o deserto dos meus olhos

[dom] 11 de novembro de 2018

eu paralisei. meu peito anda pesado. insisto em ser triste e vago.

ainda estou doente.

e amanhã tem prova e eu não consigo estudar. nem consigo sentar e corrigir/planejar as atividades docentes. essa ansiedade toda tem me paralisado…

***

abaixo uma colagem de referências sobre imagem e palavras

na semana que passou usei fragmentos deste programa [imagem da palavra] em sala de aula:

ontem vi words and pictures

e as primeiras palavras que li hoje, foram:

«Por que cegamos, não sei, talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso, diz, Penso que não cegamos, penso que estamos cegos, cegos que vêem, cegos que vendo, não vêem».
«O medo cega (…) são palavras certas, já éramos cegos no momento em que cegamos, o medo nos cegou, o medo nos fará continuar cegos (…) Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara». José Saramago.

***

o que me fez lembrar de uma passagem do filme kasper hauser

«Vejo uma caravana que vem pelo deserto atravessando a areia, guiada por um velho berbere. E este velho é cego. A caravana parou, alguns acreditam que eles se perderam, pois se depararam com as montanhas. Eles não conseguem seguir a bússola. Então o guia cego pega um punhado de areia e a come, como se fosse uma comida. ‘Meus filhos’, diz o cego, vocês estão errados, isto diante de nós não são montanhas, e sim , apenas sua imaginação. Prosseguiremos para o norte’. E então, sem discutirem, eles prosseguiram adiante e chegaram na cidade. E lá a história continua. Mas a história nesta cidade, eu não sei. Eu agradeço por terem ouvida minha história. Estou cansado agora» (Werner Herzog)

e na busca pelo filme, acabei no excelente vídeo abaixo [«o espaço nos fala», do canal prelúdios de Leon Idris Azevedo] e anotei aqui, porque, coincidência, mês passado, em sala, quando da aula sobre foucault, conversamos sobre esse debate… Noam Chomsky & Michel Foucault – Full debate on Human Nature

[ps: o título desta postagem é de um livro que acabo de descobrir e será minha próxima aquisição/leitura… livro de Leon Idris Azevedo]

vídeo, finalizado com esse belo poema «Quintanices» de Regina Dayeh

«Segui teu conselho
abri uma janela

palavras

dançam nas ruas estreitas
pelas avenidas
grafitam nos muros
ocupam espaços
correm na areia

entre rios e pontes
entre vagas ideias
as letras as frases
escapam pulando
em cores

na boca
no sangue
na mão

chega o poema
e junto o poeta
e vem o convite,
à festa folia
brincar de poesia
os sons
toda a luz.
arejam a casa
alegram a casa
habitam em mim.»

Publicado pela Miró Editorial, em 2013.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: