Archive for janeiro, 2013

exercício sobre o [uni]verso

[ter] 29 de janeiro de 2013

Exercício sobre o [uni]verso

– O problema não é esse meu bem!
E tanto faz ‘cê ir p’ro Texas,
p’ra Antártida ou Marte.

Há um buraco no coração.

28.01.2013 Sambaqui, FLN

cima, cima, baixo, baixo, esquerda, direita, esquerda, direita, a, b, entre!

[qui] 24 de janeiro de 2013

Antes que o sono tome conta… ma’rápido vo’screve’ algumas linhas.

#1 este texto poderia ser divido em vários… e alguém me liga agora: podê sê… bicho do mato, pego violão e vou, me jogo…

Mas antes para não esquecer detona ralph e izabel e Julio Cortázar falando sobre os Cronópios e as Famas e as Esperanças e já esqueci… fui.

esperança

[qua] 23 de janeiro de 2013

4:49. Um mate para acordar antes da manhã chegar!

5:00 Um dia você começa a sentir que os joelhos doem, que o fôlego encurta, que os olhos embaralham… uma dia, assim, sem mais nem menos, você já não reconhece seu próprio rosto no espelho. É assim, um dia você percebe que seu filho já sabe ler e escrever, que você já passou dos trinta, e que aquelas velhas dúvidas e inseguranças continuam companheiras… E tudo que ‘cê conquistou é incrível, belo e muito além do que ‘cê podia sonhar e ao mesmo tempo cai a ficha que certos sonhos ficam cada vez mais distantes… Talvez seja essa sensação que a morte é mais próxima que realce as coisas da vida.

5:07 Planos de hoje: pegar fila [levar livro e mate para aguentar a espera] no sus para marcar médico. ir ao ciac resolver problema com celesc [e aqui mais paciência para aguentar a espera]. dormir umas duas horas [para recuperar o sonho curto de hoje]. e pela tarde levar izabel ao cinema ver um filme três d.

5:09 Meu celular é despertador e relógio, e nos dias mais entediantes um minigame. raramente ligo e raramente atendo. ele não toca alto, apenas vibra… E surpreendido fiquei quando vi que depois de um ano recebi um recado [no celular] que não era engano ou spam. era preto, fiquei feliz e eu ‘tava sim, a pena é que vi cedo [ou tarde demais]. Agora levo ele perto sempre.

5:17  Agora é banho, curativo e pegar estrada… Buzu é 5:48.

5:19 Escrever sobre os dias com Izabel. Escrever… Queria ser cronopio, mas essa mania de ser esperança…

plano ordinário

[sáb] 19 de janeiro de 2013

Carrego um corte novo. O pé dói. Não sei quando e nem como, por descuido ou desatenção, e creio ter sido bem mais do que uma vez apenas, numa sucessão de descuidos e desatenções… que levaram-me inadvertidamente a este corte no peito do pé. Um corte raso, mas dolorido… Um corte como estes que você nem sabe quando nem sabe como vai realizando todo dia quando deixa uma coisa para trás, quando não cuida de outra, quando esquece a navalha no quintal, quando deixa de realizar alguma coisa importante… Até um momento onde o sangue jorra e te mostra o quanto tudo é precário, tudo é provisório, tudo é falível, tudo é muito mais caótico e aos mesmo tempo encadeado… E neste momento apenas, o que é uma pena, você percebe que quase sempre é um tolo: por tanto descuido, pela desatenção, pelo esquecer-se de que há vida lá fora…

Carrego uns tantos cortes. Não sei quando e nem como…

%d blogueiros gostam disto: