teia de significados que o homem teceu

2019, abril 17, quarta-feira

antes que vire a hora. ri com jungle hoje pela manhã. e meu humor oscilou muito pela tarde/noite. vontade de me jogar da ponte.

li sobre geertz e turner.

[registrar notas aqui]


smile… it confuses people

2019, abril 16, terça-feira

Smile… It Confuses People is the debut studio album by Scottish singer Sandi Thom.

e para relaxar…

Peter Broderick – A Ride On The Bosphorus

maxresdefault

 


pōwehi

2019, abril 16, terça-feira

[00:22] tenor.gif

[00:27] tyutyu.gif

[06:58] o corpo desobedece. estou atrasado. estou exausto. manter-se acordado para comunicar que faltarei.

«As grandes guerras que ele trava por si, com a mente como sua escrava, na solidão do quarto, contra o ataque de febre ou o avanço da melancolia, são esquecidas. Não se vai longe em busca da razão. Para olhar essas coisas cara a cara seriam necessárias a coragem de um domador de leões; uma filosofia robusta; e uma razão enraizada nos intestinos da terra. À falta disso, esse monstro, o corpo, esse milagre, sua dor, logo nos fará descambar para o misticismo ou subir, com um rápido bater de asas, aos êxtases do transcendentalismo». O valor do riso e outros ensaios. Virginia Woolf

[tarde] 6 dias depois. 9 postagens depois… (seriam dez se eu tivesse editado um dos 19 rascunhos que estão na fila de espera…. é, as vezes eu tomo nota e deixo estar para editar depois ou acrescentar algo… e os textos vão ficando). e eu ainda não fui lá trancar o curso – que merda… é ficar preso num pensamento sem conseguir se desligar, se deconectar, sem efetivamente dar cabo dele.

faltei todas as minhas aulas. e não fui trabalhar em três turnos. as coisas estão assustadoramente se avolumando e estou, por um triz, a perder o controle. bem, eu já perdi o controle faz um tempinho… a dificuldade é dar ciência si mesmo que tu vai a deriva.

sigo entre a revolta e o medo – sou esse amálgama amorfo.

não consigo ter rotina, ver sentido na vida. inúmeros pensamentos me tomam de assalto… a mente não desconecta, há uma exaustão no corpo.

o corpo é um autômato – a mente um deserto repleto de hologramas.

***

[15:04] eu empilhei os livros. eu pensei até o que fazer com aquela quantidade de passes do restaurante universitário que não usarei nunca. eu tomei banho e escovei os dentes. estava pronto pra ir, havia um motivo. pra ser exato, eram três, ou dois, já que devolver o livro na biblioteca universitária e pagar a multa é parte fundamental e necessária para encaminhar aquilo que venho adiando há seis dias… trancar matrícula. mas começou a chover forte… bem na hora de sair… do horário limite para sair. excuso-me, não irei.

estou vazio.

[15:32] para tudo, chuva, ventania… vontade de ir pra cama e apagar, mas ainda há, os compromissos familiares… minha casa tem um quarto vazio. meu pai tera visita pela semana inteira. a tensão é para que eu receba a visita e acomode neste quarto. sinto-me obrigado a receber. mas prefereria ter o jungle*, o cão, como hóspede, do que um humano.

[18h15] o cão é o hóspede. sou obrigado a sair deste encapsulamento. comuniquei em casa que trancarei o semestre. pedi desculpa pelo transtorno e agradeci ao apoio – não estou conseguindo me sustentar economicamente, e depende do suporte deles – me sinto meio bosta por isto. e o gás acabou.

_________________________________________________________

notas de rodapé

* meu irmão adotou um amstaff [american staffordshire terrier], filhote, e que foi castrado essa semana… e precisa ficar dentro de casa até a cura dos pontos. só que meu irmão, se apaixonou e foi morar com a mina… e não pode levar o cão, porque o cão destrói tudo. ele desmobilhou a casa e tem deixado o cão lá, sozinho. damos, a família, atenção, comida, água, mas é um cão filhote dentro de uma casa, sozinho…

** Pōwehi é o nome do primeiro buraco negro a ter sido fotografado pelo homem[1]. Localizado no centro da Galáxia elíptica Messier 87, ele teve sua imagem real divulgada ao mundo no dia 10 de abril de 2019. A palavra Pōwehi tem origem no Kumulipo, um canto tradicional do Havaí usado para descrever a criação do arquipélago, e significa

«embelezada fonte escura de criação sem fim»