Archive for setembro, 2018

prepárame la cena

[sex] 28 de setembro de 2018

Prepárame La Cena // Composição: Eduardo Cabra e René Pérez // Artista: Calle 13 / Álbum: Entren Los Que Quieran // no soy un número, ni parte de una cifra / aunque se paga por igual la misma tarifa / todos caminamos con la misma camisa / sin prisa, para mirar donde se pisa / no vale el tiempo pero valen las memorias / no se cuentan los segundos, se cuentan historias / la paciencia es lo que se cosecha / mi calendario no tiene fecha / no estoy solo, ando con mis cinco sentidos / acá el silencio se convierte en sonido / todo lo malo que soñé, lo toqué // pero esta tan oscuro que el miedo no se ve / yo me huelo lo que siento por eso presiento / que dentro del circuito me queda poco tiempo / en el próximo tren yo me monto / prepárame la cena que regreso pronto (5x) / yo miro para afuera y miro para adentro / la reclusión es mi punto de encuentro / me ubican dentro de lo marginal / pero en algún momento todos nos portamos mal / y quien determina lo bueno y lo malo / lo poco saludable y lo sano / de lo crudo a lo cocido hay una larga diferencia / y cocinar termino medio no es ninguna ciencia / en esta vida me castigaste / me robaste el tiempo, me recagaste / mi culpabilidad es como una pecera vacía / como juzgar al sol por salir de día / si mis tristezas te causan alegrías / es por que tus reglas son distintas a las mías / creo en todo lo que veo / y aunque soy ateo, rezo pa? que nunca me pase algo feo / para soñar con mi partida y con tu llegada / no me hace falta un matre con almohada / yo soy libre por que desde aquí yo vuelo / solo toca despegarse del suelo // prepárame la cena que regreso pronto (4x) //
***
quinta foi a exaustão.
revisão – reposição – prova (manhã, tarde e noite na escola)
***

mtoto anafika

[qui] 27 de setembro de 2018

já é quinta-feira (27). mas falo sobre a quarta-feira (26).

chá de cidreira para dormir.

nesta quarta-feira, experiencie uma sensação que há um bom tempo não experimentava… quase vomitei de tanto nervoso… fiquei imobilizado a manhã inteira, faltei ao trabalho pela tarde, li as pressas as anotações já feitas e os pedaços de textos que faltavam… e fui lá e fiz a prova, bem mal feita, mas fiz.

sentia uma dor imensa no coração… um negócio físico. mas depois que entreguei… misto de alívio e daquela vontade de: não deixe isto acontecer novamente… vai, se esforça um pouco… se organiza, que tudo vai dar certo.

e depois aula da roberta… sobre morfemas e nas digressões… don’t sleep there are snakesde Daniel Everett

o título é Swahili «a criança chegou».

eu gosto das aulas da roberta.

[agora são 02h17 ]

 

 

você consegue?!

[qua] 26 de setembro de 2018

«Quando refletimos sobre a Natureza em geral, ou sobre a história da humanidade, ou sobre nossa própria atividade intelectual, vemos em primeiro lugar a imagem de um incessante emaranhado de relações e reações, de permutações e combinações, nas quais nada permanece o-quê, onde e como era, mas nas quais tudo se move, toma forma e passa. Vemos portanto em primeiro plano a imagem de um todo, com suas partes ainda mais ou menos mantidas ao fundo; observamos os movimentos, as transições, as conexões, em vez das das coisas que movem e combinam e estão ligadas. Esta concepção do mundo primitivo, naif, porém intrinsecamente correta, é a mesma da filosofia grega antiga, e foi formulada pela primeira vez com clareza por Heráclito: tudo é e não é, porque tudo é fluido, está constantemente mudando, constantemente tomando forma e passando.» Friedrich Engels (Anti-Dürhring)

o texto acima, foi a primeira imagem que me apareceu ontem, depois do cochilo que dei pela manhã. uma velha amiga deve estar a ler o livro de Shulamith Firestone – A Dialética do Sexo.

***

e eu estou com uma revolta na altura do estômago… tenho ânsia… fico dando voltas e mais voltas e não saio do lugar… não comecei a estudar para a prova desta quarta-feira.

joguei fora cinco dias… agora só falta meio. e há textos que nem li ainda…

por quê?

***

Poema em Linha Reta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada. 
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo. 
E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil, 
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita, 
Indesculpavelmente sujo. 
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho, 
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo, 
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas, 
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante, 
Que tenho sofrido enxovalhos e calado, 
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda; 
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel, 
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes, 
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar, 
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado 
Para fora da possibilidade do soco; 
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas, 
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo 
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho, 
Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana 
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia; 
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia! 
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam. 
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil? 
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses! 
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado, 
Podem ter sido traídos – mas ridículos nunca! 
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído, 
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear? 
Eu, que venho sido vil, literalmente vil, 
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

é uma composição que Fernando Pessoa assinou com o seu heterônimo Álvaro de Campos

***

insônia

[ter] 25 de setembro de 2018

insônia

aula logo mais… prova amanhã. faltei ontem. não fiz nada nos últimos três dias e meio… tudo desorganizado. rolo na cama de um lado para o outro. ansiedade só aumenta…

é esse calor infernal que chega com a primavera. é a estupidez alheia, fascista… e a necessidade de deixar claro #elenão

pidgins e criolos

[seg] 24 de setembro de 2018

eu faltei hoje. fiquei dormindo.

mas tinha apresentação sobre:

Pidgins and Creoles: an introduction, de Jacques Arends, Pieter Muysken & Norval Smith, 1994

***

AnticriouloHildo Honório do Couto

A hipótese da relexificação na gênese dos crioulos e pidgins

plástico

[dom] 23 de setembro de 2018

Plástico

Já é hora de voltar à internet, puxe os cabos.
#precisamosdespertar.
Se não WWW vamos destruir o espaço, saia da frente da tela.
Toneladas de materiais registrados como peças de refugo
chegam em Gana, África Hi-tec de resíduos.
As calotas de glitter e de sucata não afetam em nada o ecossistema, só o ego sistema dos nossos fotógrafos.
O novo ébano vem com tétano, a realidade ainda vai explodir
Em um breakout o tsunami de glith
A máquina versus homem
Já estamos testando uber sem motorista
Aumenta a procura por comida 3D
Manifestantes segurando suas placas de led
Com escritos do tipo, o Facebook é um lixo radioativo
Como a Samsung vem dizimando os coreanos com fabricação de seus aparelhos, oitocentos bitcoins por ano
É a era do plástico
Empreiteiras com propostas de construções feitas de poliestileno, perfeitas ao padrão da Vênus de Milo
Anúncios e outdoors, diversos sorrisos, ali eu não encontro um rosto chileno.
É carnaval no Brasil, e tome mais glitter no corpo, esta tudo indo pro esgoto parando dentro do estômago de um peixe contaminado por estanho
E isso e só um asterisco em uma extensa grade de assuntos que me deixam muito esquisito
E eu não sei se você também fica estranho com a grande quantidade de agua potável que se gasta com descarga e banho.
Não deixem proibir o plantio de árvores em casa
Você pode produzir o seu próprio oxigênio
O futuro é lindo com um pássaro sem asas,
O nosso futuro será lindo como um arco-íris que se forma na poça de uma água suja de óleo
O futuro é um jovem maníaco viciado em videogames
O futuro já foi e continua sendo,
O futuro é uma criança com medo de nós
O futuro é uma criança com medo de nós

Estamos sendo diagnosticados com déficit de atenção e hiperatividade, por não conseguir dormir a noite após a refeição de arroz, feijão e Coca-Cola.
As crianças e as abelhas estão viciadas em refrigerantes,
Deem meu lugar a uma gestante, ali ela carrega a esperança de um mundo melhor.

Composição: Edgar

o que a gente quer dizer nem sempre é o que a gente diz

[qua] 19 de setembro de 2018

As palavras negativas ou n-words

Mímesis: a tinta como pele histórica

O Poder da Arte – Caravaggio

David_with_the_Head_of_Goliath-Caravaggio_(1610).jpg

***

preciso apenas controlar a ansiedade. deixar rolar…

 

soma não zero

[dom] 16 de setembro de 2018

a chegada (2016), de denis villeneuve.

e a hipótese sapir-whorf

replicante

[sáb] 15 de setembro de 2018

sessão dupla de blade runner… (o do Ridley Scott de 1982 e o de Denis Villeneuve de 2017).

ganhei o sábado de chuva.

foi dia de duplicar a dose.

*

vendo o livro do jonathan, lembrei do glaucus atlanticus… passei meses tentando lembrar o nome para dizer para ele… nessa semana veio do nada: dragão azul. e hoje, apareceu na linha do tempo…

coincidência/sintonia?!

23175230616437

incendies

[qua] 12 de setembro de 2018

Incêndios/Incendies
De Denis Villeneuve, Canadá-França, 2010
Com Lubna Azabal (Nawal Marwan), Mélissa Désormeaux-Poulin (Jeanne Marwan), Maxim Gaudette (Simon Marwan), e Rémy Girard (Jean Lebel), Abdelghafour Elaaziz (Abou Tarek), Allen Altman (notário Maddad), Mohammed Majd (Chamseddine), Nabil Sawalha (Fahim), Baya Belal (Maïka)
Roteiro Denis Villeneuve
Baseado na peça de Wajdi Mouawad
Fotografia André Turpin
Música Grégoire Hetzel
Montagem Monique Dartonne

..

um tour pelo ufsc, com a filha… comemos broa de amendoim, hamburguer hare, e pastel com caldo de cana na feirinha, visitamos o cfh, e encontro vestígios gráfico-arqueológicos de um outro eu… e fechamos no cce, onde minha filha participa da primeira aula universitária dela.

foi um dia cansativo, mas tivemos um momento de paz.

 

%d blogueiros gostam disto: