Archive for the 'Lulu Santos – Luiz Maurício Pragana dos Santos' Category

as tentações da manhã

2019, fevereiro 6, quarta-feira

6h35 mate feito. e já roncando. lá fora um coral… das mais variadas aves. ainda faz escuro, é o finalzinho da madrugada…

5h58 acordei, antes do despertador, e ainda envolto nas brumas do sonho… ou pesadelo?

dois motoqueiros estavam festando na casa do vizinho… então, eles resolvem adentrar o meu quintal… por aquela antiga entrada do cinamomo – que não existe mais faz uns vinte anos, no mínimo – e eu arremesso um lápis, que acerta a roda traseira, enquanto estacionam. ao tirarem os seus capacetes, eu descubro quem é ele e quem é ela. e peço desculpa, pela minha ignorância e brutalidade, eles sentem-se ofendidos… vieram me ver. ela veio me ver… ele acompanhava ela. aceitam minhas desculpas… conhecem minha casa… e de repente, vira e termina como uma propaganda de cerveja, bizarramente, como uma direta para o meu estado de homem-gelo. 

acordei neste instante. e ao percorrer os fragmentos destes sonhos… vão se somando outras imagens, sobrecamadas, numa amálgama, e seus possíveis significados… há elementos de coisas que eu pensei e vivi ontem… momentos, lugares, pessoas, medos e desejos. eu só não entendi qualé dos dois motoqueiros?!

06:51 a tentação é a soneca do despertador, essa vontade absurda de voltar a dormir… e a maquininha na mente dizendo… não tem problema nenhum chegar um bocadinho atrasado…

06:59 há uma avalanche de frases musicais… identifico todas, exceto a que deu o estarte. será que ela existe? fragmento: somos memória e desejo

07:03 não há mal nenhum em pegar o 7h25. e se eu soubesse da programação de hoje cedo… péssima hora, quando emprestei minha folhinha com a programação lá na segunda. talvez…

07:04 e a justificativa matemática: como eu faltei ontem, e não terei o certificado… e pelas minhas contas, pela carga horária que tenho, posso faltar 3 turnos na semana de formação… e se eu voltasse a dormir mais uma horinha? que tentação.

Somos-medo-e-desejo-Somos-feitos-de-silencio-e-som07:09 não é memória… é medo. lembrei…

e achei esse texto aqui de Cibele Prado Barbieri:

«Sobre amor e gozo, há certas coisas que não sei dizer…»

07:28 é… menos de 12 horas e eu já me arrependendo da vivo, instabilidade fudid… só caindo esse negócio… e ps: eu só vou pela tarde.

07:43 o sono novamente chegou.

ramphastos dicolorus

2018, novembro 4, domingo

7h39 #tucano-de-bico-verde  #ramphastosdicolorus

16h31 gripei. tudo [es]tá dolorido. dora tomou banho hoje.

«(…) Ângela é doida. Mas tem uma lógica matemática na sua doidice aparente. E se diverte muito a escandalosa. Aguça-se demais e depois não sabe o que fazer de si. Que se dane. Entre o “sim” e o “não” só há um caminho. Escolher. Ângela escolheu “sim”. Ela é tão livre que um dia será presa.
– Presa por quê?
– Por excesso de liberdade.
– Mas essa liberdade é inocente?
– É. Até mesmo ingênua.
-Então por que a prisão?
-Porque a liberdade ofende.” 
C. Lispector – “Um Sopro de Vida».

13876707_1065335596879190_6766012733077980645_n

**

na tevê toca aquelas músicas antigas…

Queen – I want to break free // I want to break free / I want to break free / I want to break free from your lies / You’re so self satisfied I don’t need you / I’ve got to break free / God knows, God knows I want to break free / I’ve fallen in love / I’ve fallen in love for the first time / And this time I know it’s for real / I’ve fallen in love, yeah / God knows, God knows I’ve fallen in love / It’s strange but it’s true / I can’t get over the way you love me like you do / But I have to be sure / When I walk out that door / Oh how I want to be free, baby / Oh how I want to be free / Oh how I want to break free / But life still goes on / I can’t get used to living without, living without / Living without you by my side / I don’t want to live alone, hey / God knows, got to make it on my own / So baby can’t you see / I’ve got to break free / I’ve got to break free / I want to break free, yeah / I want, I want, I want, I want to break free / Compositor: John Deacon

Lulu Santos – Sincero // Você não pode me odiar / Só porque eu falei a verdade / Pior seria te iludir o tempo todo / Não vejo vantagem / Você precisa entender meu jeito de te querer / Pode até não ser como você imaginou / Mas eu te quero, eu te venero / Eu te adoro, só não vou te enganar / Porque eu sou sincero / Baby eu sou sincero / Você não pode me estranhar / Depois que eu falei a verdade / Pior seria te iludir o tempo todo / Não vejo vantagem / Você precisa entender meu jeito de te querer / Pode até não ser assim do jeito que você imaginou / Mas eu te quero, eu te venero / Eu te adoro, só não vou te enganar / Porque eu sou sincero / Baby eu sou sincero / Sou sincero / Sou sincero / Compositor: Lulu Santos

**

não fiz nada. ansiedade em modo on… e evoluindo.

you really think you’re in control. well, i think you’re crazy

2017, dezembro 19, terça-feira

10h38. garoa lá fora. a casa uma bagunça… dormi mal. e há algumas poucas coisas por fechar  no professor online. youtube no modo aleátorio:

« Às vezes » por Tulipa Ruiz

Às vezes quando eu vou à Augusta / O que mais me assusta é o teu jeito de olhar / De me ignorar / Toda em tons de azul // Teu ar displicente invade meu espaço / E eu caio no laço exatamente do jeito / Um crime perfeito / It’s all right, baby blue // Garupa de moto, a quina da loto saiu pra você / Sem nome e o endereço é de hotel, eu mereço / Até outra vez // Às vezes quando eu chego em casa / O silêncio me arrasa e eu ligo logo a TV / Só então eu ligo pr’ocê, descubro que já sumiu // Não sei em qual festa que eu te garimpei / Cantanto “lay mister lay”, será que foi no meu tio? / Ou em algum bar do Brasil… / Sei lá, eu fui mais de mil // Cheguei bem tarde, o vinho estava no fim / E alguém passou o chapéu pra mim e gritou / É grana pra mais bebum e eu não paguei // Às vezes quando eu vou ao shopping / Escuto “Money for Nothing” e então começo a lembrar / Que eu tocava num bar e que uma corda quebrou // Foi um deus-nos-acuda, eu apelei pro meu Buda / Te peguei pelo braço e nós fomos embora / Eu disse: Baby, não chora, amor de primeira hora // A vida é chata, mas ser platéia é pior / E que papel o meu / Chá quente na cama, sorvete, torta, banana, lua de mel // Às vezes quando eu vou ao centro da cidade / Evito, mas entro no mesmo bar que você / Nem imagino o porquê, se eu nem queria beber // Reparo em sua roupa, na loira ao seu lado / No seu ar cansado que nem mesmo me vê / Olhando pr’ocê, pedindo outro “fernet” // Será que não chega, já estou me repetindo / Eu vivo mentindo pra mim / Outro sim, outra “trip”, outro tchau / Outro caso banal, tão normal, tão chinfrim // Às vezes eu até pego uma estrada / E a cada belo horizonte eu diviso o seu rosto / A face oculta da lua soprando ainda sou sua // Compositores: Gustavo Roiz Chagas e Tulipa Roiz Chagas

« Crazy » Glass Animals (cover)

 

« Crazy » Gnarls Barkley

I remember when, I remember, I remember when I lost my mind / There was something so pleasant about that place / Even your emotions had an echo / In so much space // And when you’re out there, without care / Yeah, I was out of touch / But it wasn’t because I didn’t know enough / I just knew too much // Does that make me crazy? / Does that make me crazy? / Does that make me crazy? / Possibly // And I hope that you are having the time of your life / But think twice, that’s my only advice / Come on now, who do you, who do you, who do you / Who do you think you are? / Ha, ha, ha, bless your soul / You really think you’re in control // Well, I think you’re crazy / I think you’re crazy / I think you’re crazy / Just like me // My heroes had the heart to lose their lives out on a limb / And all I remember is thinking, “I want to be like them” / Ever since I was little, ever since I was little it looked like fun / And it’s no coincidence I’ve come / And I can die when I’m done // Maybe I’m crazy / Maybe you’re crazy / Maybe we’re crazy / Probably / Composição: Brian Burton / Gian Piero Reverberi / Gianfranco Reverberi / Thomas Callaway

« Cinco Minutos » Ellen Oléria, Walmir Borges e Alma Thomas (cover)

Nã, nã, nã, nã, nã, na / Pedi você / Prá esperar 5 minutos só / Você foi embora sem me atender / Não sabe o que perdeu / Pois você não viu, você não viu… / Como eu fiquei / Pedi você prá esperar 5 minutos só / Você foi embora, embora, embora / Sem me atender… / Pois você não viu… / Não sabe o que perdeu / Pois você não viu, não viu, não viu / Como eu fiquei / Dizem que foi chorando, sorrindo, cantando / Os meus amigos, meus amigos, até disseram / Que foi amando, amando / Pois você não sabe, você não sabe / E nunca, e nunca, e nunca, e nunca, / E nunca, e nunca, e nunca vai saber porque / Pois você não sabe quanto vale 5 minutos, 5 minutos na vida / Pois você não sabe e nunca vai saber porque / Pois você não sabe quanto valem 5 minutos na vida // Composição: Jorge Ben Jor

«  Tigresa » Caetano Veloso e Ney Matogrosso

Uma tigresa de unhas negras e íris cor de mel / Uma mulher, uma beleza que me aconteceu / Esfregando a pele de ouro marrom do seu corpo contra o meu / Me falou que o mal é bom e o bem cruel // Enquanto os pelos dessa deusa tremem ao vento ateu / Ela me conta, sem certeza, tudo o que viveu / Que gostava de política em 1966 / E hoje dança no Frenetic Dancing Days // Ela me conta que era atriz e trabalhou no Hair / Com alguns homens foi feliz, com outros foi mulher / Que tem muito ódio no coração, que tem dado muito amor / E espalhado muito prazer e muita dor // Mas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar / Porque ela vai ser o que quis, inventando um lugar / Onde a gente e a natureza feliz vivam sempre em comunhão / E a tigresa possa mais do que o leão // As garras da felina me marcaram o coração / Mas as besteiras de menina que ela disse, não / E eu corri pra o violão num lamento, e a manhã nasceu azul / Como é bom poder tocar um instrumento // Composição: Caetano Veloso

 « Zero » Liniker
« Preciso Me Encontrar » Cartola

Deixe-me ir / Preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar / Deixe-me ir / Preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar // Quero assistir ao sol nascer / Ver as águas dos rios correr / Ouvir os pássaros cantar / Eu quero nascer / Quero viver // Deixe-me ir / Preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar / Se alguém por mim perguntar / Diga que eu só vou voltar / Depois que me encontrar // Quero assistir ao sol nascer / Ver as águas dos rios correr / Ouvir os pássaros cantar / Eu quero nascer / Quero viver // Deixe-me ir / Preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar // Deixe-me ir preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar / Deixe-me ir preciso andar / Vou por aí a procurar / Rir pra não chorar // Composição: Candeia

« Apenas Mais Uma de Amor » Lulu Santos e Tulipa Ruiz

Eu gosto tanto de você / Que até prefiro esconder / Deixo assim ficar / Subentendido // Como uma ideia que existe na cabeça / E não tem a menor pretensão de acontecer // Eu acho isso tão bonito / de ser abstrato, baby / A beleza é mesmo tão fugaz // É uma ideia que existe na cabeça / E não tem a menor pretensão de acontecer // Pode até parecer fraqueza / Pois que seja fraqueza então / A alegria que me dá / Isso vai sem eu dizer // Se amanhã não for nada disso / Caberá só a mim esquecer / O que eu ganho, o que eu perco / Ninguém precisa saber // Composição: Lulu Santos

« Muderno » Diego Moraes

Eu olho muito pro céu / É que eu ando de ônibus / Bebo no copo de requeijão / Combino terno e chinelo / Gasto tudo que ganho / Com farrinha barata / Trabalho o ano inteiro / Mas a minha grana / Não dá nem pro cheiro // Eu olho muito pro céu / É que eu ando de ônibus / Bebo no copo de requeijão / Combino terno e chinelo / Gasto tudo que ganho / Com farrinha barata / Trabalho o ano inteiro / Mas a minha grana / Não dá nem pro cheiro // Quando minha mãe me liga / Digo que está tudo bem / E diante da rotina / Que você nunca vem / Volto pra casa / Desarrumada / Nada tem pra fazer / Vou pra cozinha / Puto da vida / E um miojo vai bem // Eu olho muito pro céu / É que eu ando de ônibus / Bebo no copo de requeijão / Combino terno e chinelo / Gasto tudo que ganho / Com farrinha barata / Trabalho o ano inteiro / Mas a minha grana / Não dá nem // Trabalho o ano inteiro / Mas a minha grana / Não dá nem pro cheiro / Trabalho o ano inteiro / Mas a minha grana… // Composição: Diego Moraes

***

to be continued… pois agora vou por em dia, as coisas do dia.