Archive for outubro, 2016

dia nacional da poesia

[seg] 31 de outubro de 2016
das coisas cotidianas - e um exercício sobre as raízes.

minha agenda reclamava, havia uma reunião de formação com articuladores… ofertada pela sed [secretaria de educação]… mas eu precisava de um tempo só. precisava me demorar fazendo quase nada… dentro de mim, todo o meu ser alertava: hoje não é dia pra se correr. e talvez o nariz trancado, a dificuldade alérgica de respirar… talvez a falta das horas adequadas de sono… ou mesmo por segunda-feira, o dia mais dificil de todos. mandei um recado à direção avisando que não poderia ir. e voltei a dormir.

hoje, é o dia nacional da poesia¹, e não há melhor momento para começar uma ideia²

#umpoetaumpoemapordia

Hoje comemora-se o aniversário de nascimento de Carlos Drummond de Andrade, e é dele o poema que colo abaixo

Sentimento do mundo

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.

Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,
eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microcopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer.

Esse amanhecer
mais noite que a noite.

***

e agora algumas palavras minhas…

exercício sobre as raízes

por vezes eu preciso de gente.
por vezes eu preciso de solidão.
por vezes solitudo soliente,

noutras gentidão,

vasto, do maior que o ão.

 

 

notas de rodapé
1. DIA NACIONAL DA POESIA
Lei 13.131/2015, que criou oficialmente o Dia Nacional da Poesia.
Dia 31/10 é data de aniversário de nascimento de Carlos Drummond de Andrade.
Até 2015 extraoficialmente era comemorado no dia 14 de março.
Era uma homenagem ao Castro Alves.]

2. UM POEMA POR DIA
inspirada num blogue que encontrei pela rede há um tempo... 
http://poemadia.blogspot.com.br/
e outros espaços como este
https://www.facebook.com/um-poema-por-dia-195108683859502/ 
mas, sobretudo, para alimentar minha página de poemas,
já que não escrevo um poema por dia...
e ainda fazer o exercício de ler
e pesquisar mais sobre poesia.

contradictiones

[sáb] 29 de outubro de 2016

http://www.revistas.usp.br/plural/article/download/75469/79012

seer.fclar.unesp.br/estudos/article/download/158/156

ocupações… recebi de um ex-aluno, uma mensagem bacana. era daqueles alunos, espertos, mas da zoeira… gostava de exatas e não queria nada com humanas… mas as vezes plantamos sementes, noutras contribuimos para germinar, em lugares que ignoramos. ele está participando de um ocupação, e se considera de esquerda.

é isso. há sentido na vida.

e ele vai pra esquerda…

dia da democracia

[ter] 25 de outubro de 2016

e quando o sono não vem?

e seus horários estão desregulados?

e seu humor instável?

***

hoje, mais tarde rola na escola o seminário proposto… debatendo democracia, direitos e participação…

dia da democracia… homenagem a herzog.

***

nos altos e baixos da vida

[seg] 24 de outubro de 2016

9:25 acordei. mais um dia com dores.

10:54 repleto de pontas soltas para amarrar hoje. ponta número um: o cara resolveu trocar a cozinha de lugar… até sábado, um microreforma ocorrerá. ponta dois: contatos passados pelo cazé e pelo douglas (do ps do rio vermelho) para finalizar as atividade de terça, antes do meio dia enviar mensagem/convite. ponta numero três: por em dia as duas ultimas semanas de aulas dadas no professor online. ponta numero três, finalizar organização das aulas de hoje.

inconstante…

[sex] 21 de outubro de 2016

amanheci… ou entardei querendo enrodilhar-me na cama. no mais escuro canto.

parte do diagnóstico: certa ansiedade.

cuidado: respirar fundo. não brigar com ninguém.

un instante preciso

[qui] 13 de outubro de 2016

quinta-feira

check in: diário online do professor, ok. listo. adeus terceiro bimestre.

seminário de ciências humanas na escola… keep going… e senti aquela sensação gostosa de movimento, de sair da zona de conforto… convidar pessoas, organizar intervenções multiplas, reunir pessoas…

quarto bimestrevoilá… chega ai. tenho uma quinta-feira (hoje) de folga pra te organizar. vish… essas pessoas que trabalham na sua hora de folga…

ufsc, ok. cento e vinte cinco paus pagos via bb. e a dúvida entre Serviço Social e Letras… Letras.

***

nota de fundo: o facebook me recorda disto, un instante antes…

e disto vou a isto…

«Que el soneto…». Jorge Drexler
Que El Soneto Nos Tome Por Sorpresa
Jorge Drexler

Entrar en este verso como el viento,
que mueve sin propósito la arena,
como quien baila que se mueve apenas,
por el mero placer del movimiento.

Sin pretensiones, sin predicamento,
como un eco que sin querer resuena,
dejar que cada sílaba en la oncena
encuentre su lugar y su momento.

Que el soneto nos tome por sorpresa,
como si fuera un hecho consumado,
como nos toman los rompecabezas,

que sin saberlo, nacen ensamblados.
Así el amor, igual que un verso empieza,
sin entender desde donde ha llegado

***

e a isto… un instante preciso.

***

vou ver gaudí…

***

48 sem o poeta Manuel Bandeira (13 de outubro de 1968)

 

exercício sobre o desejo da palavra

[ter] 11 de outubro de 2016

Sou a porra de um viciado…

viciado em dor.

dê tempos em tempos

me pego olhando algumas fotos dela,

relembrando aquele amor tão curto

vivido… anos atrás.

sou um cara esperto,

pra sacar que eu não sou nada esperto

esperto porra nenhuma,

e que estou um bocado perdido

nesta loucura toda que é a minha vida.

cara sério, bom moço, aparentemente normal,

não cumpro quase nenhum requisito,

um desajustado sob a casca

do um tudo bem, ‘tá tudo certo…

não há nada certo, e tudo é um tanto injusto.

e sabe esses artigos de auto-ajuda

dizendo pra voce ficar longe dessas pessoas

vampirescas, sugadoras de nossas energias…

e dia sim, dia não, eu me pergunto:

como ficar longe desta

parte significativa de mim,

que nesses dias tristes e ansiosos,

me envolve por inteiro,

o evapora toda minha energia vital.

***

talvez seja por ai,

eu ficar longe de todo mundo,

sou a porra de um cara viciado em dor,

um zé mané narcisista,

e tímido ao extremo,

inconstante, suicida em potencial…

***

eu ando triste por estes dias,

e tudo sem motivo aparente…

ontem, apenas foi quase impossível sair da cama,

cheguei a inventar uma dúzia de desculpas

para faltar ao unico compromisso do dia…

meu trabalho.

mas

quase todas as segundas são assim,

dificeis de levantar…

***

e agora mudando de assunto: estou pensando em fazer vestibular… letras? o fetiche de fazer letras… todas as minhas segundas opções, nos cinco vestibulares que prestei…

ou serviço social? reaproximar-me da teoria… e num novo local de atuação… me parece ser mais palpável e sensata essa opção.

mas porra… eu não sou sensato…

***

exercício sobre o desejo da palavra

e o poema não brota de minha boca. / ele não tem som. / ele não traduz nada. / tão pouco decifra o indizível. / ele apenas não está ali. / não há raiz. //  só o que resta é essa ansia de recebe-lo. / de tê-lo por perto, / e não importa se a curto tempo, / de passagem, estrangeiro,  / como os olhos desconhecidos / que se esbarram / num infinito atômo de tempo… / e mergulham-se, insanos e negros, / quanticamente ao nada. // esse poema que não está… / e que nunca será, / e que um dia padeceu disto… / de estar e ir-se qual o vento / , as palavras, / o toque suave, / a saudade, / o pó, / o aroma quente… / o gosto esvaecido dos lábios da coisa amada. // é só isto, / esse resto de homem / sozinho pela rua… / trinta e poucos, / alguns pelos brancos, / um medo de amar…  / uma noite longa…  // já sinto saudades tuas, / ó poema que nunca vinha… / e agora já era.

[sobre os dois meses que fiquei procurando um poema… anotei até algumas coisas em folhas soltas… mas nada, não havia um mote. e eis que o mote surge… a dificuldade de escrever um poema… há uma duzia desses pelo blogue. esse exercício acima, fiz agora. e vai assim, cru]

 

 

 

 

tsundoku

[sex] 7 de outubro de 2016

«O hábito de comprar livros que nunca serão lidos e acumulá-los em pilhas é familiar para quem gosta de ler. E há uma única palavra, em japonês, para designar a prática: tsundoku. Na verdade, o substantivo é um jogo de palavras. “Tsundoku” corresponde à forma oral do verbo “tsunde oku”, que quer dizer “empilhar e deixar de lado por um tempo”.  Mas “doku”, palavra expressa por um ideograma, corresponde ao verbo ler. Assim, criou-se uma nova palavra, cujo sentido é a aquisição de materiais de leitura que acabam empilhados, sem nunca serem lidos.» Disponível em: nexojornal.com.br

***

sexta-feira. conselho de classe do terceiro bimestre terminou. o quarto sinaliza-se interessante… estou a construir o I Seminário de Ciências Humanas : Democracia, direitos e participação na escola… Com a possibilidade de trabalho em parceria com o prof de geo e noutro projeto com o prof de filosofia…

deu uma vontade de repensar o programa, deu uma vontade de estudar e mudar as coisas… deu uma vontade de deixar de reproduzir apenas e construir algo.

agora dormir

e logo mais, quando acordar…

pratique rapaz.

tarefa: ligar, organizar participantes.

ler sobre conselho

produzir cartilha

organizar aulas da sexta

corrigir trabalhos

 

requisitos para ser una persona normal

[ter] 4 de outubro de 2016

dolores. por 3 semanas.

pelos blancos. na barba…

cocina hecha. ou ao menos a parte estrutural.

são dez dias sem escrever aqui. são dez dias submersos em algum outro ponto. outras rotinas, projetos diferentes, e de dor nas costas – o que me leva a menos tempo sentado diante do pc. caminhadas com izabel…

nota do mês que passou: «Relator do caso, ministro Luiz Fux votou em favor de ‘dupla paternidade’. Corte permitiu mudar documento após reconhecimento de vínculo genético.» olha o stf estabelecendo jurisprudência e indo de encontro ao meu pedido… que continua na vara da família.

nota da semana: dia 28 narrei minha vida pra izabel… ou parte significativa, meus relacionamentos amorosos… e combinei, daqui 20 anos, quando ela tiver mais ou menos a minha idade, sentamos novamente e ela narra a vida dela.

nota do dia: comprar guarda-chuva

filmes vistos nestes ultimos dias:

28/09/16 The Pill
25/09/16 Na Estrada
23/09/16 A Grande Aposta

 

%d blogueiros gostam disto: