Archive for the 'Espinoza – Baruch Espinoza – Benedito Espinoza – Bento Espinoza – Benedictus Espinoza' Category

wir machen uns vor, dass wir frei sind. wir folgen dem immer gleichen pfad, wieder und wieder und wieder

2019, janeiro 2, quarta-feira

e já é quase dia 3.

passei as duas ultimas madrugadas vendo filme e marotonando duas séries na companhia de minha filha

o belo Bad Seeds

a instigante e comovente: a maldição de hill house

e misteriosa e complexa: dark;

os dois primeiros eram coisas que ela já viu, mas queria socializar comigo. e foi boa a parceria, foram três dias de muita conversa, lanche e bocado de tv. momentos assim de camaradagem são muito bons.

e é bom ter outra coisa pra fazer do que só ficar escrevendo aqui, e pensando na grana que eu preciso e não tenho pra terminar minha casa e pagar minhas contas. e fora a postagem do belchior, lema pra essa vida, nesse novo ano, e que eu já tinha programado, a última inserção aqui foi pela manhã do dia 31.

«There are more things in heaven and earth, Horatio, than are dreamt of in your philosophy»~Hamlet (1.5.167-8), Hamlet to Horatio

«Der Unterschied zwischen Vergangenheit, Gegenwart und Zukunft ist nur eine Illusion, wenn auch eine hartnäckinge…» «A diferença entre passado, presente e futuro e somente uma persistente ilusão…» Albert Einstein

Wir machen uns vor, dass wir frei sind. Wir folgen dem immer gleichen Pfad, wieder und wieder und wieder.  Jonas Kahnwald in: Dark – Cap. 10 – Alpha und Omega. minuto 36.

***

«as decisões da mente são apenas desejos, os quais variam de acordo com várias disposições» Spinoza, Ética, livro três, escólio da proposição dois

«não há na mente vontade livre ou absoluta, mas a mente é determinada a querer isto ou aquilo por uma causa que é determinada por sua vez por outra causa, e essa por outra e assim ao infinito» Spinoza, Ética, livro dois, proposição 48

«os homens se consideram livres porque estão cônscios das suas volições e desejos, mas são ignorantes das causas pelas quais são conduzidos a querer e desejar» Spinoza, Ética, apêndice do livro um.

***

e para fechar as referências de hoje:

para ler mais: Mary Wollstonecraft e as origens do feminismo

 

ragnarr loðbrók

2016, agosto 1, segunda-feira

ooh42 há duas horas entre episódios de vikings… e digitando notas e faltas lá do segundo bimestre no prof. online.

série interessantíssima, por sinal.

20h59 em casa. não fui pra escola, fui pra upa. amanhã é encaminhar de vez e marcar logo essa cantoplastia. não terminei de corrigir todas as avaliações dos primeiros, segundos e terceiros. a ideia é fazer isto agora.

durante o dia, dormi pouco. agendei veterinário para o gato preto. ajudei a limpar o quarto que o edson estava alugando. mandei ele embora na semana passada… volto novamente a morar sozinha nessa casa, sem inquilinos. pensei em escrever sobre isso, hoje.

foi um dia estressante. permaneci irritado, quase o dia inteiro. não sei bem ao certo de onde em essa sensação angustiante. refletir e refletir mais sobre…

aprendi um pouco mais sobre os sete reinos, os normandos, os bretões, os anglo-saxões… os daneses…

e nessas viagens de busão… twilight struggle.

22h02… uma coisa é certa, quanto mais longe das coisas mundo… mais vontade tenho de ficar comigo mesmo. fora do mundo.

abaixo citações que não li e expressões que nunca usei.

“Estou tão determinado a viver depressa e intensamente que não tenho tempo de escrever nem essas notas fragmentadas” – Henry Miller, Trópico de Câncer

“Qual é, então, a ‘saída sutil’? Acreditar, não em outro mundo, mas no liame do homem e do mundo, no amor ou na vida, acreditar nisso como no impossível, no impensável, que, no entanto, só pode ser pensado: ‘algo possível, senão sufoco'” – Deleuze, A Imagem-Tempo, p. 221

“Talvez acreditar no mundo, nesta vida, tenha devindo nossa tarefa mais difícil, ou a tarefa de um modo de existência por descobrir” – Deleuze, O que é a Filosofia, p. 73

“Se sou inumano é porque meu mundo transbordou das fronteiras humanas, porque ser humano parece uma coisa pobre, triste, miserável, limitada pelos sentidos, restrita pela moral e a lei, definida pelos lugares-comuns e pelos ismos” – Henry Miller, Trópico de Câncer, p. 236

“por ser capaz de entender seus afetos, o homem é capaz de uma existência ética. Espinosa procura pequenos pontos de apoio, pequenos pontos minimamente fixos para dar um norte, para garantir um empuxo. Por que o homem luta por sua servidão imaginando lutar por sua liberdade? Pergunta clínica, resposta espinosista: porque não conhece de quais afetos é capaz, porque faz escolhas confusas, porque não se conhece, o conhecimento é o mais potente dos afetos!” – Espinosa – o que é psicologia?

“Quanto mais cada um busca o que lhe é útil, isto é, quanto mais se esforça por conservar o seu ser, e é capaz disso, tanto mais é dotado de virtude; e, inversamente, à medida que se descuida de conservar o seu ser, é impotente” – Espinosa, Ética IV, prop. 20

“Mas se uma formiga, se uma abelha – pelo milagre de uma ideia ou por uma tentação de singularidade – se isolasse do formigueiro ou do enxame, se contemplasse de fora o espetáculo de suas penas, persistiria ainda em seu trabalho?” – Breviário da Decomposição (Emil M. Cioran)

“Ich wünschte sehr der Menge zu behagen, Besonders weil sie lebt und leben läßt”. Johann Wolfgang von Goethe. Faust – Vorspiel auf dem Theater