Archive for outubro, 2013

quin dia feia, amics

2013, outubro 31, quinta-feira

ruídos…

“DROGA! DOEU? SIM NÃO SEI TE EXPLICAR MAS VOLTANDO E OUVINDO AQUELA CANÇÃO AH VOCÊ NÃO OUVIU AINDA NÉ MAS ERA ASSIM CADA PASSO BROTAVA UM PENSAMENTO MAS NÃO ERA BEM BROTAR ERA MAIS UM LANÇAR COMO AQUELAS ESTRELAS CADENTES QUE CÊ VÊ E CÊ JÁ NÃO VÊ FOI-SE NASCER E MORRER NUMA FRAÇÃO DE TEMPO CURTÍSSIMO ISSO ENTENDESTE BEM MAS DIZIA ELE OU MELHOR PENSAVA ELE VOCÊ CHEGOU NA HORA ERRADA HÁ ALGUMA HORA CERTA É A PERGUNTA QUE FICA NO AR EU JÁ HAVIA VESTIDO MINHA CASACA SABE?! INFANTIL ISTO É CONCORDO MAS SABE A CASACA É ALGO COMO AQUELA QUE TRANSPORTA PARA O MUNDO DE ERA UMA VEZ SACAS?! COMPLICADO ISTO MAS É ELE NARRANDO OU MELHOR PENSANDO OU SEJA NARRANDO MENTALMENTE PARA SI ESSAS HISTÓRIAS TODAS E ME DIZ O QUE ACHAS DISTO TUDO JÁ DISSE É CONCORDO AH LEMBREI DE OUTRA ELE ESTAVA DEITADO INVERTENDO O TEMPO E UMA VOZ NÃO DELE MESMO MAS DE OUTRA PESSOA MAS DENTRO DA CABEÇA DELE DISSE ESSA BELA SACADA AS PESSOAS QUEREM MUDAR O MUNDO E NÃO A SI PRÓPRIAS ELE NÃO SOUBE PARA QUEM OU O QUE ERA DIRIGIDO A IDEIA CONTRADITÓRIA MAS FICOU MATUTANDO COMO SE APLICA A ELE OU ELE APLICAVA EM SI NUMA AUTO CENSURA MAS VOLTA LÁ ESTAVA INTERESSANTE AQUELA HISTÓRIA DOS DESENCONTROS CADENTES AH NÃO OUTRA HORA TE FALO ESPERAREI CERTO E AGORA SILÊNCIO ESTRANHO NÉ SOBRE O QUE FALAR AH FALAR SOBRE O FALAR NÉ É MAS VOLTANDO AQUELA CANÇÃO QUE EU IA TE FALANDO ERA ASSIM:

Quin dia feia, amics
Quin dia feia, amics
La dolça adela va venir amb el mapa d’un lloc nou per descobrir
Amb les claus d’una moto que ens deixava el seu veí
Quin dia feia, amics
L’adela deia “sóc aquí per rodolar entre la civada
I tocar-nos fort en el molí, contant ocells que emigren, fugint d’un país trist”
Quin dia feia, amics
No n’heu vist molts així
I l’adela volia passar-lo amb mi
I vaig girar-me I li vaig dir que seria divertit
I vaig girar-me I li vaig dir que bucòlic I bonic
I vaig girar-me I li vaig dir “la propera clar que vinc”
I vaig girar-me I li vaig dir, I vaig girar-me I li vaig dir
Ara no, no, no! No m’interrompis
No veus que estava inspiradíssim escrivint-te una cançó?
Ja s’aclarien els contorns d’un gran tema pop folk
Que congelarà per sempre això tan especial que hi ha entre els dos.
Que hi ha entre els dos
Ara no, no, no! No m’interrompis
No veus que estava inspiradíssim escrivint-te una cançó?
Ara que em quedava un vers per rimar amb els teus cabells
Ara que quasi es pot sentir l’olor de la teva pell en el paper
En el paper

É MANEL, UM GRUPO CATALÃO. ÓTIMA.

fim dos ruídos. inicio do sussurros…

um velho mineiro

2013, outubro 30, quarta-feira
http://www.youtube.com/watch?v=Pm3dI6qznms
não nos afastemos, não nos afastemos muito... 
não fugirei para as ilhas...

ou

OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.IMG_0303
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossege
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Carlos Drummond de Andrade, no livro “Sentimento do Mundo”. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1940 | em “Nova Reunião”. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1985.

princípio da inércia

2013, outubro 29, terça-feira

perdoem os erros de sintaxe

perdoem os erros de ortografia

perdoem os erros e horrores

perdoem o erro

e errem!

urrem!

*

guardei energia dormindo até o último minuto possível

como se fosse domingo esse último minuto possível

e depois percorri as palavras, as classes, a praia, o sol, as linhas

e cheguei lá, onde descubro que tenho um certo humor que até me surpreende…

esse estar frente a frente com tanta gente e ainda sentir-se contente

*

mas um bicho corrói, mastiga por dentro… prescrutando o porque das coisas, nunca satisfeito…

duvidando se é isto ou aquilo, e porque quedo contente

de estar entre toda essa gente?!

***

estico e afrouxo. dias yin dias yang. dias solitários dias coletivos, mas o dolorido não é um nem outro e sim o passar de um ao outro.

*