há tantas coisas horríveis no homem! já por muito tempo a terra foi um hospício!

2019, abril 5, sexta-feira

04:44 ontem… o ego racionalizava as pulsões do id… primeiro era não ir, depois era ficar, ai veio o desejo de não entrar… fazer um bate-volta… e depois era voltar antes da hora… de estar só e em silêncio. mas o supergo ditava… isto é indecente, inapropriado, imoral… injusto, antiético… não será essa dor estranha no ouvido e na omoplata, nem esse vício em isolar-se… que vão te privar dessa experiência que é se aventurar… sair já é se aventurar.

troque

mas me rebelei pela noite. e agora cedo… nariz entupido, ouvido zumbindo… coluna doendo… o corpo sonolento… e peito apertado… e essa difuldade de sentar e alinhar as linhas de hoje… necessárias. 05:26

o homem gengibre… ouvido e nariz, gengibre para a otite e para a renite. unguento e repouso.

***

excerto do texto: O NASCIMENTO DA FALTA E DA CULPA, por  RAFAEL TRINDADE. Leia na íntegra no excelente sítio: https://razaoinadequada.com

«Há tantas coisas horríveis no homem!… Já por muito tempo a terra foi um hospício!…» – Nietzsche, Genealogia da Moral, Segunda dissertação, §23

Por outro lado – como se mostra afável, como se mostra afetuoso o mundo, tão logo fazemos como todo mundo e nos ‘deixamos levar’ como todo mundo!” – Nietzsche, Genealogia da Moral, Segunda dissertação, §24

Mas não! Queremos seguir outros caminhos! O filósofo de Sils Maria nos oferece essa possibilidade. Aliás, a filosofia de Nietzsche é um convite a deixar o terreno da má consciência e da culpa! Estamos cansados de nos comportar como dóceis ovelhinhas! Estamos exaustos de sermos calculáveis e previsíveis! Nosso primeiro passo é para trás, no sentido de suspender estes reflexos de submissão que tomaram conta de nós. Estamos fartos de nossa própria mansidão e benevolência! Estamos com os joelhos esfolados de tanto nos ajoelhar e pedir perdão por pecados que desconhecemos! Estamos exauridos pelas acusações de imperfeição e blasfêmias! Estamos cansado… simplesmente cansados… queremos viver de outra maneira.

«Teríamos contra nós precisamente os homens bons; e também, é claro, os cômodos, o conciliados, os vãos, os sentimentais, os cansados…» – Nietzsche, Genealogia da Moral, Segunda dissertação, §24

12:18 e já está claro o que farei pela tarde. ou melhor, o que não farei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: