Archive for abril, 2013

regras básicas de convivência

2013, abril 28, domingo

mei me ajudou a pensar. paulo me ajudou a pensar. josé e pilar me ajudaram a pensar hoje. izabel e luiza me ajudaram a pensar. e pensei bastante… e tudo deve ser mais ou menos assim, levante a bunda da cadeira e vá fazer coisas… coisas incríveis. coisas mágicas… coisas de gente como tu assim boni-tá!

porque esse caminhão de coisas te pressionando estão só ai na tua imaginação.

e a cada dia tente poemas…

referências:

«Mas não celebremos apenas o sábio
Cujo nome resplandece no livro!
Pois primeiro é preciso arrancar do sábio a sua sabedoria.
Por isso, agradecimento também se deve ao aduaneiro:
Ele a extraiu daquele.»

bertold brecht

«Água mole em pedra dura: sobre um motivo taoísta na lírica de Brecht», por Marcus V. Mazzari

_____

Uma razão a mais para ser anticapitalista

“Te amo
e odeio tudo que te deixa triste.
Se o mundo com seus horários e famílias
e fábricas e latifúndios e missas
e classes sociais, dores e mais-valia
e meninas com hematomas
no lugar de sua alegria

insistir em te deixar triste,
apertando tua alma
com suas garras geladas,
teremos, então, que mudar o mundo.

Nenhum sistema que não é capaz
de abraçar com carinho a mulher que amo
e acolher generosamente minha amada classe
é digno de existir.

Está, então, decidido:
Vamos mudar o mundo,
transformá-lo de pedra em espelho
para que cada um, enfim, se reconheça.

Para que o trabalho não seja um meio de vida
para que a morte não seja o que mais a vida abriga
Para que o amor não seja uma exceção,
façamos agora uma grande e apaixonada revolução.”

Mauro Iasi

minha camarada do mpla

2013, abril 27, sábado

ontem, sexta, ir na escola da filha, fazer deveres, brincar. hoje, sábado, ser pai e tio. fiz castelo de areia enorme, brinquei. foi um puta dia hoje. os sábados de izabel têm sido bons! temos passeado, temos lido, estamos a escrever um livrinho, ensino-lhe(s) sobre minha ateisse, sobre ser elefante ou borboleta, sobre como chorar ou rir até doer a barriga, a peidar, a ser ogrete, e aprendo tudo isto e mais – aprende a perder o medo.

sei que minha vida no quesito relacionamento está meio fechado para balanço, e tenho dedicado todos os meus esforços nessa relação de ser pai. as vezes bate um sozinhez, e questionamentos porque estar só, nesse auto-exílio, longe de todos os movimentos políticos e amorosos. mas sei de minhas dificuldades, de minhas limitações, e há um dois anos tomei a decisão de estar só por um tempo. esperar ela, a filha, e nossa relação, sempre tão delicada e tumultuosa, crescer um pouco, e nesta linha dar uma ordem nas coisas da casa, já que nesse caminho decidi fixar pouso, e depois de tanta terapia aceitei ser filho de quem sou e ser como sou, agora é arrumar a casa, cuidar de minha saúde, no meu amadurecimento profissional… foquei nestes pontos, fechar todo o resto para balanço e lidar com o mínimo para ver se dou conta.

mas talvez seja só medo de mergulhar profundo e embaralhar tudo – como era bom mergulhar e embaralhar tudo, e como doía, às vezes – entregar-se e partir-se, desaprender, voltar a dar-se e fugir, e mergulhar e perder-se. momentos belos vividos… momentos de amadurecimento, que me permitem ser o homem bom, que tenho aprendido a ser, sempre nesse devir cotidiano.

e aprender a ser pai tem sido tão profundo quanto aprender a ser militante/amante foi anos antes! mas que bom seria aprender a ser aprendendo sendo ser tudo isto e mais! poeta, artista, militante, amado-amante, pai, filho, irmão, educador, humano.

e hoje ouvi isto: «morena, bichinha danada, minha camarada do MPLA», com clara e chico.

«Morena de Angola, por Clara Nunes. Composição de Chico Buarque»

el pueblo unido

2013, abril 25, quinta-feira

Paralisado! Em greve!

 

hqdefault