción
es fuego de puro amor,
es palomo palomar
olivo de olivar.
Es el canto universal
cadena que hará triunfar,
el derecho de vivir en paz.

HERTZ, Robert. “A preeminência da mão direita: um estudo sobre a polaridade religiosa”, in Religião e Sociedade (6) 1980: 99-128


a vanguarda surrealista na literatura e no cinema: Julio Cortázar e Michelangelo Antonioni

[qui] 1 de abril de 2010

A vanguarda surrealista na literatura e no cinema: Julio Cortázar e Michelangelo Antonioni
(Maria do Carmo Pinheiro e Silva Cardoso Mendes – Universidade do Minho)

%d blogueiros gostam disto: