depois da queda, o coice

2018, outubro 21, domingo

ontem eu cai. bati o peito, amassei a mão, ralei o joelho, e arranquei metade da pele do dedão do pé esquerdo. dei um grito de medo e assustei todo mundo…

mas estou bem.

e não fiz nada, não respondi ninguém… apenas mediquei-me e dormi.

***

Depois da queda, o coice
o selo do castigo
pra uns só traz a foice
pra outros traz alívio
dançando toda noite
bem rente ao precipício
depois de tanto açoite
a dor virou teu vício
E levou tuas palavras
palavrões não almofadas
como os que preferem Gil e Brown
no momento em que se dança
até onde a vista alcança
já não se vê bem nem mal
And all there is to say: “Hey, na, na, na!”
depois da noite o sonho
na luz de um outro dia
sem peso algum no bolso
nenhuma garantia
sorrindo a contragosto
e a história é repetida 
nas marcas do teu rosto
nas voltas de tua vida
que levou tuas palavras
palavrões não almofadas… etc.
Compositor: Herbert Lemos De Souza Vianna

***

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: