Archive for the 'Álbum' Category

viajera

2019, janeiro 27, domingo

passarela

ontem, tive uma tarde boa. de aprendizagem…

hoje acordei pensando: a lição, meu bem, é que todos temos medo… estamos todos quase o tempo todo morrendo de medo, e mesmo quando não entendemos… é apenas medo.

quais e quantos são os meus medos?

***

não exija do outro. os deuses e as miragens são apenas deles… cabe a você apenas não submergir em seus medos, aos seus demônios… veja, esteja com eles, e não neles. isso , sabe, desnudar, cortejar a insanidade até ver que não há nada sólido… apenas a bruma do tempo. apenas o estado passageiro.

***

e seus pequenos passatempos…

Malena Muyala / Viajera

1. Pasos 00:00 // Vamos por un camino añejo / Somos almas que lleva el tiempo / Sombras cargando su pasado / Siembra de los que no han estado / Pasará, pasará / Deja que te susurre el viento / Viaja sin pena ni lamento / Todo lo que creí perdido, labra las huellas del destino / Pasará, pasará / Pasamanos / Pasatiempo / Pasacalles / Paso yo / Pasa el sueño y la vigilia / Pasa el tiempo del perdón / Pasan padres / Pasan vidas / Pasa el día del amor / Paso firme de las cosas / Que nos deja / Solos / Vidas pendiendo de la nada / Hojas de una rama cortada / Nada será lo que has vivido / Todo para entrar al olvido / Pasará, pasará / Cuando insista la memoria / Aclama por la misericordia / Diosas que se venden al peso / Reptan en un mercado inmenso / Pasará, pasará / Pasamanos / Pasatiempo / Pasacalles / Paso yo / Sin saber lo que nos pasa / Pasa el tren de la ocasión / Pasan padres / Pasan vidas / Pasa el día del amor / Pasa entra y no te quedes / Pasará lo que pasó / Cuando la luz se haya apagado / Solo llevar es tu cansancio / Humanos tejiendo la otra historia / Esa que borra tu memoria / Pasará, pasará / Ciega la luz de lo deseado, / Barre lo tuyo y lo que has dado / Finge la muerte distraída / Compra su pasaje de ida / Pasará, pasará / Pasamanos / Pasatiempo / Pasacalles / Paso yo / Pasa el sueño y la vigilia / Pasa el tiempo del perdón / Pasan padres / Pasan vidas / Pasa el día del amor / Paso firme de las cosas / Que nos deja / Solos /// 2. Tormenta 05:22 // Enrique Santos Discépolo // ¡Aullando entre relámpagos, / perdido en la tormenta / de mi noche interminable, / ¡Dios! busco tu nombre… / No quiero que tu rayo / me enceguezca entre el horror, / porque preciso luz / para seguir… / ¿Lo que aprendí de tu mano / no sirve para vivir? / Yo siento que mi fe se tambalea, / que la gente mala, vive / ¡Dios! mejor que yo… / Si la vida es el infierno / y el honrao vive entre lágrimas, / ¿cuál es el bien… / del que lucha en nombre tuyo, / limpio, puro?… ¿para qué?… / Si hoy la infamia da el sendero / y el amor mata en tu nombre, / ¡Dios!, lo que has besao… / El seguirte es dar ventaja / y el amarte sucumbir al mal. / No quiero abandonarte, yo, / demuestra una vez sola / que el traidor no vive impune, / ¡Dios! para besarte… / Enséñame una flor / que haya nacido / del esfuerzo de seguirte, / ¡Dios! Para no odiar: / al mundo que me desprecia, / porque no aprendo a robar… / Y entonces de rodillas, / hecho sangre en los guijarros / moriré con vos, ¡feliz, Señor! /// 3. Golondrinas 08:45 // Música: Carlos Gardel. Letra: Alfredo Le Pera // Golondrinas de un solo verano / Con ansias constantes de cielos lejanos… / Alma criolla, errante y viajera, / Querer detenerla es una quimera. / Golondrinas con fiebre en las alas, / Peregrinas borrachas de emoción… / Siempre sueña con otros caminos / La brujula loca de tu corazón. / Criollita de mi pueblo, pebeta de mi barrio, / La golondrina un dia su vuelo detendra; / No habra nube en sus ojos de vagas lejanias / Y en tus brazos amantes su nido construira. / Su anhelo de distancias se aquietara en tu boca / Con la dulce fragancia de tu viejo querer… / Criollita de mi pueblo, pebeta de mi barrio, / Con las alas plegadas también yo he de volver. / En tus rutas que cruzan los mares / Florece una estela azul de cantares / Y al conjuro de nuevos paisajes / Sueña intensamente tu claro cordaje. / Con tu dulce sembrar de armonias / Tierras lejanas te vieron pasar; / Otras lunas siguieron tus huellas, / Tu solo destino es siempre volar. /// 4. Viajera 12:18 // La noche es mi compañera, / me abraza, me lleva, me deja caer / en un vaivén amanecido, llegaré a destino si te vuelvo a ver. / Viajera, / hay algo en mí que siempre espera / y va enseñando tu camino / para que sepas que aquí estoy. / Déjame / Volveré / Dónde vas? / Llévame / Viajera, / no se despide quien se queda, / se borra el cruce del olvido / y te acompaño aunque no voy. / En la curva del desvelo / destejiendo sueños me dejo llevar, / estirando algún recuerdo / acorto la distancia, te vuelvo a encontrar. / Déjame / Volveré / Dónde vas? / Llévame /// 5. La noche que te fuiste 16:05 // Música: Osmar Maderna; Letra: José María Contursi // A veces, / Cuando en sueños tu imagen aparece, / Radiante y fugaz como un rayo de sol, / Siento que tus manos entibian las mías / Trémulas y frías… ¡y hablas de tu amor! / Entonces lentamente mi espíritu adormeces, / Arrullo sutil de una vieja canción, / Aquélla que cantabas cuando tú eras mía, / Fantasma febril que se aleja burlón. / La noche que te fuiste / (más triste que ninguna) / Palideció la luna / Y se tornó más gris la soledad… / La lluvia castigando mi angustia en el cristal / Y el viento murmurando : ya no vendrá más. / La noche que te fuiste / Nevó sobre mi hastío / Y un hálito de frío / Las cosas envolvió… / Mis sueños y mi juventud / Cayeron muertos con tu adiós… / La noche que te fuiste / Se fue mi corazón… / Más fuerte que tu olvido, / El tiempo y la distancia, / Se ensaña, tenaz con mi desolación, / El remordimiento de todo el pasado / ¡todo mi pasado trágico y burlón ! / Por eso cuando en sueños tu imagen se agiganta / Y entonas sutil esa vieja canción, / Yo vuelvo a ser entonces el de aquellos días, / Radiante y feliz como un rayo de sol. /// 6. Guitarra, guitarra mía 19:24 // Compositores: Alfredo Le Pera e Carlos Gardel // Guitarra, guitarra mia / Por los caminos del viento / Vuelan en tus armonias / Coraje, amor y lamento. / Lanzas criollas de antao / A tu conjuro pelearon; / Mi china oyendo tu canto / Sus hondas pupilas de pena lloraron. / Guitarra, guitarra criolla, / Dile que es mio ese llanto! / Azules noches pamperas / Donde calme sus enojos, / Hay dos estrellas que mueren / Cuando se duermen sus ojos. / Guitarra de mis amores / Con tu penacho sonoro / Vas remolcando mis ansias / Por rutas marchitas que empolvan dolores. / Guitarra, noble y florida, / Calla si ella me olvida! / Midiendo eternas distancias / Hoy brotan de tu encordado / Sones que tienen fragancias. / De un tiempo gaucho olvidado / Cuando se eleva tu canto / Como se aclara la vida, / A veces tienen tus cuerdas. / Caricias de dulces trenzas renegridas / Como ave azul sin amarras / Asi es mi criolla guitarra. /// 7. Miente 23:48 // Miente, la cicatriz sobre mi frente / y la niñez donde fui fuerte alguna vez. / Miente, cada intención de contenerte, / una emoción que se arrepiente de nacer. / Vuelvo a girar en remolinos de palabras sin nombrar, / fotos perdidas que no volveré a encontrar, / tanta mentira que resiste en soledad / y niega la verdad. / Puente será tu cuerpo tendido entre / mi tiempo perdido / y tus manos? / Mienten, la religión y los creyentes, / la libertad, la fe, la suerte, / la salvación, tu amor, la muerte. / Y esta pena. / Y tus manos. / Y la vida. / Miente /// 8. Malevaje 26:44 // Decí, por Dios, ¿qué me has dao, / que estoy tan cambiao, / no sé más quien soy? / El malevaje extrañao, / me mira sin comprender… / Me ve perdiendo el cartel / de guapo que ayer / brillaba en la acción… / ¿No ves que estoy embretao, / vencido y maniao / en tu corazón? / Te vi pasar tangueando altanera / con un compás tan hondo y sensual / que no fue más que verte y perder / la fe, el coraje, / el ansia ‘e guapear. / No me has dejao ni el pucho en la oreja / de aquel pasao malevo y feroz… / ¡Ya no me falta pa’ completar / más que ir a misa e hincarme a rezar! / Ayer, de miedo a matar, / en vez de pelear / me puse a correr… / Me vi a la sombra o finao; / pensé en no verte y temblé… / ¡Si yo, / -que nunca aflojé- / de noche angustiao / me encierro a yorar!… / Decí, por Dios, ¿qué me has dao, / que estoy tan cambiao, / no sé más quien soy? /// 9. Ausentes 29:11 // Y tu sonrisa se desgranó en el aire / brilló en El Plata, desafiando el sol. / Busqué tus ojos en cada mirada, / y tu voz en el silencio de mi habitación. / Y no hay medidas en espacio y tiempo / menos caminos que te traigan hasta mí. / Queda la duda entrelazada a la esperanza, / contemplando una llamada que me haga revivir. / Ausente, ahora me dicen que es ausente. / Tu futuro, mi presente, y el pasado que nos queda por vivir. / Ausente, algo más triste que la muerte, / respuesta absurda de la gente / porque al fin hay que seguir. / Como boleto ante la pena y el olvido, / llevo tu foto, tu sonrisa y algo más. / Desdibujada en la neblina del espejo, / tu silueta es el reflejo de mi eterna soledad. / Conjuro vano, sensación de despedida, / en el desierto, barco hundido, inmensidad. / Voy remolcando en mi vida adormecida / una historia no vivida desde el día en que no estás. / Ausente, ahora me dicen que es ausente. / Tu futuro, mi presente, y el pasado que nos queda por vivir. / Ausente, algo más triste que la muerte, / respuesta absurda de la gente / porque al fin hay que seguir /// 10. Pedacito de cielo 33:17 // Compositores: Homero Exposito / Hector Stamponi / Enrique Mario Francini // La casa tenía una reja / pintada con quejas / y cantos de amor. / La noche llenaba de ojeras / la reja, la hiedra / y el viejo balcón… / Recuerdo que entonces reías / si yo te leía / mi verso mejor / y ahora, capricho del tiempo, / leyendo esos versos / ¡lloramos los dos! / Los años de la infancia / pasaron, pasaron… / La reja está dormida de tanto silencio / y en aquel pedacito de cielo / se quedó tu alegría y mi amor. / Los años han pasado / terribles, malvados, / dejando esa esperanza que no ha de llegar / y recuerdo tu gesto travieso / después de aquel beso / robado al azar… / Tal vez se enfrió con la brisa / tu cálida risa, / tu límpida voz… / Tal vez escapó a tus ojeras / la reja, la hiedra / y el viejo balcón… / Tus ojos de azúcar quemada / tenían distancias / doradas al sol… / ¡Y hoy quieres hallar como entonces / la reja de bronce /temblando de amor!. /// 11. Velitas y santos 36:10 // Tres palomitas tiesas en la pared / Siempre apuntando al cielo aunque no lo ven. / Una velita, un santo y tanto pedir / cuando piensa en quedarse comienza a huir. / Nunca llegó el camino a sentir piedad / de sus ojos cansados de no llorar. / El horizonte un día la vio pasar / ella dijo, ya vuelvo y no volvió más. / Pasó la vida, sin avisar / La vio dormida, no quiso entrar. / En una foto vieja te veo reír / con esa muñequita eras feliz. / Tus ojos me preguntan tus labios no / acaricié tus manos no hubo adiós. / Yo seguiré contando para elegir / la estrella más bonita que prometí / alumbrará los días cuando no estés / tu voz será mi guía, yo cantaré. / Pasó la vida sin avisar / la vio dormida, no quiso entrar /// 12. Pena mulata  40:01 // Composição: Sebastián Piana y Homero Manzi // Pena mulata / Que se desata / Bajo la bata / De broderí / Dolor de milonga / Que apenas prolonga / Con queja tristonga / La noche de abril / Como un espejo / Bruñido y viejo / Brilla el pellejo / Del bailarín / Clavel escarlata / Que el ansia delata / Temblando en la bata / Su mancha carmín / Tu madre murió de amores / En el Barrio del Tambor / Le abrió caminos de ausencia / El puñal de un cuarteador / Tu padre murió a la sombra / Por vengar esa traición / Mulata, nació tu estrella / En un cielo de crespón / Luz de locura / Brilla en la oscura / Mirada dura / Del bailarín / Alcohol de añoranza / Que al son de la danza / Calienta venganzas / Debajo la crin / Pobre morena / Brotó en tus venas / Una serena / Flor carmesí / Rencor en acecho / Pincel del despecho / Pintando en tu pecho / La mancha carmín / Tu madre murió de amores / Alma blanca y piel carbón / Mulata, fueron sus labios / El rencor de un cuarteador / Tu padre murió a la sombra / Por vengar esa traición / Mulata, nació tu estrella / En un cielo de crespón / Pena mulata / Que se desata / Bajo la bata / De broderí / Dolor de milonga / Que apenas prolonga / Con queja tristonga / La noche de abril /// 13. Volvió una noche 42:47 // Compositores: Alfredo Lepera e Carlos Gardel // Volvió una noche, no la esperaba, / había en su rostro tanta ansiedad / que tuve pena de recordarle / lo que he sufrido con su impiedad. / Me dijo humilde: “Si me perdonas, / el tiempo viejo otra vez volverá. / La primavera es nuestra vida, /verás que todo nos sonreirá” / Mentira, mentira, yo quise decirle, / las horas que pasan ya no vuelven más. / Y así mi cariño al tuyo enlazado / es sólo una mueca del viejo pasado / que ya no se puede resucitar. / Callé mi amargura y tuve piedad. / Sus ojos azules, muy grandes se abrieron, / mi pena inaudita pronto comprendieron / y con una mueca de mujer vencida / me dijo: “Es la vida”. Y no la vi más. / Volvió esa noche, nunca la olvido, / con la mirada triste y sin luz. /Y tuve miedo de aquel espectro / que fue locura en mi juventud. / Se fue en silencio, sin un reproche, / busqué un espejo y me quise mirar. / Había en mi frente tantos inviernos / que también ella tuvo piedad.

.

qué tiempo he de decir que esto no es realidad?

2019, janeiro 18, sexta-feira

estou irritado. ultra sensível… descompensado. e o que é muito estranho… como de um instante para outro cai neste estado, onde a presença dos outros, a voz dos outros, a existência dos outros me perturba de um forma incontrolável… e não sei se é pela rede estar instável, ou por eu ter bebido uns goles de caipira – não o suficiente para ficar feliz -, ou por ter iniciado a redução da medicação – bora desmamar e viver de cara limpa -… mas, o gatilho foi acionado e estou assim, terrível. que bosta. respirar fundo e escrever aqui, talvez. um banho gelado depois… vai que as coisas esfriam, cá dentro.

enquanto chove lá fora.

e sobre hoje, dora me deu um nó, me cansou, mas ao cabo, engoliu o seu comprimido mastigável… ou ao menos a metade. e eu torcendo para não ter jogado cinquenta pila no lixo…

audiometria solicitada, agora é esperar o agendamento. estou a ficar levemente surdo de um ouvido.

e sobre ontem… eu amarelei… usei quase todas as minhas camisetas amarelas. ô dia infernal… calor absurdo.

ontem cumpri minha função. hoje dormi e só sai da cama porque havia um corres inadiáveis por fazer…

na trilha de fundo… curumin:

DIGIPACK_Boca_AF

*****

ps:

desculpa. fui bruto. desproporcional. eu sei que queria que vc fosse diferente do que é, e que em algumas vezes vc pudesse falar de uma forma doce ou amiga, mas as coisas são como são e é isso. cada um dá o que pode dar. não devo pedir nada além. devo apenas um pedido de desculpa pra ti e pra mim.

*

trilha de fundo:

maxresdefault

kamasi washington – ‘clair de lune’

*

e pesei-me hoje, 102. ano passado estava com 110-112.

acredite ou não… é mais além

2019, janeiro 12, sábado

e para fechar o dia… a trilha sonora do dia. estou exausto, mas contente.

Olho de Peixe (1994) – Lenine & Marcos Suzano

1. Acredite ou Não (0:11) // Composição: Braulio Tavares e Lenine // Deu raposa na cabeça / Deu bicho no pé do samba / Deu federa na muamba / Deu surfista na central / Deu entulho no canal / E no jornal deu a notícia / Que no cofre da polícia / Muita prova se escondeu / Estranho! Bizarro! / Tudo isso aconteceu, / Acredite, ou não… Inesperado! / Normal só tem você e eu / Metaleiros no Maraca / Japonês na Apoteose / Caretice no Panaca / Overdose no esperto / Tempestade no deserto / Maremoto na piscina / Rififi na Palestina / Bangue-bangue no Borel / Estranho! Bizarro! / Tudo isso aconteceu, / Acredite, ou não… Inesperado! / Normal só tem você e eu / Quando o mar não tá pra peixe / Jacaré vai de canoa / Quando a banda não é boa / Vai play-back e tudo bem / Nesta vida sempre tem / Uma surpresa de emboscada / Muita carta foi marcada / E muito jogo se perdeu / Estranho! Bizarro! / Tudo isso aconteceu, / Acredite, ou não… Inesperado! / Normal só tem você e eu / Dexa que digam, que pensem / que falem / Dexa isso pra lá vem pra cá / o que que tem / Eu não to fazendo nada / você também / Faz mal bater um papo assim / gostoso com alguém / Estranho! Bizarro! / Tudo isso aconteceu, / Acredite, ou não… Inesperado! / Normal só tem você e eu /// 2. O Último Pôr do Sol (4:04) // Composição: Oswaldo Lenine Macedo Pimentel e Luís de França Guilherme de Queiroga Filho // A onda ainda quebra na praia / Espumas se misturam com o vento / No dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sentindo saudades do que não foi / Lembrando até do que eu não vivi / Pensando nós dois // No dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sentindo saudades do que não foi / Lembrando até do que eu não vivi / Pensando nós dois // Eu lembro a concha em seu ouvido / Trazendo o barulho do mar na areia / No dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sozinho olhando o sol morrer / Por entre as ruínas de Santa Cruz / Lembrando nós dois // No dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sozinho olhando o sol morrer / Por entre as ruínas de Santa Cruz / Lembrando nós dois // Os edifícios abandonados / As estradas sem ninguém / Óleo queimado, as vigas na areia / A lua nascendo por entre os fios dos teus cabelos / Por entre os dedos da minha mão / Passaram certezas e dúvidas // Pois no dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sozinho no mundo, sem ter ninguém / O último homem no dia em que o sol morreu / Pois no dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sozinho no mundo, sem ter ninguém / O último homem no dia em que o sol morreu  / Pois no dia em que ocê foi embora / Eu fiquei sozinho no mundo, sem ter ninguém / O último homem no dia em que o sol morreu /// 3. Miragem do Porto (7:54) // Eu sou aquele navio / no mar sem rumo e sem dono. / Tenho a miragem do porto / pra reconfortar meu sono, / e flutuar sobre as águas / da maré do abandono / Ê lá no mar / Eu vi uma maravilha. / Vi o rosto de uma ilha / Numa noite de luar / Êta luar / Lumiou o meu navio, / Quem vai lá no mar bravio / Não sabe o que vai achar / E sou a ilha deserta / Onde ninguém quer chegar. / Lendo a rota das estrelas, / na imensidão do mar / chorando por um navio / ai, ai, ui, ui / Que passou sem lhe avistar. / Ê lá no mar / Eu vi uma maravilha. / Vi o rosto de uma ilha / Numa noite de luar / Êta luar / Lumiou o meu navio, / Quem vai lá no mar bravio / Não sabe o que vai achar / Ê lá no mar / Eu vi uma maravilha. / Vi o rosto de uma ilha / Numa noite de luar / Êta luar / Lumiou o meu navio, / Quem vai lá no mar bravio / Não sabe o que vai achar /// 4. Olho de Peixe (12:25) // Composição: Oswaldo Lenine Macedo Pimentel // Permanentemente, preso ao presente / O homem na redoma de vidro / São raros instantes / De alívio e deleite / Ele descobre o véu / Que esconde o desconhecido, / desconhecido / E é como uma tomada à distância / grande angular / É como se nunca estivesse existido dúvida, / Existido dúvida / Evidentemente a mente é como um baú / E homem decide o que nele guardar / Mas a razão prevalece, / Impõe seus limites / E ele se permite esquecer de lembrar, / Esquecer de lembrar / É como se passasse a vida inteira / Eternizando a miragem / É como o capuz negro / Que cega o falcão selvagem, / O falcão selvagem / Se na cabeça do homem tem um porão / Onde moram o instinto e a repressão / (diz aí) / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / Se na cabeça do homem tem um porão / Onde moram o instinto e a repressão / (diz aí) / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? / O que tem no sótão? /// 5. Escrúpulo (14:53) // É muito além / É mais do que devia / Excesso que dá / De toda delicadeza… // Portanto, contudo, todavia / Toda vez você desvia / O rumo do assunto / E nunca que chega junto / E nunca que chega / Ao centro da questão / Escrúpulo!… // Você não fala pelas costas / Você não fala pelos cotovelos / Passa noites em claro / Mordendo a fronha / E escolhendo frases / De efeito moral / E nunca que você dá jeito / E nunca que ninguém / Dá jeito na situação / Escrúpulo!… // O tímido medo do ridículo / É sempre no limite / Que você decide / Decide se vai, ou se fica / Ou se foge / Decide, revide ou decide / Perdão!… // Você não sabe / Muito bem ao certo / Com que medida / Pode ser medido / O que é que move lá no fundo / Da verdade oculta / O que é que assusta / O seu coração / Você persegue a causa / E nunca que percebe / A causa da destruição / Escrúpulo!… // Odeio ficar fazendo rodeio / E pelo tolo receio / De ouvir um não / E dando passos em falso / Andando em círculo / O pé atrás, o impasse / O nó na garganta / Então já não adianta / Agora já não adianta / Mudar a decisão / Escrúpulo!… // O tímido medo do ridículo / É sempre no limite / Que você decide / Decide se vai, ou se fica / Ou se foge / Decide, revide ou decide / Perdão!… /// 6. O Que É Bonito? (18:57) // O que é bonito / É o que persegue o infinito / Mas eu não sou / Eu não sou, não… / Eu gosto é do inacabado / O imperfeito, o estragado que dançou / O que dançou… / Eu quero mais erosão / Menos granito / Namorar o zero e o não / Escrever tudo o que desprezo / E desprezar tudo o que acredito / Eu não quero a gravação, não / Eu quero o grito / Que a gente vai, a gente vai / E fica a obra / Mas eu persigo o que falta / Não o que sobra / Eu quero tudo / Que dá e passa / Quero tudo que se despe / Se despede e despedaça / O que é bonito… /// 7 Caribenha Nação/Tuaregue e Nagô (22:38) // Composição: Bráulio Tavarez e Lenine // Lá / Onde o mar bebe o Capibaribe / Coroado leão / Caribenha nação / Longe do Caribe. / Tuaregue Nagô / É a festa dos negros coroados / Num batuque que abala o firmamento; / É a sombra dos séculos guardados / É o rosto do girassol dos ventos. / É a chuva, o roncar de cachoeiras, / Na floresta onde o tempo toma impulso, / É a força que doma a terra inteira / As bandeiras de fogo do crepúsculo. / Quando o grego cruzou Gibraltar / Onde o negro também navegou, / Beduíno saiu de Dacar / E o Viking no mar se atirou. / Uma ilha no meio do mar / Era a rota do navegador, / Fortaleza, taberna e pomar, / Num país tuaregue e nagô. / É o brilho dos trilhos que suportam / O gemido de mil canaviais; / Estandarte em veludo e pedrarias / Batuqueiro, coração dos carnavais. / É o frevo, a jogar pernas e braços / No alarido de um povo a se inventar; / É o conjuro de ritos e mistérios / É um vulto ancestral de além-mar. / Quando o grego cruzou Gibraltar / Onde o negro também navegou, / Beduíno saiu de Dacar / E o Viking no mar se atirou. / Era o porto para quem procurava / O país onde o sol vai se pôr / E o seu povo no céu batizava / As estrelas ao sul do Equador. /// 8. Lá e Lô (26:14) // Tanto faz se é pirata ou rei / Tanto faz se é pirata ou rei / O reinado de um rei / Nas mãos de um pirata de lei se apaga / Se apaga / Oh se apaga / Se apaga / Tanto faz se rei ou pirata, viu / Tanto faz se rei ou pirata / A nau de um pirata nas mãos de um rei de lata / Se afoga / Se afoga, oh se afoga / Se afoga / Tanto faz se o rei pirateou / ‘tô lá e lô / Tanto faz se o pirata reinou / Eu ‘tô de lá e lô / Tanto faz se o rei pirateou / ‘tô lá e lô / Tanto faz se o pirata reinou / Eu ‘tô de lá e lô / Tanto faz se o rei pirateou / ‘tô lá e lô / Tanto faz se o pirata reinou / ‘tô de lá e lô / Tanto faz se o rei pirateou / ‘tô lá e lô / Tanto faz se o pirata reinou / ‘tô de lá e lô / ‘Tô de lá e lô / ‘Tô de lá e lô / ‘Tô de lá e lô / ‘Tô de lá e lô /// 9. Leão do Norte (28:53) // Composição: Lenine e Paulo César Pinheiro // Sou o coração do folclore nordestino / Eu sou Mateus e Bastião do Boi Bumbá / Sou um boneco do Mestre Vitalino / Dançando uma ciranda em Itamaracá / Eu sou um verso de Carlos Pena Filho / Num frevo de Capiba, ao som da orquestra armorial / Sou Capibaribe num livro de João Cabral / Sou mamulengo de São Bento do Una / Vindo num baque solto de um Maracatu / Eu sou um auto de Ariano Suassuna / No meio da Feira de Caruaru / Sou Frei Caneca no Pastoril do Faceta / Levando a flor da lira pra Nova Jerusalém / Sou Luiz Gonzaga, eu sou do mangue também / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, eu sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Sou Macambira de Joaquim Cardoso / Banda de Pife no meio do Canavial / Na noite dos tambores silenciosos / Sou a calunga revelando o Carnaval / Sou a folia que desce lá de Olinda / O homem da meia-noite puxando esse cordão / Sou jangadeiro na festa de Jaboatão / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte / Eu sou mameluco, sou de Casa Forte / Sou de Pernambuco, eu sou o Leão do Norte /// 10. A Gandaia das Ondas/Pedra e Areia (32:12) // Composição: Dudu Falcão e Lenine // É bonito se ver na beira da praia / A gandaia das ondas que o barco balança / Batendo na areia, molhando os cocares dos coqueiros / Como guerreiros na dança // Oh, quem não viu vai ver / Oh, quem não viu vai ver / Oh, quem não viu vai ver / Oh, quem não viu vai ver / A onda do mar crescer // Olha que brisa é essa / Que atravessa a imensidão do mar / Rezo, paguei promessa / E fui a pé daqui até Dakar / Praia, pedra e areia / Boto e sereia / Os olhos de Iemanjá / Água, mágoa do mundo / Por um segundo / Achei que estava lá / Olha que luz é essa / Que abre caminho pelo chão do mar / Lua, onde começa / E onde termina / O tempo de sonhar / Praia, pedra e areia / Boto e sereia / Os olhos de Iemanjá / Água, mágoa do mundo / Por um segundo / Achei que estava lá / Eu tava na beira da praia / Ouvindo as pancadas das ondas do mar / Não vá, oooh, morena / Morena lá / Que no mar tem areia /// 11. Mais Além (35:18) // Composição: Braulio Tavares, Ivan Santos, Lenine e Lula Queiroga // A leste das montanhas da nação Cherokee / Um índio na motocicleta cruza o deserto / Ao longe o cemitério onde dorme o pai, / Mas ele sabe que seu pai não está ali, / É mais além / Mais além / A linha que separa / O mar do céu de chumbo / A gaivota caça o peixe radioativo / O náufrago retém a última miragem / E morre como se continuasse vivo / É mais, é mais além / (Mais além) / Um pouco de exagero, não é nada demais / Um olho nas estrelas, outro olho aqui / O astrônomo lunático / Brincando com o sol / Descobre que a distância / Não é mais que um cálculo / É mais, é mais, é mais além / (Mais além) / A lua metafísica na poça de lama, / Ponteiros que disparam / Ao contrário das horas / Hora de saber o que mudou em você, / Que olha no espelho e não vê ninguém / É mais, é mais, é mais, é mais além / (Mais além) / O homem sobre a areia como era no início / Roçando duas pedras, uma em cada mão / Descobre a fagulha / Que incendeia o paraíso / E imaginou que havia inventado Deus / É mais, é mais, é mais, é mais, é mais além / (Mais além) /// maxresdefault (1)Olho de Peixe (1994) – Lenine & Marcos Suzano /// Lenine – Voz, Vocais e Violão / Marcos Suzano – Percussão / Carlos Malta – Saxofone / Eduardo Siddha – Percussão acidental / Fernando Moura – Teclados / Paulo Muylaert – Guitarra.