Archive for the '24' Category

go, blvesman, go…

[sáb] 24 de novembro de 2018

meia madrugada (três). o bairro enfim dorme (alguém acabou de desligar o som). devia estar dormindo (estou cafeinado).

estou sentindo aquele gosto amargo de quem não entendeu nada.

«Durante toda a sua vida, estudara o universo, mas desprezara sua mais clara mensagem: para criaturas pequenas como nós, a vastidão só é suportável através do amor.» Carl Sagan – No livro Contato, de 1985

***

entenda…

“BLUESMAN”
Baco Exu do Blues

1903.

A primeira vez que um homem branco observou um homem negro, não como um um “animal” agressivo ou força braçal desprovida de inteligência. Desta vez percebe-se o talento, a criatividade, a MÚSICA! O mundo branco nunca havia sentido algo como o “blues”.
Um negro, um violão e um canivete. Nasce na luta pela vida, nasce forte, nasce pungente. Pela real necessidade de existir!

O que é ser “Bluesman”?

É ser o inverso do que os “outros” pensam. É ser contra corrente, ser a própria força, a sua própria raiz. É saber que nunca fomos uma reprodução automática da imagem submissa que foi criada por eles.

Foda-se a imagem que vocês criaram.

Não sou legível. Não sou entendível.

Sou meu próprio deus.
Sou meu próprio santo. Meu próprio poeta.

Me olhe como uma tela preta, de um único pintor.
Só eu posso fazer minha arte. Só eu posso me descrever.

Vocês não têm esse direito.

Não sou obrigado a ser o que vocês esperam! Somos muito mais!

Se você não se enquadra ao que esperam…
Você é um “Bluesman”.

Diretor: Douglas Ratzlaff Bernardt Roteiro: Baco Exu do Blues, Douglas Ratzlaff Bernardt, Christiano Vellutini, Lucas Andrade, Hugo Veiga, Diego Machado, Renato Zandoná, Paula Santana, Beatriz Durlo Diretor de Fotografia: Lucas Oliveira

***

Chuck Berry – Johnny B. Goode (Live 1958)

Deep down in Louisiana, close to New Orleans / Way back up in the woods among the evergreens / There stood a log cabin made of earth and wood / Where lived a country boy named Johnny B. Goode / Who never ever learned to read or write so well / But he could play a guitar just like a-ringin’ a bell / Go, go, go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Johnny B. Goode // He used to carry his guitar in a gunny sack / Go sit beneath the tree by the railroad track / Oh, the engineers would see him sittin’ in the shade / Strummin’ with the rhythm that the drivers made / People passing by they would stop and say / Oh my, but that little country boy can play / Go, go, go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Go, Johnny, go, go / Johnny B. Goode // His mother told him: Some day you will be a man / And you will be the leader of a big old band / Many people comin’ from miles around / To hear you play your music ‘till the sun go down / Maybe someday your name will be in lights / Sayin’: Johnny B. Goode tonight // Go, go, go, Johnny, go / Go, go, go, Johnny, go / Go, go, go, Johnny, go / Go, go, go, Johnny, go / Go, Johnny B. Goode

ou pior

[qua] 24 de outubro de 2018

hoje seria uma dia para contar vitória… do ir, do improviso, do bate-papo… mas foi só um dia de muito auto-conversa… e cansaço. vontade de ficar dormindo. é uma tristeza.

«queria ser como os outros e rir das desgraças da vida ou fingir estar sempre bem ver a leveza das coisas com humor… mas não me diga isso… é só hoje e isso passa só me deixe aqui quieto isso passa amanhã é um outro dia não é?… eu nem sei porque me sinto assim vem de repente um anjo triste perto de mim…» Renato Russo.

***

«ou você encara a castração, a tragédia humana, a miséria naquilo que ela tem de real… ou você vai ficar com o pior». Christian Dunker

notas das aulas de Dunker

experiência -> novo ato psíquico

autoerotismo [as pulsões tendem sua livre satisfação] -> fase narcisística [lacan -> intuição/nova identificação com a imagem 1) seu espelho é outro 2) transitivismo quem vê/visto desorientação do eu 3) simbolização eu como reconhecimento imagem simboliza o eu um eu dual que fala/escuta eu é o outro no duplo sentido duplo de si mesmo o eu ideal como solução imaginária a imagem que nós produzimos e o ideal de eu para ser como x para desejar alguém como ideais simbólicos -> amor de objeto [amar e escolher o outro como uma totalidade]

frustração/privação/castração

três casos da função da falta -> três tempos do complexo de édipo -> noção de falta [melaine klein 1) esquisoparanóide -> cinde/projeta/retorna persecutoriamente sobre nós 2) depressiva -> integra as partes fragmentas perda e simbolização] o estatuto de objeto/a falta de objeto/subjetivada pela criança/ [lacan 1) frustração -> falta no imaginário -> falta da mãe simbólica -> eu sei o que está me faltando 2) privação -> falta do pai imaginário -> ele tem limite -> deslocamento do supremo poder /pai autoritário/ -> fobias -> eu não sei exatamente o que me falta -> eu não sei do que é composto esse objeto que dá suporte a minha falta > associação da privação com a angústia -> neurótico aderido a esse objeto -> ela engendra novas relações com o mundo -> o que é minha fantasia/imaginário e o que é dado/real 3) castração – metáfora com o nome do pai -> a falta é operador dos desejos humanos enquanto troca -> a falta permite que o desejo se desloque -> que não se afunde num objeto -> não se aliene nos desejos do outro -> perdi estes objetos… este pai esta mãe eu perdi o eu ideal, mas ganhei o ideal de eu -> eu levo as experiências reguladoras do meu desejo -> a instalação de uma lei interior -> superego /patológica/ -> 

herança transgeracional -> relações com o outro -> tanto a linguagem quanto aqueles que encarnam a linguagem mas também nossos ancestrais -> o outro é um categoria comporta uma genealogia -> discursos culturais, mitos familiares.

falta/vazio/nada

três categorias do negativo -> ’60 lacan -> teoria da castração freud -> falta -> conceito de falo -> operador geral -> desejo humano -> o desejo se move por sua relação com a falta -> desejo do outro e o que faz falta no outro -> trocas simbólicas -> trocas metafóricas/trocas metonímicas/trocas fazem a dialetização do desejo com a demanda/ o que peço/o que eu quero naquilo que eu peço/dialetização entre o desejo e o amor/ a dialetização ou fracasso da dialetização entre desejo e gozo -> falta no imaginário = frustração = o outro tem [objetivo positivo] e o outro me interdita [porque não me me ama ou não me quer] -> privação – falta no real -> eu estou privado de asas -> as asas nunca me foram dadas -> falta simbólica = castração -> falta que sintetiza ausência e presença -> que socializa meu desejo -> que produz objetos imaginários -> mas enquanto tal são vetorizadas… 

lacan -> nada… action out -> objetos da pulsão -> objeto nada. processos de sublimação -> nada não é falta -> é a negação / é a oposição real a falta / esse nada ocupa uma função na teoria lógica Frege -> nada original -> em homologia com os números naturais.

lacan -> nem o que falta nem o nada -> terceira categoria -> o vazio é essa experiência sem o objeto -> transferência sem objeto -> vazio -> teoria dos infinitos -> sans blanc -> experiência entre a falta e o nada -> vazio.

pidgins e criolos

[seg] 24 de setembro de 2018

eu faltei hoje. fiquei dormindo.

mas tinha apresentação sobre:

Pidgins and Creoles: an introduction, de Jacques Arends, Pieter Muysken & Norval Smith, 1994

***

AnticriouloHildo Honório do Couto

A hipótese da relexificação na gênese dos crioulos e pidgins

i’m a cave man

[sex] 24 de agosto de 2018

Homem Primata / Titãs /// Desde os primórdios / Até hoje em dia / O homem ainda faz o que o macaco fazia / Eu não trabalhava, eu não sabia / Que o homem criava e também destruía / Homem primata / Capitalismo selvagem / Ô ô ô / Eu aprendi / A vida é um jogo / Cada um por si / E Deus contra todos / Você vai morrer e não vai pro céu / É bom aprender, a vida é cruel / Homem primata / Capitalismo selvagem / Ô ô ô / Eu me perdi na selva de pedra / Eu me perdi, eu me perdi / I’m a cave man / A young man / I fight with my hands / With my hands / I’m a jungle man, a monkey man / Concrete jungle! / Concrete jungle! // Compositores: Ciro Pessoa Mendes Correa / Jose Fernando Gomes Dos Reis / Marcelo Fromer / Sergio De Britto Alvares Affonso

***

1h31 ontem, faltei, dormi até uma da tarde, tomei banho de sol de uma hora, enquanto mateava, recebi visita, me senti melhor, e no final da noite até caminhei um km, ouvi jorge drexler, com seu 12 segundos de oscuridad antes de ganhar duas caronas seguidas.

estoque de serotonina reabastecido o suficiente para me deixar mais agitado…

***

01h38

Marx e Engels (1980, p.25):

A produção de idéias, de representações e da consciência está em primeiro lugar direta e intimamente ligada à atividade material e ao comércio material dos homens; é a linguagem da vida real. As representações, o pensamento, o intercâmbio intelectual dos homens surge aqui como emanação direta de seu comportamento material.

03h03 -> coruja canta lá fora… Leio David Harley.

4h11… eis que leio… A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.

4h24… levantar em 1 hora.

 

tem coisa que só sai da gente por escrito

[qui] 24 de maio de 2018

coisa_que-1

alguém fotografou isto [um lambe-lambe].

mas hoje nada.

nenhuma palavra.

reescrever.

em contagem regressiva.

nada para dizer.

falo demais.

cansaço.

ando sem horários.

***

«eu que não amo você, envelheci dez anos ou mais nesse último mês. eu que não bebo, pedi um conhaque pra enfrentar o inverno que entra pela porta que você deixou aberta ao sair. o certo é que eu dancei sem querer dançar e agora já nem sei qual é o meu lugar… dia e noite sem parar, procurei sem encontrar a palavra certa, a hora certa de voltar, a porta aberta, a hora certa de chegar…» eu que não amo você. composição: humberto gessinger

a primeira veio do nada, como uma frase que a gente lembra de parte, sem saber exatamente de onde ou quando… veio quando eu rolava na cama, antes de dormir.

a segunda veio como um link… e tem um belo poema, e é lenine.

«Saudade é um lindo bicho
Que no escuro se orienta
Que da fome se alimenta
Que tem a dor por capricho
E só quando dói alenta

Saudade é um bicho estranho
De natureza selvagem
Porém de fina engrenagem

Crescendo a perder tamanho
Vê-se minguar de coragem

Enquanto verso a saudade
O bicho, feito quimera
Partido pela metade
Meu coração acelera
O mudo rugir da fera
É quem impõe sem piedade
O meu compasso de espera

Saudade é um bicho grande
Muito maior do que eu penso
Quão mais se expande, mais denso
Quão mais denso, mais se expande
Saudade é um bicho imenso» bicho saudade, composição de João Cavalcanti e Lenine

bat macumba obá, miss marvel e o gato de schrödinger

[ter] 24 de abril de 2018

apontamentos da madrugada

Triste, Louca Ou Má

[Francisco, El Hombre]

Triste louca ou má / Será qualificada / Ela quem recusar / Seguir receita tal / A receita cultural / Do marido, da família / Cuida, cuida da rotina / Só mesmo rejeita / Bem conhecida receita / Quem não sem dores / Aceita que tudo deve mudar / Que um homem não te define / Sua casa não te define / Sua carne não te define / Você é seu próprio lar / Um homem não te define / Sua casa não te define / Sua carne não te define / Ela desatinou / Desatou nós / Vai viver só / Ela desatinou / Desatou nós / Vai viver só / Eu não me vejo na palavra / Fêmea: Alvo de caça / Conformada vítima / Prefiro queimar o mapa / Traçar de novo a estrada / Ver cores nas cinzas / E a vida reinventar / E um homem não me define / Minha casa não me define / Minha carne não me define / Eu sou meu próprio lar / Ela desatinou / Desatou nós / Vai viver só / Composição: Juliana Strassacapa***

Miss Marvel | E a violência quando se trata de representatividade

Excelente!!! Quadro em Branco, canal de Henrique Jacks e Otavio Oliveira. Ou ainda este… Nietzsche | Realidade e a Mecânica Quântica

***

Os Mutantes – Bat Macumba (1969) ou Gilberto Gil e Mutantes – Batmacumba

Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba oh
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba
Bat Macumba ê ê, Bat Macum
Bat Macumba ê ê, Batman
Bat Macumba ê ê, Bat
Bat Macumba ê ê, Ba
Bat Macumba ê ê
Bat Macumba ê
Bat Macumba
Bat Macum
Batman
Bat
Ba
Bat
Bat Ma
Bat Macum
Bat Macumba
Bat Macumba ê
Bat Macumba ê ê
Bat Macumba ê ê, Ba
Bat Macumba ê ê, Bat
Bat Macumba ê ê, Batman
Bat Macumba ê ê, Bat Macum
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba oh
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Bat Macumba ê ê, Bat Macumba obá
Compositores: Caetano Emmanuel Viana Teles Veloso / Gilberto Moreira

 

quadro verde

[sáb] 24 de março de 2018

#1770 (é esse…)

Mas alguém, algum ser humano,
poderá escalar o céu?
Mas alguém, algum ser humano,
poderá vencer a morte?
Só os deuses vivem eternamente
ao lado do glorioso Shamash
Nós, homens – pobres mortais
Temos nossos dias bem contados
Só podemos falar vento
Só podemos agir vento
Só podemos empreender ventos!
(Gilgamesh)

 

«Daqui de dentro o sol é pouco Eu berro Pinturas velhas não renovam mais Meu ar Vem me acalma Traz os discos Fica O que eu preciso é me esquecer Me conta mais de você Esse sorriso é grande ajuda Fica Estende o braço e me aponta Pra onde eu vou (…)» Rubel. Quadro Verde.

***

112 palavras. Salvo há poucos segundos.

trouble sleep yanga wake am

[sáb] 24 de fevereiro de 2018

Title: Trouble Sleep Yanga Wake AM Artist: Fela Kuti Album: Roforofo Fight / The Fela Singles Label: Wrasse CD Release: 2001 (Roforofo Fight album originally released in 1972)

When trouble sleep / Yanga go wake am / Waking him dey find  / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o)  / Palaver, he go get  / Palaver / When cat sleep / Rat go bite him tail / Waking him dey find / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver / Tenant lost him job / Him sit down for house / Him dey think of job /
Mr. landord come wake am up / He say, “mister, pay me your rent”  / Waking him dey find  / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver / My friend just come from prison / Him dey look for work / Waka waka day and night / Police man come stop am for road / He say, “mister, I charge you for wandering”  / Waking him dey find  / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver / Mr. husband marry for church / He make big party / Then he start to spra / Because him love him wife / Him say, “wife come run away”  / Bank manager run come / He say, “mister, pay me your debt”  / Waking him dey find, for lagos e-o  / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver / When trouble sleep / Yanga go wake am / Waking him dey find  / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver, he go get-e o / When cat sleep / Rat go bite him tail / Waking him dey find / Palaver, he dey find  / Palaver, he go get-e o  / Palaver, he go get  / Palaver, he go get e-o / Ra ra-ra ra
***
choveu. e concretamos a parte final da laje.

congresso internacional do medo

[qua] 24 de janeiro de 2018

Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio porque esse não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte, depois morreremos
de medo e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas.

Carlos Drummond de Andrade, no livro “Sentimento do Mundo”. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1940.

IMG_0303

remoção

[sex] 24 de novembro de 2017

olheiras monstro. semana de seminários e fechamento de notas… e dia de inscrever-se no concurso de remoção… correria. e no mais… ?

%d blogueiros gostam disto: