Archive for maio, 2017

rrreconfiguranndoo

[qua] 31 de maio de 2017

em processo de reconfiguração…

pronto.  vamos morrer… mas há a possibilidade de tentar fazer bem feito. de fazer sentido. e não se deixar vencer pelo próprio medo. tática de guerrilha, combater todo e qualquer pensamento negativo… acreditar em si assim como os outros acreditam

de jeux et novalistés

[sáb] 20 de maio de 2017

Há rachaduras. Há frestas. Há risos. Há brechas.

Entre O fato e o fado, há os dados…

O tempo, o corpo e a queda. E na memória do futuro, apenas palavras dispersas. Não há sentido.

Perdido. Nenhum poema vai sair. Ando a pensar sobre a ansiedade. E a tristeza cotidiana. E neste exílio. E a dificuldade em escrever (concreta e metafórica…) me encerra aqui, do outro lado da tela.

 

na medida do impossível tá dando pra se viver

[ter] 16 de maio de 2017

Uma colagem e um lamento

A colagem

“De resto, há de se entender o nosso 1nundo, o do pesquisador, co1110 se1Jdo ocidental, cons-

Lituído n1ini1na1nente pela sobreposição de duas subculturas: a brasileira,
no caso de todos nós en1 particular; e a antropológica, aquela na qual fo-
n1os treinados co1T10 antropólogos e/ou cientistas sociais. E é o confronto
entre esses dois rnundos que constitui o contexto no qual ocorre a entre-
vista. É, portanto, nu111 contexto essencialrnente problemático que te1n lu-
gar o nosso Ouvir. Co1no poderemos, então, questionar as possibilidades
da entrevista nessas condições tão delicadas?
Penso que esse questiona1nento começa cotn a pergunta sobre qual a
natureza da relação entre entrevistador e entrevistado. Sabe1nos que há tnna
longa e arraigada tradição na literatura etnológ ica sobre a relação. Se to-
rnannos a clássica obra de Mali nowski como referência, vemos como essa
tradição se consolida e, pratica1nente, trivializa-se na realização da entrevis-
ta. No ato de ouvir o “infonnante”, o etnólogo exerce u111 “poder” extraor-
dinário sobre o 1nes1no, ainda que ele pretenda se posicionar co1110 sendo o
observador 1nais neutro possível, co1no quer o objeti visn10 mais radical. Esse
poder, subjacente às rei ações hu tTianas – que autores co1110 Foucau I t j a-
1nais se cansara1T1 de denunciar-, j á na relação pesquisador/informante vai
dese111penhar u1na função profunda1nente empobrecedora do ato cognitivo:
as perguntas, feitas e1T1 busca de respostas pontuais lado a lado da autoridade
de quern as faz ( co1n ou se1n autoritaris1no ), cria1n un1 campo ilusório de
interação. A rigor, não há verdadeira interação entre nativo e pesquisador ,
porquanto na utilização daquele co1no infonnante o etnólogo não cria con-
dições de efetivo “diálogo”. A relação não é dialógica. Ao passo que, trans-
fonnando esse infonnante e1n “interlocutor”, uma nova 111oda1idade de rela-
ciona1T1en to pode ( e deve) ter I ugar. 3
Essa relação dialógica, cujas conseqüências episte1nológicas, todavia,
não cabe1n aqui desenvolver, guarda pelo 1nenos u1na grande superiori-
dade sobre os procedi1nentos tradic ionais de entrevist”

O lamento

O mais difícil nesse momento é saber o que é real é o que é imaginário. Porque para questões reais ações concretas devem ser medidas. Já para as imaginárias… não morre basta.

Ontem foi como levar várias ondas pesadas na cabeça. Quando tentei respirar, uma, duas…. avalanches de angústia, males entendidos, sofrimentos.

Você cala para não explodir. Você implode por dentro. E todo edifício visto por fora é um amontoado de destroços por dentro.

Mas como diz a canção “Na medida do impossível tá dando pra se viver”.

letter from a region of my mind

[dom] 14 de maio de 2017

Ler letter from a region of my mind. O que escrevi antes se perdeu… Era algo sobre dificuldade de escrever. Tela do celular quebrada. Sem computador. Havia algo sobre a ilusão de que sem PC eu iria fazer outras coisas, me organizar, por tudo em dia… E tudo que sinto é uma vontade, quase mórbida, de apenas dormir.

Havia menção ao poema em linha reta de Fernando Pessoa… de Memórias do subsolo…

Mas não há ânimo. Apenas esse estado de silêncio e escuridão. E essa dificuldade de respirar…

…-

[ter] 9 de maio de 2017

Concisão. Ontem… Do papo e da sensação: mais um dia dolorido (corpo e mente). Mais um dia perdido…

De hoje, sem tempo pra respirar. Como se a vida fosse cumprir horários.

Pra quê tudo isso? (Opss… Não há tempo para pensar… Há perigo na esquina, posso perder o trem…

insista… persista…

[qui] 4 de maio de 2017

Nuestra primera intención era hacer en colores… Pero. As coisas são mais complicadas. Meu computador morreu. Derrubei o celular e a tela trincou em mil pedaços. Mudaram os horários das aulas na escola e o meu horário ficou uma bosta…

Mas ainda consigo escrever.

E agora José?
A lista das coisas que não saíram como esperado é grande. Não cabem nessa página. Fazer o quê josé… zé… Wake up dead man. E como dizia a pichação na escola, ontem, “estude, persista, não desista”.

Se adapte. As coisas vão se encaixar.

 

a minha vida de rascunhos: ou o que era para ser da solitude à solidão

[qua] 3 de maio de 2017

4h15. Acordei. A casa parece viva… As luzes acessas… O computador ligado… A janela abertaNo meu corpo a roupa do dia anterior e na boca o gosto da comida de ontem. Como vim parar aqui? Não sei. A mente exausta desligou o corpo. Tenho me sentido cansado, quase de forma ininterrupta, nos últimos tempos.

Quem sabe um chá de canela? Quem sabe transcrever as notas que fiz no caderno, ontem? Que sabe te escrever? Ou publicar o rascunho de anteontem? Quem sabe pesquisar algo pra aula de hoje?

O preço do amanhã…. Alguma crítica ou sugestão pedagógica. O ideal era passar todo filme é ter mais alguns dias para costurar as ideias. Sei o que quero visitar… Mas o itinerário não está claro. E isso fará diferença lá na frente.

 

5h59. Reescrevi, perdendo algumas partes, porque, como meu corpo, o PC tem se desligado sozinho. Viver nesse mundo tem sido over para nos. Desliguei tudo, quase tudo… Estou aqui, no telefone, digitando isto.

11h45. on pc. que liga e desliga. acordei agora. exausto. sair correndo. muito chato tudo isso.

e sobre o título… escrever o que foi anotado.

 

as notas do dia (do papier ao conselho)

[ter] 2 de maio de 2017
anoto no papier.
terça em modo GAME OVER…
em modo repetição: dos colores blanco y negro. drexler e moska.
1h00. conclui todas as turmas do primeiro bimestre do jacó anderle.
agora falta… corrigir provas e redações das duas turmas de terceiros do apóstolo, e digitar as notas. expectativa de duas horas para essa função.listar os conteúdos e digitar as notas das três turmas de segundo ano. previsão de uma hora nessa função.
refazer a listagem dos conteúdos, criar as avaliações e digitar as notas dos cinco primeiros anos. mais um hora e meia….
2h49 e estou indo para a 104…
3h56. acabei todos os primeiros.
5h51 terminei os segundos.
agora só falta corrigir as provas dos terceiros e digitar as notas. e dormir. e te responder. e não esquecer de pagar as contas: iptu, cartão, luz. agendar dentista, urgente. quarta-feira ir no posto. comprar ração para os gatos. e granola pra mim. e sentar para pensar bem as atividades do segundo bimestre. comprar caderno novo e registrar tudo. nunca mais deixar assim.
***
POST PUBLICO, MAS EM MODO DE EDIÇÃO AINDA…
EDITAR AQUI E TRANSCREVER AS ANOTAÇÕES FEITAS NO CADERNO (TARDE DE AULAS E NOITE DE CONSELHO DE CLASSE)
PS: A GRANDE IRONIA DO DIA – TRABALHAR COM O FILME IN TIME, TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS COMO O PREÇO DO AMANHÃ. E SER UM DIA QUE TUDO QUE FALTOU FOI TEMPO… TEMPO PARA SER. SEGUNDA, TERÇA…

gallos, noches y quintales

[seg] 1 de maio de 2017

. palavras desconectadas, lamento… um canto torto.

***

não terminei o que deveria ter terminado sábado. eu não fiz nada. qualquer coisa pesa demais. me sinto esmagado.

***

tentei traduzir, porque não encontrei a tradução. há alguns erros, mas que fique ai, para registro e para quando tiver tempo e estiver mais afiado:

No cante victoria tan trempano, no. / No mande flores al lugar de lo enemigo, / las lágrimas de los jóvenes / Son fuertes como un secreto: / Se puede resucitar un mal antiguo. // Y todo debería haber cambiado, sí, / Por el trabajo que hicimos tú y yo. / Mas el dinero es cruel y un viento fuerte / llevo los amigos muy lejos de las marchas y de las ruedas de boliche / y aquella esperanza de jóvenes no se cumplio, / y aquella esperanza de jóvenes no se cumplio, no, no. // Nuestra cancion aun siegue siendo nuestro modo de vivir / Y el destino se ha hecho siempre por mi mano. / Te vi, converse con amigos alrededor de mi mesa / sin dejar que a mi cigarro lo apagara la tristeza. / – Siempre día de ironia en mi corazón. / – Siempre día de ironia en mi corazón. // Estuvo conversando com mi novia e dije así: / – Dificil de saber qué va a pasar. / Doi gracias a la vida / A lo enemigo lo conozco ./ Sé su nombre, su ……., se donde vive, su residencia / La voz resiste. El canto insiste: Usted escucharan / La voz resiste. El canto insiste: que viven lo verá¹

***

ESCREVER MAIS AQUI. EDITAR.

_________________________________________________________notas de rodapé.

¹O Disco Eldorado foi gravado em 1992 com Eduardo Larbanois e Mario Carrero, dois grandes músicos da Música Popular Uruguaia.

01 – La vida es sueño
02 – 1992
03 – No lleve flores
04 – Donde esta mi corazón
05 – Gallos, noches y quintales
06 – La hora del almuerzo
07 – Como nuestros padres
08 – Ouro de tolo
09 – Ploft
10 – Beijo molhado
11 – Tudo outra vez
12 – Comentário a respeito de Jhon
13 – A palo seco
14 – Apenaz um rapaz latino americano

***

e quanto mais ouço belchior…

mas minha dor fica grave…

Eu tenho medo e medo está por fora / O medo anda por dentro do teu coração / Eu tenho medo de que chegue a hora / Em que eu precise entrar no avião / Eu tenho medo de abrir a porta / Que dá pro sertão da minha solidão / Apertar o botão: cidade morta / Placa torta indicando a contramão / Faca de ponta e meu punhal que corta / E o fantasma escondido no porão / Medo, medo. medo, medo, medo, medo. // Pequeno Mapa do Tempo // Belchior

 

%d blogueiros gostam disto: