Archive for dezembro, 2015

o monitor morreu

2015, dezembro 29, terça-feira

o monitor morreu. foi ontem, ou anteontem… nem sei.

perdi-me no espaço tempo e já nem sei que dia da semana é e qual do mês… sei apenas que é dezembro, últimos dias de 2015.

estou a girar pela casa… tá tudo de pernas para o ar. amanhã é encaixotar tudo… e continuar a cortar, pregar, rebocar… depois vem a pintura, a limpeza… é um mês operário.

até janeiro.

 

makita em ação…

2015, dezembro 24, quinta-feira

mudando as paredes de lugar… ampliando os horizontes enquanto a grana segue curta e a obra não avança. amanhã é trocar portas, janelas… e terminar a faxina. vai ser um natal agitado.

makita

coisas de maria joão

2015, dezembro 23, quarta-feira

uma caminhada ao por do sol de três km.

abraços e desejo de boas festas!

download (1)

coisas de maria joão:

 

Esotérico // Não adianta nem me abandonar / Porque mistério sempre há de pintar por aí / Pessoas até muito mais vão lhe amar / Até muito mais difíceis que eu pra você / Que eu, que dois, que dez, que dez milhões, / todos iguais / Até que nem tanto esotérico assim / Se eu sou algo incompreensível, meu Deus é mais / Mistério sempre há de pintar por aí / Não adianta nem me abandonar (não adianta não) / Nem ficar tão apaixonada, que nada / Não sabe nadar / E morre afogada por mim /  Gilberto Gil.

e pela frente será outra caminhada de três km… pela começo da madrugada.

***

 

e a gente celebra a despedida. uns que chegam do nada, outros que estavam ali e agora se achegam, outros que partem… outros nos acompanharão até logo ali… outros para nunca mais. a lembrança de alguns nos transporta no tempo… outras no suspende – há dor, há saudade, há carinho, há mea culpa… há uma parte boa nesse oceano.

e é com esses outros que percebo o quanto estou só.  é sozinho que volto para casa… sozinho é que sei, ser outro não sei. esses trinta e três são só casca… sou apenas um sábio de cinco anos de idade, repleto de seus medos e de alguns sonhos. e quem tiver a chave… que decifre o quanto meu verbo pode delirar.