Archive for junho, 2016

ley campoamor y otras cosas

[qui] 30 de junho de 2016

«Trata-se, no fundo, de misturas. Misturam-se as almas nas coisas, misturam-se as coisas nas almas. Misturam-se as vidas, e assim as pessoas e as coisas misturadas saem cada qual de sua esfera e se misturam: o que é precisamente o contrato e a troca.»  (Marcel Mauss, em “Sociologia e Antropologia”, 2003, p. 212).

«En este mundo traidor / nada es verdad ni mentira / todo es según el color / del cristal con que se mira» ( Ramón de Campoamor)

exercício sobre a segunda-feira

[ter] 28 de junho de 2016

se eu não tivesse perdido
você, hoje,
nessa segunda-feira,
jamais saberia
das coisas agridoces,
do vento frio na face,
da brisa sobre as árvores
do balé do bando que avoa
da arrevoada dos pássaros
da coreografia dos doces cães
das cores quentes
que banham o céu
quando da morte do sol.

se eu não tivesse perdido
jamais saberia
da caminhada solitária
descalço pela praia
sal pela barba áspera
e mar de folhas ocres
escondendo as pedras no chão.

se eu não tivesse perdido
jamais saberia
que em mim há
uma lenta necessidade
de deixar-se qual nuvem a esvaecer
pela noite que envolve toda a vida…

e que não há fogo
que me ascenda
ou frio que me congele.
apenas me é doce
essa morte, sem você,
em plena segunda-feira.

atlas de nuvens…

[seg] 27 de junho de 2016

enquanto abandono os planos de por em dias as obrigações e mergulho em cloud atlas. é um filme que precisarei revisitar. há tanta coisa para ver em detalhes e mapear.

A Viagem (Cloud Atlas, 2012), Direção de Wachowski Tom Tykwer.

o homem na parede

[dom] 26 de junho de 2016

na escuridão do meu quarto… Haish Shebakir (O homem na parede). 2015, Israel. Direção de Evgeny Ruman. the_man_in_the_wallThe-man-in-the-wall-2-750x506

 

 

 

 

 

Tomorrowland – Um Lugar Onde Nada é Impossível. 2015, EUA. Direção de Brad Bird.tomorrowland-2015-poster-raffey-cassidy

 

 

 

 

 

Begin Again (Mesmo se nada der certo). 2014, EUA. begin-again-2014-dan-mulligan-gretta-james-for-once-in-my-life-we-need-to-dance-mark-ruffalo-keira-knightley-reviewDireção de John Carney.begin-again-poster

 

 

 

 

 

Gravity (Gravidade). 2013, EUA/Reino Unido. Direção de Alfonso Cuarón. Gravity

 

 

 

 

 

Copenhague. 2015, Estados Unidos/Canadá/Dinamarca. Direção de Mark Raso. Copenhagen-03

 

 

mais um foda-se

[sáb] 25 de junho de 2016

duas coisas… uma, fica para mais tarde. a segunda é: foda-se, faltarei ao trabalho amanhã e vou ficar de boas em casa fazendo nada ou qualquer coisa que não seja cumprir horários.

homo infimus

[qui] 23 de junho de 2016

a poesia:

Homo Infimus – Augusto dos Anjos
Homem, carne sem luz, criatura cega,
Realidade geográfica infeliz,
O Universo calado te renega
E a tua própria boca te maldiz!
O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega
Amarguram-te. Hebdômadas hostis
Passam… Teu coração se desagrega,
Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris!
Fruto injustificável dentre os frutos,
Montão de estercorária argila preta,
Excrescência de terra singular.
Deixa a tua alegria aos seres brutos,
Porque, na superfície do planeta,
Tu só tens um direito: – o de chorar!

Vencido
No auge de atordoadora e ávida sanha
Leu tudo, desde o mais prístino mito,
Por exemplo: o do boi Ápis do Egito
Ao velho Niebelungen da Alemanha.
Acometido de uma febre estranha
Sem o escândalo fônico de um grito,
Mergulhou a cabeça no Infinito,
Arrancou os cabelos na montanha!
Desceu depois à gleba mais bastarda,
Pondo a áurea insígnia heráldica da farda
A vontade do vômito plebeu…
E ao vir-lhe o cuspo diário à boca fria
O vencido pensava que cuspia
Na célula infeliz de onde nasceu

Breve olhar sobre a poética de Augusto dos Anjos, por Fábio Rolim

e outra referência é esta postagem aqui – plano de navegação – que fiz em 2010.

a pesquisa:

Retratos de Família | Diana Lichtenstein Corso e Mário Corso

A Evolução da Família | Joel Birman

Familia e educação na sociedade de consumo – Direção de Flora Lahuerta e Luanda Baldijão

 

the elephant never forgets

[dom] 19 de junho de 2016

 

«El Chavo — por ser um menino orfão, criado na rua, que não sabe quem são seus pais, e por isso mesmo, não sabe a existência do seu nome — Bolaños preferiu apenas deixá-lo conhecido como “O Garoto”. A tradução para El Chavo no Brasil poderia seguir vários adjetivos como menino, garoto, guri, muleque, piá, manezinho, pivete, neguinho, etc.., haveriam tantas significações e possibilidades dentro da nossa própria cultura, dentro de cada estado brasileiro, que ficaria difícil atribuir uma única gíria, um único adjetivo para o personagem, e que desse um significado ao telespectador brasileiro. Sendo assim, Chaves, entra no contexto de nome, de realmente um apelido. O povo brasileiro adora apelidar as pessoas pelo fato de torná-las mais próximas de sua relação. Além disso, atribuo também o nome Chaves, a sincronização labial por parte do dublador, que dará uma maior credibilidade ao telespectador que irá perceber pelo sync da voz com o lábio do ator original. A palavra que dá sequência ao nome do seriado, ocho, poderia ser traduzida de duas maneiras no México, já que Bolaños usou o recurso do duplo sentido. O Garoto do Oito ou O Garoto do Barril. Assim como brasileiros se referem ao número seis através da palavra “meia”, e americanos se referem ao número zero a letra “o”, ocho representa tanto o número oito quanto o barril. A referência do número oito tem ligação ao primeiro canal de TV que foi exibido o programa, o canal 8 TIM — Televisión Independiente del México — e que , em 1975, a Televisa comprou. Chespirito continuou usando o oito no nome do seriado, mesmo a Televisa sendo do canal 5, e criou uma nova explicação dentro da história, que o garoto teoricamente morava na casa 8 da vila, mas preferia passar a maior parte do seu tempo dentro de um barril. » Em “O significado das palavras: El Chavo del Ocho e Chaves“, de Michael Bahr

pro-drop

[sáb] 18 de junho de 2016

 

sobre as leituras:

«O Brasileiro e o seu ego-carro: uma visão sociológica européia sobre o ato de dirigir em um “país do futuro”», de Martin Gegner.

«O Português Afro-Brasileiro», dos pesquisadores Dante Lucchesi, Alan Baxter e Ilza Ribeiro.

«O Brasil no interregno de Gramsci», por Célio Turino.

**

http://bioliva.utad.pt/plantas/Raphanus_raphanistrum.htm

6 anos da partida de saramago.

incayuyo

[qua] 15 de junho de 2016

inca yuyo

Es que hay que estar atentos
Requiere de toda tu energia
Si es que queres salir
De ese enjambre mental
Que te atrapa
No te deja ver la luz

Es que hay que estar atentos
Requiere de toda tu energia
Si es que queres salir
De ese enjambre mental
Que te atrapa
No te deja ver la luz

Nubes grises
Que salen de mi alma
Se visten con tu cuerpo
Y danzan conmigo

Nubes grises
Que salen de tu alma
Se visten con mi cuerpo
Y danzan con mi ombligo

Abres tus ojos y ves el sol
Abres tus ojos y ves el sol
Abres tus ojos y ves el sol

Abres tus ojos y ves el sol
Abres tus ojos y ves el sol
Abres tus ojos y ves el sol

Es que hay que estar atentos
Requiere de toda tu energia
Si es que queres salir
De ese enjambre mental
Que te atrapa
No te deja ver la luz

dawn patrol

[seg] 13 de junho de 2016

parte substantiva de mim recusa-se a fazer qualquer coisa obrigatória. vontade vertiginosa de ficar aleatório.  e mais uma semana começa, em 3, 2, 1…

%d blogueiros gostam disto: