Archive for julho, 2013

paranorman

[dom] 28 de julho de 2013

ideias… Acabei de assistir o filme Paranormal. Dá para extrair bastante coisas dele. Vamos lá:

Enredo básico do filme: “Animação ‘ParaNorman’ faz uso do sobrenatural para falar sobre bullying” [Texto extraído de Cinema.terra.com.br] ou “Na trama, escrita por Chris Butler, o menino Norman tem a habilidade de falar com os mortos e precisa salvar sua cidade de uma invasão de zumbis, fantasmas, bruxas e adultos idiotas. Butler e Sam Fell são os diretores” [Texto extraído de Omelete.com.br].

Desdobramentos em atividade:

1) Assistir o filme em sala, com os alunos, com questionário-roteiro para identificar personagens, enredo e conceitos abordados.

1.1) Dividir o filme em partes, para cada aula, e abordar os conceitos de Violência, Bullying, Tolerância, Intolerância Religiosa, Amizade, Medo, Trabalho em equipe, Confiança etc.

2) Pesquisar Sobrenatural nas diferentes religiões [elencar quais]

3) Elaborar redações, histórias, desenhos e debates em sala a partir das temáticas abordadas no Filme.

4) Produzir um zine, em quadrinhos, em sala com a participação coletiva.

PS: Sobre os últimos dias: Tenho passado, como uma avestruz, com a cabeça na terra, mexendo e fuçando no quintal. é terapêutico. Também tenho passado com as meninas, fizemos arte, um painel de colagens, e elas foram até brincamundi, brincaram até tarde.

PS2: Tenho refletido bastante sobre essa vontade de não sair, de ficar por cá mesmo… Neste autoexílio. E acho que ando mal acostumado, nesta solidão [velha amiga] que dá um puta medo de mergulhar na vida novamente… E fico por cá, mofando, neste amontoado de papéis, de livros não lidos, de paredes por pintar, de casa por terminar, de quintal por florir… mas sei lá… sei não.

isto não é correto

[qui] 18 de julho de 2013

mais uma madrugada virada fechando corrigindo atividades e fechando nota.

e a firme convicção que preciso modificar esta prática… de deixar tudo pra véspera. Pois isto vira um ciclo vicioso… já que fico cansado e na sexta a primeira atividade é não mexer em nada, e assim vai o sábado e quando vejo foi o domingo e já é segunda começo da tarde quando preciso acessar os papéis da semana passada para pensar a aula da noite, e assim na terça pelo final da tarde com as da terça à noite, com as de quarta-feira é idêntico. e quinta-feira que tudo começa cedo e a carga horária é maior e o número de aulas concentra metade da carga horária total. é passar madrugada acordado mexendo… e isto não é correto.

minha casa ‘tá uma bagunça, minha cabeça ‘tá um bagunça… e agora preciso voltar para os papéis.

invictus

[ter] 16 de julho de 2013

Invictus 

Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishment the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

Invictus 

Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Agradeço aos deuses que existem
por minha alma indomável

Sob as garras cruéis das circunstâncias
eu não tremo e nem me desespero
Sob os duros golpes do acaso
Minha cabeça sangra, mas continua erguida

Mais além deste lugar de lágrimas e ira,
Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaça dos anos,
Me encontra e me encontrará, sem medo.

Não importa quão estreito o portão
Quão repleta de castigo a sentença,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma.

não encontrei o autor da tradução, ainda.

***

http://www.youtube.com/watch?v=uGbWDDTsvT8

Fragmento del película Invictus, dirigida por Clint Eastwood y protagonizada por Morgan Freeman y Matt Damon, en el que mientras Francois Pienaar visita la celda en la que estuvo Nelson Mandela durante 27 años (9000 días), se oye el poema Invictus de William Henley recitado por Nelson Mandela.

walachai

[dom] 14 de julho de 2013

notas curtas:

ando perdendo muito tempo nessa mania de coletar informações, tentar organizá-las e não utilizá-las. desafio: limpar hd de todos os artigos em pdf arquivados, criando uma referência temática com resumo no blogue específico de sociologia.

hoje passeio o dia organizando a sala, a estante improvisada, os livros empoeirados, trocando a tv de posição {e os cabos, que trabalho}.

hoje senti a necessidade de fazer umas colagens.

li sua mensagem, não respondi. fiquei pensando e a melhor resposta é ir.

e passei uma hora e meia na tarde de hoje assistindo ao seguinte filme de Rejane Zilles: walachai.

meu amigo nietzsche

[qui] 11 de julho de 2013

11 jul, 2013 às 05:18

como um zumbi, fechando notas… corrigindo atividades… anotar: próximo ano, ou trabalho no período noturno ou no período matutino… em ambos ferra.

mas o humor cambiou… não sei se é o fim do bimestre chegando e um recesso de uma semana e saber que metade do ano já foi… ou se é o’tra cousa. as aulas de terça e quarta foram boas, fiquei animado.

e ademais… preciso realizar uma faxina na casa. agora volta lá… tem o segundo ano. e hoje é dia de paralisação geral.

nota de rodapé mental… não faltar mais. cinco faltas alternadas é demissão, e mais… é buscar nova profissão pelos próximos três anos. tenso.

e isto aqui é um ótimo:

Meu amigo Nietzsche – curta metragem – Fáuston da Silva

 

______________-

11 jul, 2013 às 11:06

exercício sobre o ofício de empilhar pedras-palavras

de repente no meio do nada surgiu o desejo de empilhar palavras
umas sobre
as outras
ora bem presas
ora quase soltas
e de repente era um muro
e mais que de repente já era uma muralha

assim, no meio do nada,
fizeste das palavras
pedras lapidadas

mas não se descuide nesta arte de empilhar pedras-palavras

pois de repente no meio do nada
o desejo tornou-se cativo
nesta muralha de palavras empedradas.

florianópolis, 9h25. 11/7/2013.

livros que amei

[qua] 10 de julho de 2013

e aquela organização tão esperada… espera. o tempo escorre diante dos olhos. leio. leio. avanço páginas. mas a bagunça sobre a bancada não diminuiu. há jornais sobre a impressora. na mesa de estudo tudo segue igual a duas semanas atrás. extrair notas disto tudo vai ser tenso.

mas gostei das aulas desta terça.

e desemboquei nisto aqui:

http://ummundodelivros.blogspot.com.br/2012/06/livros-que-amei-manaira-cordeiro.html

e ‘tava pensando aqui: a barba é querida, mas é também uma marca. cortá-la fez bem ao ego – contradição. mas o modo in continua on.

força do hábito, auto-exílio. época de casulo.

os naufrágios/os navegantes/o navio-ó-versa

[ter] 9 de julho de 2013

O estouro…

achei interessante ter recebido uma visita da bélgica, outra da austrália, fora outras particularidades, como alguém do banco central ter acessado meu blogue.  e fui contar… ontem acessaram 35 brasileiros, mas a média anual é de 5 por dia. ontem um(a) portuga esteve por cá, sendo portugal o segundo maior visitante com 3 perdidos por mês. nenhum yankee apareceu ontem, mas é o terceiro em visitas, média de um por mês. do méxico foram 8 perdidos em um ano. da espanha  média é um visitante por bimestre. e do chile, argentina e uruguay, são 5 cada um por ano. a frança vem é nona com a média de 1 visitante por trimestre. da guatemala e da colombia partiram 3 visitas cada um no ano. moçambique, alemanha e costa rica, com a média de 1 visita por semestre. e canada, equador, reino unido, belgica, autrália, italia e timor-leste com uma visita anual de média. este blogue não é divulgado e esse povo vem desembarcar por cá… um ficam e vão mergulhando pelas páginas-ilhas… outros só passam e vão embora sem ficar. E raios… me pergunto, o que esse povo vem fazer aqui.

Na corrida…

“Vivemos numa civilização do clichê (e não da imagem)”: “todos os poderes têm interesse em nos encobrir as imagens, não forçosamente em nos encobrir a mesma coisa, mas em encobrir alguma coisa na imagem.” (Deleuze, A Imagem-Tempo, . 32).

http://www.fapesp.br/publicacoes/anita/index.html

Que chega ao fim…

e no mar, na rede, o que se pesca por estas águas são estes:

https://garapuvu.wordpress.com/category/estrene/

https://garapuvu.wordpress.com/2003/02/07/prefacio-interessantissimo-trechos

https://garapuvu.wordpress.com/2010/04/22/trechosproeminencia/

https://garapuvu.wordpress.com/2010/02/05/walter-benjamin-para-uma-nova-etica-da-memoria/

https://garapuvu.wordpress.com/2010/02/05/florio/

https://garapuvu.wordpress.com/dossiemayakovski/

https://garapuvu.wordpress.com/nasrudin/

https://garapuvu.wordpress.com/2009/01/26/rayuela/

https://garapuvu.wordpress.com/instrucoes-para-subir-uma-escada/

https://garapuvu.wordpress.com/2001/09/17/capitulo-7/

https://garapuvu.wordpress.com/2002/11/07/adieu/

https://garapuvu.wordpress.com/2006/02/12/lasbruja/

https://garapuvu.wordpress.com/2006/05/18/teus-olhos-incredulos/

https://garapuvu.wordpress.com/2007/11/03/a-extraordinaria-aventura-vivida-por-vladimir-v-maiakovski-no-verao-na-datcha%C2%B9/

https://garapuvu.wordpress.com/2007/10/26/ogro/

https://garapuvu.wordpress.com/2010/11/29/livreassociacao/

https://garapuvu.wordpress.com/berna-2-de-janeiro-de-1947/

cadê a barba

[seg] 8 de julho de 2013

esses humores, essas dores… na segunda-feira, na terça-feira e na quarta-feira cansei tanto que toda a reserva de humor para encarar a vida evaporou. pega isto tudo e coloca uma porção de dor na coluna, que vai e volta, e uma pitada de dente que inflamado; e lá vou eu entupir-me de drogas. e disto tudo deu uma vontade ficar guardado tão grande que só na sexta voltei a viver. estou ainda de ressaca por andar faltando tanto e não ter tesão algum para tocar as coisas básicas.

fora isto, ainda há o desprazer de ver  que a vizinha mandou o jardineiro limpar o seu terreno, dela, e uma parte do meu verde sumiu… os pássaros fugiram, o sol chegou, a tranquilidade de jade virou um cemitério de galhos e folhas mortas. e agora é uma casa toda vidrada, quase um edifício, um farol, olhando para minha toca todo dia… não gostei.

andei faltando bastante ao trabalho e fico me pergunto: qualé?! porque isto?! não é de hoje que faço isto, na graduação quando estava em crise andei faltando um tanto… mas a pergunta é: que crise é essa? e se o negócio for não ser professor… ser o quê carapálida? acho que é um pouco isto… porque o hoje sem olhar para o horizonte fica muito hoje e isto tudo é muito pesado.

fiz a barba porque estava cansado de olhar para a mesma cara cheia de pelos no espelho. o povo até apostou – ele tira ou não tira… dois anos sem raspar os pelos.

e viu.. nada de sentimentos do azul profundo, apenas a superfície metalizada deste homem lata. leio graciliano ramos e uma biografia sobre  volodia mayak.

este texto todo ‘tá uma bosta. o relógio já vai virar…

atualizei isto aqui ~~~~~~

e aquele projeto amiúde: como tantos outros que começo e abandono para começar outros que abandono para começar outros que abandono para começar outros que abandono para começar outros que abandono para começar outros que abandono  para começar outros… já era – está em modo apagand…

ps: antes de deletar lá, copio e colo cá: já terminei um, avancei bastante outros dois e os demais… empoeirados.

LISTA DE {re}LEITURAS NO MOMENTO [11/06/2013]:

#1. Mikhailov, Aleksandr Alekseevitch,  1905-1988. Maiakóvski — O Poeta da Revolucão. tradução Zoia Prestes. Rio de Janeiro: Record, 2008. 559 p. /estou na página 42.

#2. Saffioti, Heleieth Iara Bongiovani, 1934-2010. Gênero, patriarcado, violência. 1ºed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.  152 p. (Coleção Brasil Urgente). / estou na página 52.

#3. Lênin, Vladimir Ilitch, 1870-1924. Imperialismo, estágio superior do capitalismo: ensaio popular. 1ª ed. – São Paulo: Expressão Popular, 2012. 176 p. / estou na página 14.

#4. Galeano, Eduardo H. 1940- . As veias abertas da América Latina. tradução de Sérgio Faraco. Porto Alegre, RS: L&PM, 2012. 400 p.; 18 cm (Coleção L&PM POCKET; v.900).  / estou na página 229.

#5. Peloso, Ranulfo (org.). Trabalho de base: seleção de roteiros organizados pelo CEPIS. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 152 p. / estou na página 25.

#6. Novack, George, 1905-1992. Introdução à lógica marxista. tradução de Anderson R. Féliz. São Paulo: Editora Instituto José Luis e Rosa Sundermann, 2005. 120 p. / estou na página 40.

#7. Ramos, Graciliano, 1892-1953. Angústia. São Paulo: Folha de S.Paulo, 2003. 220 p. / estou na página 47.

#8. Fernandes, Florestan, 1920-1995. Nós e o marxismo. São Paulo: Expressão popular, 2009. 64 p. / estou na página 48.

errare humanum est

[seg] 1 de julho de 2013

nota um: jorge ben. nota dois: o provérbio. dias frios. os livros estão fechados. a tv lá na sala segue sozinha falando ao vento. cá, submerso nas redes sociais navego à deriva. e sei lá… chega de ficar enrolando e vamos começar a trabalhar porque logo mais tem aula.

%d blogueiros gostam disto: