olóomi ayé s’óromon fée s’oròodò

[sex] 5 de junho de 2015

Mar de Sophia – Faixas

#1 Canto de Oxum // Compositores: Pedro Amorim e Paulo Cesar Pinheiro

«Quando eu morrer voltarei para buscar
os instantes que não vivi junto do mar» Sophia De Mello Breyner

Yèyé e yèyé s’oròodò, yèyé o yèyé s’oròodò / Olóomi ayé s’óromon fée s’oròodò [Nhem-nhem-nhem / Nhem-nhem ô xorodô / Nhem-nhem-nhem / Nhem-nhem ô xorodô / É o mar, é o mar / Fé-fé xorodô] / Oxum era rainha, / Na mão direita tinha / O seu espelho onde vivia á se mirar //

#2.1 Yemanjá Rainha do Mar. // Composição: Pedro Amorim e Paulo César Pinheiro

Quanto nome tem a Rainha do Mar? / Quanto nome tem a Rainha do Mar? / Dandalunda, Janaína, / Marabô, Princesa de Aiocá, Inaê, Sereia, Mucunã, / Maria, Dona Iemanjá. / Onde ela vive? / Onde ela mora? / Nas águas, / Na loca de pedra, / Num palácio encantado,/ No fundo do mar. / O que ela gosta? / O que ela adora?/ Perfume,/ Flor, espelho e pente / Toda sorte de presente / Pra ela se enfeitar. / Como se saúda a Rainha do Mar? / Como se saúda a Rainha do Mar? / Alodê, Odofiaba, / Minha-mãe, Mãe-d’água, / Odoyá! / Qual é seu dia, / Nossa Senhora? / É dia dois de fevereiro/ Quando na beira da praia / Eu vou me abençoar./ O que ela canta?/ Por que ela chora?/ Só canta cantiga bonita / Chora quando fica aflita / Se você chorar./ Quem é que já viu a Rainha do Mar?/ Quem é que já viu a Rainha do Mar?/ Pescador e marinheiro / que escuta a sereia cantar./ É com povo que é praieiro que Dona Iemanjá/ quer se casar. //

#2.2 Beira-Mar // Composição: Roberto Mendes / Capinan

Dentro do mar tem rio… / Dentro de mim tem o quê? / Vento, raio, trovão / As águas do meu querer /Dentro do mar tem rio… / Lágrima, chuva, aguaceiro / Dentro do rio tem um terreiro / Dentro do terreiro tem o quê? /Dentro do raio trovão / E o raio logo se vê / Depois da dor se acende / Tua ausência na canção /Deságua em mim a paixão / No coração de um berreiro / Dentro de você o quê? / Chamas de amor em vão /Um mar de sim e de não / Dentro do mar tem rio / É calmaria e trovão / Dentro de mim tem o quê? /Dentro da dor a canção / Dentro do guerreiro flor / Dama de espada na mão / Dentro de mim tem você /Beira-mar / Beira-mar / Ê ê beiramar / Cheguei agora / Ê ê beira-mar / Beira-mar beira de rio / Ê ê beira-mar //

#3.1 Marinheiro Só // Composição: Clementina de Jesus

Eu não sou daqui / Marinheiro só / Eu não tenho amor / Marinheiro só / Eu sou da bahia/ Marinheiro só/ De são salvador / Marinheiro só/ Lá vem, lá vem / Marinheiro só / Como ele vem faceiro/ Marinheiro só / Todo de branco/ Marinheiro só / Com o seu bonezinho / Marinheiro só/ Ô, marinheiro marinheiro / Marinheiro só / Ô, quem te ensinou a nadar / Marinheiro só / Ou foi o tombo do navio / Marinheiro só / Ou foi o balanço do mar/ Marinheiro só //

#3.2 O Marujo Português // Composição: Linhares Barbosa & Arthur Ribeiro

«Vem do mar azul o marinheiro
Vem tranquilo ritmado inteiro
Perfeito como um deus,
Alheio às ruas.» Sophia de Mello Breyner Andresen

Quando ele passa, o marujo português / Não anda, passa a bailar, como ao sabor das marés / Quando se ginga, faz tal jeito, tem tal proa / Só pra que se não distinga / Se é corpo humano ou canoa /Chega a Lisboa, salta do barco e num saltoVai parar à Madragoa ou então ao Bairro Alto / Entra em Alfama e faz de Alfama um convés / Há sempre um Vasco da Gama num marujo português /Quando ele passa com seu alcache vistoso / Traz sempre pedras de sal, no olhar malicioso / Põe com malícia a sua boina marujaMas se inventa uma carícia, não há mulher que lhe fuja /Uma madeixa de cabelo descomposta / Pode até ser a fateixa de que uma varina gosta / Quando ele passa, o marujo portuguêsPassa o mar numa ameaça de carinhosas marés //

#4 Poema Azul //Composição: Sérgio Ricardo

O mar beijando a areia / O céu e a lua cheiaQue cai no marQue abraça a areiaQue mostra o céuE a lua cheiaQue prateia os cabelos do meu bemQue olha o mar beijando a areiaE uma estrelinha solta no céuQue cai no marQue abraça a areiaQue mostra o céu e a lua cheiaum beijo meu //

«Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim, / A tua beleza aumenta quando estamos sós / E tão fundo intimamente a tua voz / Segue o mais secreto bailar do meu sonho, / Que momentos há em que eu suponho / Seres um milagre criado só para mim.» Sophia de Mello Breyner Andresen

#5 Kirimurê // Composição: Jota Velloso

Espelho virado ao céu / Espelho do mar de mim/ Iara índia de mel / Dos rios que correm aqui / Rendeira da beira da terra / Com a espuma da esperança / Kirimurê linda varanda / De águas salgadas mansas / De águas salgadas mansas / Que mergulham dentro de mim / Meu Deus deixou de lembrança / Na história dos sambaquis / Na fome da minha gente / E nos traços que eu guardo em mim / Minha voz é flecha ardente / Nos catimbós que vivem aqui / Eira e beira / Onde era mata hoje é Bonfim / De onde meu povo espreitava baleias / É farol que desnorteia a mim / Eira e beira / Um caboclo não é Serafim / Salve as folhas brasileiras / Oh salvem as folhas pra mim / Se me der a folha certa / E eu cantar como aprendi / Vou livrar a Terra inteira / De tudo que é ruim / Eu sou o dono da terra / Eu sou o caboclo daqui / Eu sou o dono da terra / Eu sou o caboclo daqui /Eu sou Tupinambá que vigiaEu sou o caboclo daqui / Eu sou Tupinambá que vigia / Eu sou o caboclo daqui / Eu sou o dono da terra / Eu sou o caboclo daqui //

#6 Grão de Mar  // Composição: Márcio Arantes e Chico César

«Através do teu coração passou um barco / Que não para de seguir sem ti o seu caminho» Sophia De Mello Breyner

Lá no meu sertão plantei / Sementes de mar / Grãos de navegar / Partir / Só de imaginar, eu vi / Água de aguardar / Onda a me levar / E eu quase fui feliz /Mas nos longes onde andei / Nada de achar / Mar que semeei, perdi / A flor do sertão caiu / Pedra de plantar / Rosa que não há / Não dáNão dói, nem diz /E o mar ficou lá no sertão / E o meu sertão em nenhum lugar / Como o amor que eu nunca encontrei / Mas existe em mimMas nos longes onde andei / Nada de achar / Mar que semeei,perdi / A flor do sertão caiu / Pedra de plantar / Rosa que não há / Não dá / Não dói, nem dizE o mar ficou lá no sertão / E o meu sertão em nenhum lugar / Como o amor que eu nunca encontrei / Mas existe em mim //

 #7.1 Quadrinha: O Mundo é Grande // Autor: Carlos Drummond de Andrade

O mundo é grande e cabe / nesta janela sobre o mar. / O mar é grande e cabe / na cama e no colchão de amar. / O amor é grande e cabe / no breve espaço de beijar //

«O mar azul e branco e as luzidias/ Pedras – O arfado espaço / Onde o que está lavado se relava / Para o rito do espanto e do começo / Onde sou a mim mesma devolvida / Em sal espuma e concha regressada / À praia inicial da minha vida.» SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN, in MAR [Antologia organizada por Maria Andresen de Sousa Tavares] (Ed. Caminho 1.ª ed., 2001, 7ª ed., 2009)

#7.2 Cirandas // Autora: Sueli Costa / Domínio Público

Cavalo marino / Dança no terreiro / Que a dona da casa / Tem muito dinheiro / Cavalo marinho / Dança na calçada / Que a dona da casa / Tem galinha assada // Peixinho marinho / Quem te ensinou a nadar? / Peixinho marinho / Quem te ensinou a nadar? / Foi foi foi minha mãe  / A sereia do mar //A maré encheu / A maré vazou / Os cabelos da morena / O riacho carregou // Vadeia Dois-Dois / Vadeia no mar / A casa é sua Dois-Dois / Eu quero ver vadiar // O vapor de Cachoeira não navega mais no mar / O vapor de Cachoeira não navega mais no mar / Arriba a prancha toca o búzio / Nós queremos navegar / Ai ai ai ai / Nós queremos navegar //

#8.1 Debaixo D´água / Agora // Autores: Arnaldo Antunes – Tony Bellotto/Charles Gavin/Branco Mello/Nando Reis/Marcelo Fromer

Debaixo d’água tudo era mais bonito / Mais azul, mais colorido / Só faltava respirar / Mas tinha que respirar // Debaixo d’água se formando como um feto / Sereno, confortável, amado, completo / Sem / chão, sem teto, sem contato com o ar / Mas tinha que respirar / Todo dia / Todo dia, todo dia / Todo dia / Todo dia, todo dia // Debaixo d’água por encanto sem sorriso e sem pranto / Sem lamento e sem saber o quanto / Esse momento poderia durar // Mas tinha que respirar / Debaixo d’água ficaria para sempre, ficaria contente / Longe de toda gente, para sempre no fundo do mar / Mas tinha que respirar / Todo dia / Todo dia, todo dia / todo dia / Todo dia, todo dia // Debaixo d’água, protegido, salvo, fora de perigo / Aliviado, sem perdão e sem pecado / Sem fome, sem frio, sem medo, sem vontade de voltar / Mas tinha que respirar / Debaixo d’água tudo era mais bonito / Mais azul, mais colorido / Só faltava respirar / Mas tinha que respirar / Todo dia / Agora que agora é nunca / Agora posso recuar / Agora sinto minha tumba / Agora o peito a retumbar / Agora a última resposta / Agora quartos de hospitais / Agora abrem uma porta / Agora não se chora mais / Agora a chuva evapora / Agora ainda não choveu / Agora tenho mais memória / Agora tenho o que foi meu / Agora passa a paisagem / Agora não me despedi / Agora compro uma passagem / Agora ainda estou aqui / Agora sinto muita sede / Agora já é madrugada / Agora diante da parede / Agora falta uma palavra / Agora o vento no cabelo / Agora toda minha roupa / Agora volta pro novelo / Agora a língua em minha boca / Agora meu avô já vive / Agora meu filho nasceu / Agora o filho que não tive / Agora a criança sou eu / Agora sinto um gosto doce / Agora vejo a cor azul / Agora a mão de quem me trouxe / Agora é só meu corpo nu / Agora eu nasço lá de fora / Agora minha mãe é o ar / Agora eu vivo na barriga / Agora eu brigo pra voltar / Agora / Agora / Agora //

#9 Memórias do Mar // Composição: Vevé Calazans / Jorge Portugal

A água do mar na beira do cais / Vai e volta volta e meia vem e vai /A água do mar na beira do cais / Vai e volta volta e meia vem e vai / Quem um dia foi marinheiro audaz / Relembra histórias / Que feito ondas não voltam mais /Velhos marinheiros do mar da Bahia / O mundo é o mar / Maré de lembranças / Lembranças de tantas voltas que o mundo dá /Tempestades e ventos / Tufões violentos / E arrebentação / Hoje é calmaria / que dorme dentro do coração /Velhos marinheiros do mar da Bahia / O mundo é aqui / Maré mansa e morna / De Plataforma ou de Peri-PeriVelhos marinheiros do mar da Bahia / O mundo é o mar / Maré de lembranças / Lembranças de tantas voltas que o mundo dá //

#10 As Praias Desertas //Composição: Antonio Carlos Jobim

«Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo. / Mal de te amar neste lugar de imperfeição / Onde tudo nos quebra e emudece / Onde tudo nos mente e nos separa.» /Sophia de Mello Breyner Andresen / in ‘Poemas escolhidos’ 2004

As praias desertas continuam / Esperando por nós dois / A este encontro eu não devo faltar / O mar que brinca na areia / Está sempre a chamar / Agora eu sei que não posso faltar / O vento que venta lá fora / O mato onde não vai ninguém / Tudo me diz / Não podes mais fingir / Porque tudo na vida há de ser sempre assim / Se eu gosto de você / E você gosta de mim / As praias desertas continuam / Esperando por nós dois //

#11.1 O Vento // Composição: Dorival Caymmi

Vamos chamar o vento / Vamos chamar o vento / (Vento que dá na vela / Vela que leva o barco / Barco que leva a gente / Gente que leva o peixe / Peixe que dá dinheiro, Curimã / Curimã ê, Curimã lambaio / Curimã ê, Curimã lambaio / Curimã / Curimã ê, Curimã lambaio / Curimã ê, Curimã lambaio / Curimã / Vamos chamar o vento / Vamos chamar o vento / Vento que dá na vela / Vento que vira o barco / Barco que leva a gente / Gente que leva o peixe / Peixe que dá dinheiro, Curimã) / Vamos chamar o vento / Vamos chamar o vento //

«É vista quando há vento e grande vaga
Ela faz o ninho no rolar da fúria
E voa firme e certa como bala

As suas asas empresta
à tempestade
Quando os leões do mar rugem nas grutas
Sobre os abismos passa e vai em frente

Ela não busca a rocha o cabo o cais
Mas faz da insegurança a sua força
E do risco de morrer seu alimento

Por isso me parece imagem justa
Para quem vive e canta no mau tempo» Procelária (In.: Geografia, de Sophia Andresen)

#11.2 A Dona do Raio e do Vento // Composição: Paulo César Pinheiro

O raio de Iansã sou eu / Cegando o aço das armas de quem guerreia / E o vento de Iansã também sou eu / Que Santa Bárbara é santa que me clareia / A minha voz é o vento de maio / Cruzando os ares, os mares e o chão / E meu olhar tem a força do raio / que vem de dentro do meu coração / O raio de Iansã sou eu / Cegando o aço das armas de quem guerreia / E o vento de Iansã também sou eu / Que Santa Bárbara é santa que me clareia / Eu não conheço rajada de vento / Mais poderosa que a minha paixão / E quando o amor relampeia aqui dentro / Vira um corisco esse meu coração / Eu sou a casa do raio e do vento / Por onde eu passo é zunido é clarão / Porque Iansã desde o meu nascimento / Tornou-se a dona do meu coração / O raio de Iansã sou eu / Cegando o aço das armas de quem guerreia / E o vento de Iansã também sou eu / Que Santa Bárbara é santa que me clareia / O raio de Iansã sou eu / E o vento de Iansã também sou eu / O raio de Iansã sou eu //

#12 Lágrima // Composição: Roque Ferreira

Lágrima por lágrima hei de te cobrar / Todos os meus sonhos que tu carregaste, hás de me pagar / A flor dos meus anos, meus olhos insanos de te esperar / Os meus sacrifícios, meus medos, meus vícios, hei de te cobrar / Cada ruga que trouxer no rosto, cada verso triste que a dor me ensinar / Cada vez que no meu coração, morrer uma ilusão, hás de me pagar / Toda festa que adiei, tesouros que entreguei, a imensidão do mar / As noites que encarei sem Deus, na cruz do teu adeus, hei de te cobrar / A flor dos meus anos, meus olhos insanos, de te esperar / Os meus sacrifícios, meus medos, meus vícios, hei de te cobrar / Cada ruga que eu trouxer no rosto, cada verso triste que a dor me ensinar / Cada vez que no meu coração morrer uma ilusão, hás de me pagar / Toda festa que adiei, tesouros que entreguei, a imensidão do mar / As noites que encarei sem Deus, na cruz do teu adeus, hei de te cobrar… / Lágrima por lágrima.

#13.1 Noiva: Cantiga da Noiva // Composição: Dorival Caymmi

É tão triste ver / Partir alguém / Que a gente quer / Com tanto amor / E suportar / A agonia / De esperar voltar… / Viver olhando / O céu e o mar / A incerteza / A torturar / A gente fica só / Tão só / A gente fica só / Tão só… / É triste esperar.

#13.2 Floresta do Amazonas // Composição: Heitor Villa Lobos

Sonhar na tarde azul / Do teu amor ausente / Suportar a dor cruel / Com esta mágoa crescente / O tempo em mim / Agrava o meu tormento, amor / Tão longe assim de ti / Vencida pela dor / Na triste solidão / Procuro ainda te encontrar / Ah amor, meu amor….

«Sou o único homem a bordo do meu barco.
Os outros são monstros que não falam,
Tigres e ursos que amarrei aos remos,
E o meu desprezo reina sobre o mar.
Gosto de uivar no vento com os mastros
E de me abrir na brisa com as velas,
E há momentos que são quase esquecimento
Numa doçura imensa de regresso.
A minha pátria é onde o vento passa,
A minha amada é onde os roseirais dão flor,
O meu desejo é o rastro que ficou das aves,
E nunca acordo deste sonho e nunca durmo.» Pirata – Sophia de Mello Breyner Andresen

#14 Portela: Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite //Composição: David Corrêa e Jorge Macedo

«O teu destino deveria ter passado neste porto
Onde tudo se torna impessoal e livre
Onde tudo é divino como convém ao real» Sophia de Mello Breyner Andersen, «Dual» in Obra Poética III, Lisboa, Caminho, 1999, 4.ª ed.

Deixa-me encantar / Com tudo teu e revelar la, ra,ra / O que vai acontecer / Nesta noite de esplendor / O mar subiu na linha do horizonte / Desaguando como fonte / Ao vento a ilusão teceu / O mar, ô o mar! / Por onde andei mareou, mareou! / Rolou na dança das ondas / No verso do cantador / Dança quem tá na roda / Roda de brincar / Prosa na boca do vento / E vem marear (BIS) / Eis o cortejo irreal / Com as maravilhas do mar / Fazendo o meu carnaval / É a vida a brincar / A luz raiou pra clarear a poesia / Num sentimento que desperta na folia / Amor! Amor! / Amor sorria, ô ô ô / Um novo dia, despertou / E lá vou eu, e lá vou eu / Pela imensidão do mar / Esta onda que borda a avenida de espuma / Me arrasta a sambar (BIS) /

#15 Canto de Nanã // Composição: Dorival Caymmi

Ê de noite ê / De noite até de manhã – iê / Ouvi cantá pra Nanã

%d blogueiros gostam disto: