Archive for janeiro, 2012

o tempo voa

[ter] 31 de janeiro de 2012

palavras-chaves – mais da semana que passou e menos da que virá [aleatoriamente]: trilha; gravata; galheta-barra da lagoa; harley, fukuta; caim; visita; diogo e veri; ernst götsch; sistema agroflorestal; professor act; maria izabel; south american way; tabebuia heptaphylla ou tabebuia avellanedae; o cio da terra; saudade do frio na barriga e de sentir a pele arrepiar e dos olhos marejar; paz; atenção; coragem; manoel de barros

A maior riqueza do homem é a sua incompletude
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como sou – eu não aceito.
Não aguento ser apenas um sujeito que abre portas, que puxa válvulas, que olha o relógio, que compra pão às 6 horas da tarde, que vai lá fora, que aponta lápis, que vê a uva, etc, etc.
Perdoai.
Mas eu preciso ser Outros
Eu penso renovar o mundo usando borboletas.

o código das águas

[sex] 27 de janeiro de 2012

ufa! sexta-feira.

estou cansado agora, mas não consigo dormir. é! esse(s) dia(s) intenso(s). hoje senti-me como um daqueles feijões que plantei ali do lado… meses e meses sossegado dentro da terra [como diz a brincar o japonês que sou algo como uma avestruz] e agora chegou a hora de germinar… de raiar… basicamente o programa de quinta-feira foi acordar cedo, preparar os documentos e ir trabalhar uma hora antes de tomar o rumo do centro da cidade para alcançar as metas traçadas… fiz m,atricula no ifsc e foi muito estranho entrar e passar pelos mesmos corredores de dez anos atrás. após garantir a matricula flanei, e ah! como eu adoro isto de sair sem rumo certo onde o que surgir é bem quisto. das duas até as quatro visitei alguns brechós, comprei livros num sebo e visitei o museu victor meirelles e o museu histórico de santa catarina palácio cruz e sousa.  o primeiro já conhecia, e no segundo encontrei aline e gyo [feliz supresa]. quatro e vinte embarquei e parti rumo ao centro multiuso de são josé. – me senti em casa… abracei, beijei, conversei, aprendi, reencontrei… esse povo me faz sentir-me em casa. não tinha a vaga que eu queria e optei por arriscar a segunda chamada. quinta-feira próxima é dia de escolher escola e ir a luta: nasce ai um professor.

o programa de quarta-feira foi curtir a chuva da tarde e trampar na noite. cansativo.

e terça-feira foi um gosto só. trilha monte verde até costa da lagoa. um sonho. fukuta e harley foram os parceiros. e terminou o retorno de barquinho da costa até a lagoa da conceição.

semana cansativa, mas gostosa. cheia de frio da barriga e de uma ansiedade tremenda… semana boa. semana intensa.

estou terminando de ler anton makarenko: vida e obra – pedagogia na revolução de cecília da silveira luedemann e comecei a ler hoje caim de josé saramago. do primeiro tenho várias coisas para anotar e estudar… do segundo… uma delícia de texto.

e isto que é chave… ler, descansar, passear, plantar, estudar, matear, encontrar os amigos… viver.

 

desiderata

[seg] 23 de janeiro de 2012

resumo da semana: muito facebook. um pouco de twitter. uma pá de trampo. fukuta retornou. estou mais comunicativo. mais uma parede da casa pintada. troquei jorge por arnaldo no setlist. muit mate e um pouco de terere. e nessa semana inscrição no ifsc e escolha de vagas de act.

e quem sabe uma trilha?

o milho brotou. colhi mais uma abóbora e comi os tomates. noé visitou minha casa ontem e curtiu o resultado do terreno e da casa. e vai tudo em paz com izabel…

e no meio de tudo isto vai tudo mais ou menos se encaixando… os desejos, os planos, as ações.

 

Desiderata Go placidly amid the noise and haste, and remember what peace there may be in silenceAs far as possible without surrender be on good terms with all persons. Speak your truth quietly and clearly; and listen to others, even the dull and ignorant; they too have their story. Avoid loud and aggressive persons, they are vexations to the spirit. If you compare yourself with others, you may become vain and bitter; for always there will be greater and lesser persons than yourselfEnjoy your achievements as well as your plans. Keep interested in your career, however humble; it is a real possession in the changing fortunes of time. Exercise caution in your business affairs; for the world is full of trickery. But let this not blind you to what virtue there is; many persons strive for high ideals; and everywhere life is full of heroism. Be yourself. Especially, do not feign affectionNeither be critical about love; for in the face of all aridity and disenchantment it is as perennial as the grass. Take kindly the counsel of the years, gracefully surrendering the things of youth. Nurture strength of spirit to shield you in sudden misfortune. But do not distress yourself with imaginings. Many fears are born of fatigue and loneliness. Beyond a wholesome discipline, be gentle with yourself. You are a child of the universe, no less than the trees and the stars; you have a right to be here. And whether or not it is clear to you, no doubt the universe is unfolding as it should. Therefore be at peace with God, whatever you conceive Him to be, and whatever your labors and aspirations, in the noisy confusion of life keep peace with your soul. With all its sham, drudgery and broken dreams, it is still a beautiful world. Be careful. Strive to be happy© Max Ehrmann 1927

cerca del mar

[ter] 17 de janeiro de 2012
1. LUNA NEGRA /// Jorge Drexler // Quatro estrellas blancas sobre fondo negro es la Cruz del Sur / Quatro estrellas blancas sobre fondo negro es la Cruz del Sur / Una luna negra sobre fondo blanco es tu lunar y yo / No puedo ni mirar el cielo sin nombrarte, / No puedo ver anochecer sin recordarte // Tres Marías blancas van cruzando un cielo color carbón / Tres Marías blancas van cruzando un cielo color carbón / Tus ojos negros dieron en el blanco de mi corazón y yo // Tocando el cielo cada vez que te miraba, / tocando esta canción mientras te recordaba. // Ue le le, ue le la… // Vuela en el viento esta canción, / vuela cruzando la noche, cruzando camino de tu corazón // 2. CERCA DEL MAR /// Jorge Drexler // Cerca del mar, cerca del mar. (…) Cerca del mar, cerca del mar // Una vez se fueron hasta la playa, una noche antes de Carnaval, una vez se pasaron de la raya, todo el año para rememorar. // (El viento llevaba una guitarra lejos en la noche). // Cerca del mar, cerca del mar, / cerca del mar, cerca del mar. // Una sombra crece en el horizonte, una carpavuela en el temporal, los bañistas como pueden se esconden, cargan con lo que pudieron salvar. // (Ese mar no es agua y sal, es sangre verde y desbocada). // Cerca del mar, cerca del mar (…) /// 3. TU // Jorge Drexler // Onda de mar en que flota este blues, tu… / Toma este vals que no supe esconder, tu… / Tienes la culpa de este bolero que se ha adueñado de mí… / No he visto azul más azul que cuando miras tu… / Esta canción quiere estár donde estés tu… /  Y si es necesario la canto en inglés, you… / You are to blame for this bolero that has gone right to my head… / No he visto blue más azul que cuando miras tu… /// 4. ERA DE AMAR // Era una noche común, era en una mesa de bar, era Enero en aquel lugar, y ella me miro de un manera: agua de mar. // Era de fumar y reir, era de saber esperar, era de salir a buscar, no era una mirada cualquiera: era de amar. // Voy caminando por el fondo del mar, voy caminando por el fondo del mar. // Una gota puede tener todos los secretos del mar, todo lo que pueda contar, todo lo que vino después era de imaginar. // Voy caminando por el fondo del mar, voy caminando por el fondo del mar. /// 5. 730 DÍAS // Jorge Drexler // No hay rincón en esta casa que no te haga regresar. Cada grano de memoria, y la casa es un arenal. // Fuí a tus playas por el día y allí me quedé dos años. Fuí lamiendo tus heridas, fuiste dándome un remanso. // A la sombra de tu luna se acunó mi corazón, se borraron mis arrugas, mi casa se iluminó. // Germinaron mis canciónes de las que yo merecía, se paró el reloj de arena, 730 días. /// 6. GANAS DE TI // Jorge Drexler // Ven, cura esta pena, quítame estas ganas de ti. Ven, que está frío fuera y hace tanto calor aquí. // Te ví cruzar la calle y algo crujió dentro de mí… // Ven, que ya se hace tarde y este tren se está por ir. // Muy señora mía ten piedad de un simple mortal. // Ven, cura esta herida, este blues de incierto final. // Tu piel traerá perfumes, reflejos de estrella fugáz… // Ven, ya no lo dudes, no hará falta nada más. // Tan sólo: uuu nosotros dos… /// 7. ZAMBA DEL OLVIDO // Jorge Drexler // Olvídame, esta zamba te lo pide. Te pide mi corazón que no me olvides, que no me olvides // Deja el recuerdo caer como un fruto por su peso. Yo sé bien que no hay olvido que pueda más que tus besos. // Yo digo que el tiempo borra la huella de una mirada, mi zamba dice: no hay huella que dure más en el alma /// 8. UN LUGAR EN TU ALMOHADA // Jorge Drexler // Hazme un lugar en tu almohada, / Junto a tu pecho me calmaré.  / Hazme un lugar en tu almohada, / Para que duermas te cantaré. / Hazme un lugar en tu almohada, / Junto a tu pecho descansaré. / Hazme un lugar en tu almohada, / Para que duermas yo te cantaré. / Una canción de cuna, / Un valsecito de tacuarembó / Te ira llevando en una nube / Si no me duermo antes yo. / Hay un rincón de tu pelo / En el que yo me perfumaré. / Hay un rincón de tu pelo / Sobre la almohada esperándome. / Hay un rincón de tu pelo / En el que me perfumaré. / Hay un rincón de tu pelo / Sobre la almohada esperándome. / Una cascada azul / Como la sombra de un jacarandá. / Me iré acercando a tu mejilla / Para escucharte respirar. /// 9. LA LUNA DE ESPEJOS // Jorge Drexler // Mabel, dejó el bolso con unas amigas y salió a bailar, las luces violetas la protegían. / Mintió la edad cruzando la pista vacía, y lo abrazó, sonaban las lentas, lo permitían. / Y la música siguió, y la pista se llenó. / Giraba conversando con él. / Se habían visto alguna vez, un baile en el club de Salinas, los comentarios de rigor, y la mano en la espalda la sostenía. / Un mostrador de mesas de salón de clase. / La multitud. / La luna de espejos giraba en el aire. / Y la música ayudó, vio la pista oscurecer. / Su cuerpo recostándose en él. / Mabel dudó, pero no movió la mejilla, y besó también, fingiendo saber mientras aprendía. / Y la música cambió,  y la pista despertándose, y aquel perfume nuevo en la piel. /// 10. TU VOYEUR // Jorge Drexler // Cuando la noche pasea más allá de mi pretil / yo puedo ver para afuera sin que me veas a mí. / Yo puedo ver la luz,  yo puedo ver tu piel, yo puedo ver tu ropa caer. / Yo puedo adivinar  la nube de vapor  que tiene el aire a tu alrededor. / Yo tengo un vicio barato y antes que nada, legal, gozo del anonimato que me da la oscuridad. / Y no voy a interferir con tu respiración no voy a entrar en tu corazón, no te quiero tocar, no te puedo querer, yo te diré lo que quiero ser: tu voyeur. / Tu voyeur, tu voyeur, tu voyeur… / Ya me aprendí tus horarios y el orden de tu placard. Ya te crucé por el barrio, no pude más que recordar (mirándote al espejo, la toalla en el sofá, peinándote con tranquilidad sin sospechar que yo del otro lado de la calle estaba muriéndome). / Cuando la noche pasea más allá de mi pretil yo puedo ver para afuera sin que me veas a mí. Yo soy tu voyeur, tu voyeur, tu voyeur… /// 11. DOS COLORES: BLANCO Y NEGRO // Jorge Drexler // Nuestra primera intención era hacerlo en colores: Una acuarela que hablara de nuestros amores. / Un colibrí polícromo parado en el viento, una canción arcoiris durando en el tiempo. / El director de la banda silbando bajito pensaba azules y rojos para el valsecito. / Pero ustedes saben, señores, muy bien cómo es esto; no nos falló la intención, pero sí el presupuesto… // En blanco y negro esta canción / Quedó en blanco y negro con el corazón, / En blanco y negro, nieve y carbón, en blanco y negro, en technicolor, pero en blanco y negro… // Fuimos quitando primero de nuestra paleta una mirada turquesa de marco violeta. / Luego el carmín de las flores encima del piano, una caída de sol cuando empieza el verano. / Todo los tipos de verde de una enredadera… Ya ni quedaban colores Para las banderas. / Nuestra intención ya no fué más que un viejo recuerdo y esta canción al final se quedó en blanco y negro. / En blanco y negro esta canción / Quedó en blanco y negro con el corazón, en blanco y negro, nieve y carbón, en blanco y negro, en technicolor, pero en blanco y negro.. ///
***
o mate acabou agora. a chuva passou não faz muito.
o branco e o cinza estão por ai, mas tudo quedou-se verde então.
e tuas palavras me aqueceram,
iluminam-me…
acendem assim esse todo a arder-te
[desta vida.
nos aguardo
(nos tendo)
cá nesta vida…

O QUE É BONITO? // Lenine // O que é bonito / É o que persegue o infinito / Mas eu não sou / Eu não sou, não… / Eu gosto é do inacabado / O imperfeito, o estragado que dançou / O que dançou… / Eu quero mais erosão / Menos granito / Namorar o zero e o não / Escrever tudo o que desprezo / E desprezar tudo o que acredito / Eu não quero a gravação, não / Eu quero o grito / Que a gente vai, a gente vai / E fica a obra / Mas eu persigo o que falta / Não o que sobra / Eu quero tudo / Que dá e passa / Quero tudo que se despe / Se despede e despedaça / O que é bonito…

na linha do mar

[dom] 15 de janeiro de 2012

07:13 NA LINHA DO MAR /// Galo cantou / Galo cantou as quatro da manhã / Céu azulou na linha do mar / Vou me embora desse mundo de ilusão / Quem me vê sorrir / Não há de me ver chorar / Flechas sorrateiras / Cheias de veneno / Querem atingir o meu coração / Mas o meu amor / Sempre tão sereno / Serve de escudo pra qualquer ingratidão /// Paulinho da Viola

8:01 “no miúdo que mudas. cada dia é um novo dia. vamos devagar que o sol já amanheceu lá fora…”

9:51 IPOEMA.ORG.BR Curso de Sistemas Agroflorestais – parte 1Curso de Sistemas Agroflorestais – parte 2Curso de Sistemas Agroflorestais – parte 3

10:06 Necessito de uma galocha e de uma facão.

10:13 Tutorial Aquecedor Solar: Sistema de montagem, custo e benefícios

10:27 Isto é uma boa ideia.

11:22 Buscando por garapuvu achei isto aqui agora pouco: NO VERTIGINOSO PICADEIRO SOVIÉTICO e Projeto Garapuvu

tua batata da perna moderna

[sáb] 14 de janeiro de 2012

SÁBADO

caderno madeira no sítio monumenta

SEXTA-FEIRA

tua batata da perna moderna

QUINTA-FEIRA

em casa de nóe, pela manhã-tarde: Café do Sítio Vale da Biodiversidade com Milho Criolo.  Uma boa conversa e muito aprendizado. Uns canteiros-ninhos agroflorestais feitos, uma clerodendron thomsonae vista, e três mudas de aloe vera de presente.

em casa na madrugada: http://www.projetojucara.org.br/

afrouxa

[seg] 9 de janeiro de 2012

gripei.

‘tá combinado.

registre seu livro.

blurb é uma idéia.

AFROUXA /// Para subir a ladeira, rá rá / Pra ver mais um por do sol nascer / Embora pra beira do mar / Pra ver a sereia vir a ser / Iemanja beijou iansã / E nãnã a chuva beijou o mar / Eva deu um beijo na maçã / E nanã adão também quis provar / Afrouxa e me dá sossego amor / Também quero provar desse manjar / Mais vale o desapego amor / Espera a flor desabrochar / De manhã, ainda é cedo. / De tardinha, amor, ainda é cedo também. // Arnaldo Antunes / Betão Aguiar

ENVELHECER /// A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer / A barba vai descendo e os cabelos vão caindo pra cabeça aparecer / Os filhos vão crescendo e o tempo vai dizendo que agora é pra valer / Os outros vão morrendo e a gente aprendendo a esquecer // Não quero morrer pois quero ver / Como será que deve ser envelhecer / Eu quero é viver pra ver qual é / E dizer venha pra o que vai acontecer // Eu quero que o tapete voe no meio da sala de estar / Eu quero que a panela de pressão pressione / E que a pia comece a pingar / Eu quero que a sirene soe / E me faça levantar do sofá / Eu quero pôr Rita Pavone no ringtone do meu celular / Eu quero estar no meio do ciclone pra poder aproveitar / E quando eu esquecer meu próprio nome / Que me chamem de velho gagá / Pois ser eternamente adolescente nada é mais demodé // Com uns ralos fios de cabelo sobre a testa que não para de crescer / Não sei por que essa gente vira a cara pro presente e esquece de aprender / Que felizmente ou infelizmente sempre o tempo vai correr // Arnaldo Antunes

HOMEM VELHO.

e outras idéias e sensações que noutro dia comento. adieu.

cordas de aço

[dom] 8 de janeiro de 2012

hoje colhi a segunda abóbora. o primeiro tomate. plantei o milho, o tomate cereja, o porongo, o feijão, o melão gaúcho, e mais mamão. depois de amanhã minha vó irá embora. ontem passei a tarde a toa. estou sentindo uma leve dor na garganta hoje. consegui adiantar uma prestação da casa, e de nove faltaram somente sete. as coisas caminham.

a ela passou, fez psiu, me olhou pela porta, e disse, pelo que entendi, que ia passar por aqui… fiz o gesto de quem diz ah, não vai não fica um pouco mais…

e hoje nem parece domingo.

a trilha sonora da tarde foi composta por esses três álbuns ininterruptamente repetindo-se: 12 Segundos de Oscuridad e Amar la Trama de Jorge Drexler e  Ney Matogrosso interpreta Cartola.

pimenta macado

[qui] 5 de janeiro de 2012

QUINTA-FEIRA, hoje

14:46 Vou passar a limpo essas sensações desses últimos dias e registrar o que é para ser registrado. Lá vai:

13:32 Há dias que dá uma vontade de vir aqui e te contar o que se passa comigo. E logo penso, ou nem penso tanto assim, não estás por aqui. E a vontade dissipa-se. Logo sigo cá, vivendo, passando…

02:30 Pensamento interno: para contribuir numa possível da situação concentre-se em quitar as prestações do financiamento da casa antes de setembro. Prioridade. E no desejo de cambiar às coisas… Comece com a agroecologia.

QUARTA-FEIRA, ontem

17:55 Após uns dois dias dormindo menos, um dia agitado, e uns cinco quilômetros caminhados… Estou preguiçosamente cansado.  Que dormiria agora se fosse possível. E a noite de trabalho está só começando… Vai ser longa.

15:54 Um abraço num querido amigo.

15:50 Um passeio com uma prima.

14:45 Observando e planejando quanto tempo levarei para conseguir me equipar.

14:25 Prestação 4/12 paga.

11:25 O QUE FALTAVA ENTÃO: A parceria / o carinho / a aceitação / o vínculo / a comunhão // O QUE HAVIA ENTÃO: A consciência / o olhar / a admiração / o entendimento / a necessidade /// Havia o abstrato. Faltava o concreto. /// E a intuição agora diz: necessidade de não parar… e organizar, fazer, mudar ->  Ação/Prática/Experiência/Vivência -> Exercer plenamente as potencialidades possíveis. Aproveitar a zona proximal.

10:45 Com la yerba e el mate passei a manhã em casa de Noé. Tenho agora um punhado de semestre criolas para plantar e orientações de como cuidar dos canteiros. Encantado com a produção dele. Manhã inspiradora.

08:40. Após mais de uma semana sem leitura retorno e concluo a leitura do texto Metodologia para o processo educativo de Anton Makarenko.

03:15 Um pé de quê. Auguste Saint-HilaireXylopia Aromatica. http://www.hvsh.cria.org.br

02:08 Pegando acerola do pé no caminho. Uma vontade honesta no peito que tudo de certo.

TERÇA-FEIRA, anteontem

06:56 Pintando a casa.

04:28 tetã paraguá

***

.

..

….

…..

Trilha Sonora desta postagem: Balada MTV BaRÃO VERMELHO

1. BILHETINHO AZUL // Frejat / Cazuza // Hoje eu acordei com sono / Sem vontade de acordar / O meu amor foi embora / E só deixou pra mim / Um bilhetinho / Todo azul com seus garranchos // Que dizia assim: “Chuchu vou me mandar! / É, eu vou pra Bahia, talvez volte / Qualquer dia / O certo é que eu tô vivendo / Eu tô tentando / Nosso amor foi um engano” // Hoje eu acordei com sono / Sem vontade de acordar / Como pode alguém / Ser tão demente, porra louca / Inconsequente e ainda amar / Ver o amor como um abraço curto / Pra não sufocar /// 2. TENTE OUTRA VEZ // Raul Seixas / Paulo Coelho / Marcelo Motta // Veja, / Não diga que a canção está perdida / Tenha fé em Deus, tenha fé na vida / Tente outra vez // Beba, / Pois a água viva ainda está na fonte / Você tem dois pés pra cruzar a ponte / Nada acabou, não, não // Tente, / Levante sua mão sedenta e recomece a andar / Não pense que a cabeça agüenta se você parar / Não, não, não, não, não / Há uma voz que canta / Há uma voz que dança / Há uma voz que gira / Bailando no ar // Queira, / Basta ser sincero e desejar profundo / Você será capaz de sacudir o mundo, vai / Tente outra vez / Tente, / E não diga que a vitória está perdida / Se é de batalhas que se vive a vida / Tente outra vez /// 3. POR QUE A GENTE É ASSIM // Frejat / Cazuza / Ezquiel // Mais uma dose? / É claro que eu tô a fim / A noite nunca tem fim / Por que quê a gente é assim? // Agora fica comigo / E não desgruda de mim / Vê se ao menos me engole / Não me mastigue assim // Canibais de nós mesmos / Antes que a terra nos coma / Cem gramas, sem dramas / Por que quê a gente é assim? // Mais uma dose? / É claro que eu tô a fim / A noite nunca tem fim / Por que quê a gente é assim? // Você tem exatamente / Três mil horas / Pra parar de me beijar / Meu bem, você tem tudo / Tudo prá me conquistar // Você tem / Um segundo prá aprender a me amar / Você tem a vida inteira / Pra me devorar /// 4. ENQUANTO ELA NÃO CHEGAR // Guto Goffi / Maurício Barros // Quantas coisas eu ainda vou provar / E quantas vezes para a porta eu vou olhar / Quantos carros nessa rua vão passar / Enquanto ela não chegar // Quantos dias eu ainda vou esperar / E quantas estrelas eu vou tentar contar / E quantas luzes na cidade vão se apagar / Enquanto ela não chegar // Eu tenho andado tão sozinho / Que eu nem sei no que acreditar / E a paz que busco agora / Nem a dor vai me negar // Não deixe o sol morrer / Errar é aprender / Viver é deixar viver // Quantas besteiras eu ainda vou pensar / E quantos sonhos no tempo vão se esfarelar / Quantas vezes eu vou me criticar / Enquanto ela não chegar /// 5. POR VOCÊ // Frejat / Maurício Barros / Mauro Sta. Cecília // Por você eu dançaria tango no teto / Eu limparia os trilhos do metrô / Eu iria a pé do Rio à Salvador // Eu aceitaria a vida como ela é / Viajaria a prazo pro inferno / Eu tomaria banho gelado no inverno // Por você eu deixaria de beber / Por você eu ficaria rico num mês / Eu dormiria de meia pra virar burguês // Eu mudaria até o meu nome / Eu viveria em greve de fome / Desejaria todo o dia a mesma mulher // Por você, por você! / Por você, por você! // Por você conseguiria até ficar alegre / Pintaria todo o céu de vermelho / Eu teria mais herdeiros que um coelho /// 6. MEUS BONS AMIGOS // Guto Goffi / Maurício Barros / Fernando Magalhães // Meus bons amigos / Onde estão? / Notícias de todos quero saber // Cada um fez sua vida / De forma diferente / Às vezes me pergunto / Malditos ou inocentes? // Nossos sonhos, realidades / Todas as vertigens, crueldades // Sobre nossos ombros / Aprendemos a carregar / Toda a vontade que faz vingar / No bem que fez pra mim / Assim, assim / Me fez feliz, assim… // O amor sem fim / Não esconde o medo / De ser completo / E imperfeito /// 7. PEDRA, FLOR E ESPINHO // Fernando Magalhães / Frejat / Dulce Quental // Hoje, eu não quero ver o sol / Vou pra noite, tudo vai rolar / O meu coração é só um desejo de prazer / Não quer flor, não quer saber de espinho / Mas se você quiser tudo pode acontecer no caminho // Automóveis piscam os seus faróis / Sexo nas esquinas, violentas paixões / Não me diga não, não me diga o que fazer / Não me fale, não me fale de você / Mas se você quiser, eu bebo o seu vinho / Mas se você quiser sou pedra, flor e espinho // Eu quero te ter / Não me venha falar de medo / Não me diga não / Olhos negros, olhos negros // Eu quero ver você / Ser o seu maior brinquedo / Te satisfazer / Olhos negros, olhos negros /// 8. O POETA ESTÁ VIVO // Frejat / Dulce Quental // Baby, compra o jornal / E vem ver o sol / Ele continua a brilhar / Apesar de tanta barbaridade // Baby escuta o galo cantar / A aurora dos nossos tempos / Não é hora de chorar / Amanheceu o pensamento // O poeta está vivo / Com seus moinhos de vento / A impulsionar / A grande roda da história // Mas quem tem coragem de ouvir / Amanheceu o pensamento / Que vai mudar o mundo / Com seus moinhos de vento // Se você não pode ser forte / Seja pelo menos humana / Quando o papa e seu rebanho chegar / Não tenha pena // Todo mundo é parecido / Quando sente dor / Mas nú e só ao meio dia / Só quem está pronto pro amor // O poeta não morreu / Foi ao inferno e voltou / Conheceu os jardins do Éden / E nos contou // Mas quem tem coragem de ouvir… /// 9. EU QUERIA TER UMA BOMBA // Cazuza // Solidão a dois de dia / Faz calor, depois faz frio / Você diz “já foi” e eu concordo contigo / Você sai de perto eu penso em suicídio / Mas no fundo eu nem ligo / Você sempre volta com as mesmas notícias / Eu  queria ter uma bomba / Um flit paralisante qualquer / Pra poder me livrar / Do prático efeito / Das tuas frases feitas / Das tuas noites perfeitas / Solidão a dois de dia / Faz calor, depois faz frio / Você diz “já foi” e eu concordo contigo / Você sai de perto eu penso em homicídio / Mas no fundo eu nem ligo / Você sempre volta com as mesmas notícias / Eu queria ter uma bomba / Um flit paralisante qualquer / Pra poder te negar / Bem no último instante / Meu mundo que você não vê / Meu sonho que você não crê / / Eu queria ter uma bomba / Um flit paralisante qualquer / Pra poder te negar / Bem no último instante /// 10. O TEMPO NÃO PÁRA // Arnaldo Brandão / Cazuza // Disparo contra o sol / Sou forte, sou por acaso / Minha metralhadora / Cheia de mágoas / Eu sou um cara / Cansado de correr / Na direção contrária / Sem pódio de chegada / Ou beijo de namorada / Eu sou mais um cara / Mas se você achar / Que eu tô derrotado / Saiba que ainda / Estão rolando os dados / Pois o tempo / O tempo não pára / Dias sim, dias não / Eu vou sobrevivendo / Sem um arranhão / Da caridade / De quem me detesta / A tua piscina / Tá cheia de ratos / Tuas idéias / Não correspondem aos fatos / O tempo não pára / Eu vejo o futuro / Repetir o passado / Eu vejo um museu / De grandes novidades / O tempo não pára / Não pára não, não pára / Eu não tenho data / Prá comemorar / Às vezes os meus dias / São de par em par / Procurando agulha / No palheiro / Nas noites de frio / É melhor nem nascer / Nas de calor / Se escolhe: / É matar ou morrer / E assim / Nos tornamos brasileiros / Te chamam de ladrão / De bicha, de maconheiro / Transformam o país inteiro / Num puteiro / Pois assim / Se ganha mais dinheiro / A tua piscina / Tá cheia de ratos / Tuas idéias / Não correspondem aos fatos / O tempo não pára / Eu vejo o futuro / Repetir o passado / Eu vejo um museu / De grandes novidades / O tempo não pára / Não pára,  não, não pára /// 11  TODO AMOR QUE HOUVER NESSA VIDA // Frejat / Cazuza // Eu quero a sorte de um amor tranqüilo / Com sabor de fruta mordida / Nós, na batida, no embalo da rede / Matando a sede na saliva // Ser artista no nosso convívio / Pelo inferno e céu de todo dia / Pra poesia que a gente não vive / Transformar o tédio em melodia // Ser teu pão, ser tua comida / Todo amor que houver nessa vida / E algum veneno / antimonotonia // E se eu achar a tua fonte escondida / Te alcanço em cheio / O mel e a ferida / E o corpo inteiro feito um furacão / Boca, nuca, mão e a tua mente, não / Ser teu pão, ser tua comida / Todo amor que houver nessa vida / E algum trocado para dar garantia // / Ser teu pão, ser tua comida / Todo amor que houver nessa vida / E algum remédio que me dê alegria /// 12. PURO ÊXTASE // Guto Goffi / Maurício Barros // Toda brincadeira não devia ter hora prá acabar / Toda quarta-feira ela sai sem pressa prá voltar / Esmalte vermelho / Tinta no cabelo / Os pés no salto alto / Cheios de desejo / Vontade de dançar  até o amanhecer / Ela está suada, pronta prá se derreter // Ela é puro êxtase / Ecstasy / Barbies, Betty Boops / Puro êxtase // Galo cantou, se encantou deixa cantar / Se o galo cantou é que tá na hora de chegar / De tão alucinada / Já tá rindo à toa / Quando olha para os lados / À todos atordôa / A sua roupa montada parece divertir / Os olhos gulosos de quem quer me despir /// 13. PENSE E DANCE // Dé / Frejat / Guto Goffi // Penso como vai minha vida / Alimento todos os desejos / Exorcizo as minhas fantasias / Todo mundo tem um pouco de medo da vida // Pra que perder tempo desperdiçando emoções / Grilar com pequenas provocações? / Ataco se isso for preciso / Sou eu quem escolho e faço os meus inimigos // Saudações a quem tem coragem / Aos que tão aqui pra qualquer viagem / Não fique esperando a vida passar tão rápido / A felicidade é um estado imaginário // Não penso em tudo que já fiz / E não esqueço de quem um dia amei / Desprezo os dias cinzentos / Eu aproveito pra sonhar enquanto é  tempo // Eu rasgo o couro com os dentes / Beijo uma flor sem machucar / As minhas verdades eu invento sem medo / Eu faço de tudo pelos meus desejos // Saudações a quem tem coragem / Aos que tão aqui pra qualquer viagem / Não fique esperando a vida passar tão rápido / A felicidade é um estado imaginário // Pense e dance / Pense / Pense e dance /// 14. QUANDO O SOL BATER NA JANELA DO TEU QUARTO // Dado Villa Lobos / Renato Russo / Marcelo Bonfá // Quando o sol bater na janela do teu quarto / Lembra e ve que o caminho é um só / Porque esperar se podemos começar tudo de novo / Agora mesmo. / A humanidade é desumana / Mas ainda temos chance / O sol nasce pra todos / Só não sabe quem não quer  // Quando o sol bater na janela do teu quarto / Lembra e ve que o caminho é um só / Até bem pouco tempo atrás / Poderíamos mudar o mundo / Quem roubou nossa coragem? // Tudo é dor / E toda dor vem do desejo / De não sentirmos dor // Quando o sol bater na janela do teu quarto / Lembra e ve que o caminho é um só ///

tetã paraguái

[ter] 3 de janeiro de 2012

Antes de 2006 não sabia nada sobre o Paraguay. Nada além do futebol e do que os livros didáticos de história contavam. Em setembro de 2006 iniciei como bolsista no Laboratório de Etnologia Indígena. Entre setembro de 2006 até final de 2007 aprendi muito sobre o povo Guarany. Em 2009 estive no Paraguai, e com o povo paraguaio aprendi muito mais sobre a nossa história.

As imensas terras dos jesuítas, que após sua expulsão, em meados do século XVIII, haviam passado para as mãos do Estado espanhol, foram arrendadas por baixo preço a camponeses livres. (…) “El Supremo” apoiou-se exclusivamente nos camponeses mestiços e índios. (…) preocupou-se muito com a educação primária dos mestiços: defensor do ensino obrigatório e gratuito, atacou o analfabetismo; ao morrer, em 1840, não existia um só analfabeto no Paraguai, caso único em toda a América Latina.”[21]

E em casa, agora, na madrugada, enquanto espero a polícia chegar para acalmar os vizinhos fogueteiros da madrugada, e zapeando a tv para encontrar algo bom encontro na tv camara este documentário do paraguaio marcelo martinessi realizado pela TAL. Já o tinha visto, mas fez tanto sentido… Tantas falas e imagens que fazem parte de mim. Sem falar na canção que é linda… Veja o Vídeo, Ouça a Música e sinta.

los paraguayos

che pykasumi 

músicas paraguaias

dicionário áudio visual guarani

Che Pykasumi (*) 

Che pykasumi reveve va’ekue chehegui rehóvo / oúva ne angue cada pyhare che kéra jopy / rohayhúgui aî ajepy’apýva che nera’arôvo / michînte jepépa ndaivevuivéi che mba’e mbyasy. // Ne añaitégui nde aikóva ko’âicha aikove asy / jaikóma rire ku juayhu porâme oñondivete / reveve reho che reja rei chemotyre’ŷ / aiko aiko rei ndavy’amivéi upete guive. // Veces ndakevéi, pyhare entero nderehe apensa / akéta mo’â chembojepoyhu nema’ê asy / nde resa rory rojuru pyte rohêtûrôygua / apáy roheka ku ndorojuhúi haime che tavy. // Ma’erâve nipo aikove ko’âicha ambotuichaite / la nepore’ŷ nde upe mombyry che tupâsymi / chénte rohayhúgui aikóva ahasa desprecio mante / ha nde rehoite nderejukuaavéi che pykasumi. // Ku amáske ko’ê rohayhu asy narremediavéi / ñaimo’â voi ku itavymíva mba’e aiko / ama’ê asy ku nde rogamíre ha nde nereiméi / korasô rasy chembotarova chembojahe’o. // Resêva’ekue chehegui rehóvo che pykasumi / reipotave’ŷgui rohavi’ûmi ni rojavyky / ejumi jevyna ikatumiháicha che consolami / ta’ivevuive che jopy asyva che mba’e mbyasy.

Letra: Cecilio Valiente
Música : Eladio Martínez / José Asunción Flores
Escrito en 1928
(*) Esta es la versión completa de la poesía.
Las estrofas 3ª y 4ª no suelen cantarse.
%d blogueiros gostam disto: