Archive for novembro, 2018

olhos de azeviche…

2018, novembro 30, sexta-feira

duas e cinquenta. tenho os relatórios por fazer e ainda definir que tipo de avaliação farei… e estou aqui brincando de fazer isto:  «rato de biblioteca»

***

Olhos de Azeviche – Clementina de Jesus

Olhos de azeviche: «A coletânea Olhos de azeviche traz dez escritoras que estão renovando a literatura brasileira, cuja escrita apresentamos mobilizados por reduzir o abismo que ainda há entre a quantidade e a diversidade das escritoras negras brasileiras contemporâneas e os espaços de divulgação e circulação dos seus textos. A obra representa mais um movimento da Editora Malê para incrementar a visibilidade das escritoras e dos escritores da literatura negra (negro-brasileira/afro-brasileira), propondo que a literatura se enriqueça em diversidade cultural. »

***

«É difícil ser consciente com os olhos através dos quais olhamos» (Benedict, 2002)

«O Crisântemo e a Espada – Padrões da Cultura Japonesa» de Ruth Benedict

o umbigo da lua (e narciso)

2018, novembro 29, quinta-feira

perdi-me neste labirinto. percebi uma certa conexão entre as três imagens aleatórias: um exoesqueleto alado de borboleta… uma folha seca do cafeeiro… um esqueleto de laboratório.

o quão tóxico sou?

acordei mal. sentindo-me mal. faltei pela manhã. não queria encontrar as pessoas… não queria ver gente.

***

o eu como reconhecimento… a imagem simboliza o próprio eu.

o eu é uma estrutura dual («pois eu é um outro»… um duplo de si mesmo, parceiro, simbólico).

subprodutos:

o eu ideal, aquilo que está por trás de todas as nossas máscaras? a solução imaginária.

o ideal de eu, instância simbólica… ser como x para desejar y.. ideais que nos regulam

***

«O déficit habitacional é a medida oficial utilizada para medir o problema da moradia no país. O Brasil em 2007 tinha 5,8 milhões de domicílios em déficit. Depois do maior crescimento da indústria imobiliária do país, o déficit aumentou para 6,3 milhões. O Chile não é diferente. Divulgado como o mercado imobiliário mais potente da América Latina o déficit habitacional no país se mantém em 2017 igual ao de 20 anos atrás. De outro lado, o Brasil possuía 7,9 milhões de imóveis desocupados e o Chile também apresenta duas vezes mais imóveis desocupados que o déficit. O problema, portanto, não é de déficit, de incapacidade produtiva ou de falta de moradias, mas de exclusão. O que temos é uma superprodução imobiliária excludente e que a maior parte das políticas apenas aprofunda. Em síntese: muita gente sem casa e muita casa sem gente». Vitor Hugo Tonin

Carrano – O bicho que nasceu para a eternidade (Direção Willian Ceará)

***

Qual a origem dos nomes dos países da América Latina?

mētztli é lua, xictli é centro e co é lugar.

e sobre a pareidolia:

«é melhor acender uma vela do que praguejar contra a escuridão». Adágio

«Os humanos, como outros primatas, são um bando gregário. Gostamos da companhia uns dos outros. Somos mamíferos, e o cuidado dos pais com o filho é essencial para a continuação das linhas hereditárias. Os pais sorriem para a criança, a criança retribui o sorriso, e com isso se forja ou se fortalece um laço. Assim que o bebê consegue ver, ele reconhece faces, e sabemos agora que essa habilidade está instalada permanentemente em nossos cérebros. Os bebês que há 1 milhão de anos eram incapazes de reconhecer um rosto retribuíam menos sorrisos, eram menos inclinados a conquistar o coração dos pais e tinham menos chance de sobreviver. Nos dias de hoje, quase todos os bebês identificam rapidamente uma face humana e respondem com um sorriso bobo.

Como um efeito colateral inadvertido, o mecanismo de reconhecimento de padrões em nossos cérebros é tão eficiente em descobrir uma face em meio a muitos outros pormenores que às vezes vemos faces onde elas não existem. Reunimos pedaços desconectados de luz e sombra, e inconscientemente tentamos ver uma face.» Sagan, Carl (1995). The Demon-Haunted World – Science as a Candle in the Dark (O Mundo Assombrado pelos Demônios). New York: Random House

mito da democracia racial, raça e classe

2018, novembro 28, quarta-feira

_ab576d41a659eac7700c2cb9fb8059d7e37bcda7«Temos que deixar de descrever sempre os efeitos do poder em termos negativos: ‘ele exclui’, ele ‘reprime’ ele ‘recalca’, ele ‘censura’, ele ‘abstrai’, ele ‘mascara’, ele ‘esconde’. Na verdade o poder produz; ele produz realidade; produz campos de objetos e rituais da verdade. O indivíduo e o conhecimento que dele se pode ter se originam nessa produção».
Michel Foucault em Vigiar e punir, p. 161.

*

e pela manhã… o alpendre ganhou forma, com a telha de policarbonato ondulada translucida. a casa e seus contornos segue.

pela tarde… aula dada, um ponte articulando… (silvio de almeida, jesse souza, pierre bourdieu, florestan fernandes...

e pela noite… um breja com o velho, um ronco no sofá… e um cansaço, ainda sem ter claro o que farei amanhã cedo… pensando em mudar os planos, adaptar…

nota: para ler depois -> rompendo barreiras: relações entre capital cultural e consciência racial, de maria rita py dutra